O único porta-aviões da França, o Charles de Gaulle, seguirá para o Oriente Médio para ajudar na luta contra o Estado Islâmico.

A França enviará seu único porta-aviões para se unir às operações da coalizão contra o grupo terrorista do Estado Islâmico (EI), anunciou o presidente Emmanuel Macron.

“O porta-aviões apoiará as operações Chammal [no Oriente Médio] de janeiro a abril de 2020 antes de ser desdobrado no Oceano Atlântico e no Mar do Norte”, disse Macron em discurso de Ano Novo às forças armadas francesas.

A operação Chammal é o componente francês da missão anti-ISIS liderada pelos EUA no Oriente Médio.

O presidente francês Emmanuel Macron anunciou o envio de seu porta-aviões no discurso de final de ano.

Macron disse que o porta-aviões Charles de Gaulle será acompanhada por um esquadrão europeu que incluirá navios da Alemanha, Bélgica, Holanda, Espanha, Portugal e Grécia.

Macron não forneceu a natureza exata da missão, mas os aviões de guerra franceses se uniram à luta contra as posições do EI como parte da coalizão, e existem cerca de 1.000 tropas francesas na região.

O Charles de Gaulle também apoiou as operações contra o EI durante um mês no ano passado, quando as forças curdas apoiadas pelo Ocidente invadiram a última fortaleza do grupo extremista na Síria.

O presidente francês disse que as forças de seu país permaneceriam na luta contra o EI, que assumiu a responsabilidade pela maioria dos ataques terroristas na França entre 2015 e 16 que mataram mais de 230 pessoas.

Macron disse que, embora o grupo não detenha mais território, “sua ameaça permanece, sob outra forma espreita e mais insidiosa”.

A coalizão anti-ISIS obteve grandes sucessos ao expulsar o grupo extremista de quase todo o território que ganhou em 2014 no Iraque e na Síria.

Mas eventos recentes representaram contratempos para a coalizão.

A Turquia invadiu o nordeste da Síria em outubro para combater as forças curdas apoiadas pelo Ocidente que derrotaram os extremistas do EI na região, interrompendo as operações finais de limpeza e permitindo que alguns prisioneiros do EI detidos pelas forças curdas escapassem.

Enquanto isso, no Iraque, muitas tropas da coalizão saíram do país, pelo menos temporariamente, após as tensões crescentes entre os Estados Unidos e o Irã em relação à decisão dos EUA de assassinar um importante comandante militar iraniano.


Fonte: Radio Free Europe/ Radio Liberty

Anúncios

1 COMENTÁRIO

  1. "…em relação à decisão dos EUA de assassinar um importante comandante militar iraniano."

    Obvio que se um sujeito orquestrar ações militares contra EUA, Rússia, China, França, UK, vai se tornar alvo militar. É tão difícil assim entender?

Comments are closed.