As 63 aeronaves Mirage F1 ex-Força Aérea da França seguirão para empresa ATAC dos EUA.

A França decidiu vender 63 jatos Mirage F1 para empresa ATAC que fornece treinamento de combate aéreo para Força Aérea dos EUA. O volume total esperado do negócio deve passar dos 300 milhões de euros, incluindo serviços de manutenção e modernização.

Os militares dos EUA em breve voarão seus novos caças F-35 contra os antigos Mirage F1 franceses. O ministro das Forças Armadas da França, Florence Parly deve concluir esta semana a venda dos 63 Mirage F1 para a sociedade Airborne Tactical Advantage Company (ATAC), uma subsidiária do grupo Textron. As aeronaves (células e motores ATAR Safran) serão vendidas por um valor de 21 milhões de euros, sem os serviços adicionais.

Estes caças, um elo fundamental nas operações nos Balcãs e na Líbia, agora vão desempenhar um papel de adversário durante o treinamento de pilotos americanos da Força Aérea dos EUA. Uma segunda vida para estes dispositivos era de oxidar em hangares da base de Châteaudun (Eure-et-Loir), uma vez que foram removidos do serviço em 2014.

A empresa ATAC já opera com jatos IAI Kfir e Hawker Hunter.

A ATAC estava em concorrência com outra companhia americana servindo a USAF, a empresa Draken International. Enquanto os EUA lançam um mega-competição para o fornecimento de 37.000 horas de voo por ano durante dez anos para a formação de seus militares, com as empresas americanas tentando adquirir todas as aeronaves possíveis no mercado internacional. A ATAC e a Dassault compraram esses lutadores, que esperam oferecer de 5 a 9 mil horas de voo por ano para vender a Força Aérea dos EUA. Isto corresponde a recolocar em voo de 30 a 45 jatos dos 63 adquiridos.

Para a França, esta manobra deve representar um volume de negócios de cerca de 300 milhões de euros. Os 63 Mirages serão enviados primeiro para a Bélgica, em Sabca, uma subsidiária da Dassault Aviation, para revisão e modernização antes de serem enviados ao exterior. O contrato prevê que todas as operações de reparação, de manutenção e modernização do sistema eletrônico será fornecido pela indústria francesa durante os 10 a 15 anos de operação planejada.

Um caça Mirage F1 francês durante um exercício Green Flag realizado na Base Aérea de Nellis. (Foto: U.S. Air Force / Chief Master Sgt. Gary Emery)

“Esta venda permite colocar de volta mais de 15 anos de vida adicionais aos dispositivos, assegurando que a gestão logística de 6 milhões de peças de reposição e manutenção permaneçam na França. Isso permite tenhamos mais investimento para os militares franceses como geração de novos empregos”, disse Pierre Duval, da Demeteris, a representação da ATAC que coordena a solução industrial e execução da negociação. O contrato começa no dia 16 de agosto, até um primeiro voo nos céus americanos em 2018. Até então, os Mirage terão todos equipamentos com tecnologia confidencial francesa removidos.


Fonte: Les Echos

25 COMENTÁRIOS