Aeronave de combate leve LCA Tejas.

Depois de problemas de integração com a Python-5 israelense no Tejas, a Força Aérea Indiana (IAF) busca equipar o Jato de Combate Leve (LCA) Tejas com o míssil ar-ar de curto alcance ASRAAM.

A estatal Hindustan Aeronautics Limited (HAL) e a empresa de defesa europeia MBDA devem se reunir nesta semana para armar o LCA Tejas com o AIM-132 ASRAAM, um míssil ar-ar de combate direto com buscador por calor.

As principais fontes de defesa disseram que a MBDA estava discutindo a questão em múltiplos níveis com a Força Aérea da Índia, e conversas formais com a HAL começarão agora para a integração do míssil que irá acrescentar maia capacidade de combate ar-ar ao Tejas.

O desenvolvimento ocorre em um momento em que a IAF está pensando em padronizar o míssil em toda a sua frota.

As conversas para a integração do ASRAAM com o Tejas vieram depois que os problemas de integração surgiram com o míssil Python-5 da empresa israelense Rafael Defence.

Míssil ar-ar AIM-132 ASRAAM.

Pesando 88 kg, o ASRAAM é uma arma de dominância do alcance visual (WVR). Ele aceita informações de alvos através dos sensores da aeronave, como o radar ou a visão montada no capacete, mas também pode atuar como um sistema de busca e rastreamento infravermelho autônomo.

Integração com mísseis

Atualmente, as aeronaves de ataque Jaguar da IAF estão sendo equipadas com o míssil ASRAAM, que tem um alcance operacional de cerca de 25 km.

A MBDA também está pronta para dizer a HAL que o míssil ar-ar além alcance visual Meteor não pode ser integrado ao LCA Tejas por causa do radar israelense – a HAL e a IAF escolheram o radar israelense Elta AESA para o Tejas Mark 1A, disseram fontes.

Fontes adicionaram que o míssil ASRAAM também está sendo integrado a dois Su-30MKIs como um projeto de teste. Uma vez bem sucedido, a IAF planeja equipar toda a sua frota de Su-30MKI com o míssil, em fases de implantação.

O teste de disparo do míssil da aeronave de origem russa está previsto para o final deste ano, disseram fontes.

Programa ASRAAM

A MBDA não estava comentando o programa ASRAAM na Índia, mas fontes disseram que estão dispostas a mudar a linha de montagem final do sistema de armas de Bolton, no Reino Unido, para a estatal Bharat Dynamics Ltd, em Hyderabad.

Fontes disseram que isso poderia ser feito sob as obrigações de compensação entre os contratos assinados na Índia, chegando a € 1 bilhão.

A MBDA é detida conjuntamente pela Airbus, BAE Systems e Leonardo.


Fonte: The Print

Anúncios

5 COMENTÁRIOS

  1. O Python 5 rejeitou o Tejas.
    E com o radar israelense, o Meteor não pode ser integrado. Planejamento é tudo.

  2. indianos não desistem deste caça carareco. nem a marinha deles aceitou esse.

  3. Se o A-Darter já estivesse operacional……….. Nossa, quando o assunto é armamento inteligente autóctone, nossa FAB é deprimente……

  4. Os pilotos indianos devem estar em Pânico, Se tiverem que se aproximar a 25 km de uma aeronave inimiga pra usar esse míssil a bordo de um Tejas. Espero pelo menos que os assentos ejetáveis sejam bons.

Comments are closed.