Um caça F/A-18E Super Hornet do esquadrão VFA 136 é lançado do porta-aviões USS Enterprise (CVN 65). (Foto: Mass Communication Specialist Seaman Jared M. King / U.S. Navy)

A U.S. Navy concedeu a General Dynamics Advanced Information Systems um contrato de US$ 17,9 milhões para a produção de computadores de missão avançada (AMC) Tipo-3 para os caças F/A-18E/F Super Hornet e aeronaves de guerra eletrônica EA-18G Growler. A General Dynamics fabrica os computadores avançados de missão dos caças F/A-18 desde 2002.

O AMC é o centro nervoso do Super Hornet, dando conhecimento da situação e controle dos sistemas de combate à tripulação de voo. Sendo um sistema de missão robusto, de alto desempenho e alta confiabilidade, o AMC pode processar dados em alta velocidade decorrentes das mais recentes tecnologias do sensor.

General Dynamics utiliza produtos comerciais existentes e uma arquitetura de sistemas abertos para permitir a inserção de novas tecnologia de forma rápida para melhorar as capacidades e manter os custos do ciclo de vida baixos. O AMC realiza de maneira geral, entrada/saída de dados, vídeo, processamento de voz e gráficos, e é projetado para operar em condições ambientais extremas nos atuais aviões de combate de alta performance.

“Esse contrato marca 11 anos de produção de um confiável centro nervoso aberto e de baixo custo para os Super Hornet da Marinha dos EUA”, disse Lou Von Thaer, presidente da General Dynamics Advanced Information Systems. “Nossa abordagem de arquitetura aberta oferece aos nossos clientes o mais recente recurso sem as despesas de mudança da aeronave ou de seus sistemas de apoio.”

A produção de AMCs começou em 2002 para equipar as novas aeronaves F/A-18. Em 2006, os requisitos para AMCs haviam se expandido para inclusão equipar a Marinha com modernizações das aeronaves operacionais. Este contrato será executado principalmente nas instalações da General Dynamics em Bloomington, Minnesota, onde trabalham mais de 125 empregados. Este trabalho será concluído até o final de 2012.

Anúncios

57 COMENTÁRIOS

  1. São horríveis pra voar, vivem trocando seu software de vôo.

    Não é a toa que são conhecidos como Super Bug !!!

  2. Uhum…e existem centenaS deles na marinha mais poderosa do mundo!

    Ahhhh ta..esqueci…eles são idiotas…chegaram nesse nível por não saberem o que era um bom equipamento, confiável, etc.

    Nós que somos espertos….ficamos 40 anos com os F-5 e quando decidimos trocá-los corremos o risco de pegar o Rafale….

      • Por ser campeão em apresentar bugs nos seus sistemas de vôo.

        Sem falar na sua aerodinâmica e seu péssimo desempenho.

      • Por que os pilotos brasileiros apelidaram os caças franceses de jaca??!!

        • não foi um certo blog de gripinóquios que apelidaram… 😆 😆
          vários pilotos brasileiros voaram na Cruzex o Rafale….disputa no palitinho…e só elooooogios !!! 😆 😆

    • Estão na Marinha pq o F-14 aposentou e precisavam rapidamente de um substituto. O F-18 SH nem se compara ao F-15C, nem chega perto por razões técnicas, totalmente inferior, só tendo vantagem em pousar num porta-aviões e nada mais. Não passa de um A-6 bombado, lento, bom pra ataques terrestres, e só….daqui a 20 anos, vão ser todos substituídos, e com merecimento.

    • Existem centenas hj, mas qndo chegar o F35, vão sumir centenas rapidinho.

  3. Ué? precisa mudar toda hora? Mas o SH não é a máquina mais perfeita do mundo ocidental!? rsrsrsrs

    • Francisco AMX :
      Por isso que que o SH está entre as máquinas mais perfeitas, está sempre em atualização, deveríamos questionar quando essa atualização não estivesse sendo feita.
      Eu acho que hoje o SH é um pouco superior ao Rafale, mas daqui uns 4 anos com certeza o Rafale será melhor que o SH e Gripen juntos. Por isso o Brasil não deve ter pressa na escolha do caça, até lá vamos de F-5M que dá para o gasto.
      sds

      • nem sempre, a USAF tem F-16 B25 voando, com alguma atualização, mas nada demais… tem F-15 na mesma "vibe"… inclusive são a maioria! e foram estes os mais atuantes na 2WG….

        Estou falando de um caça que está MUDANDO seus computadores de missão! em menos de 1 década! pelo menos deveríamos questionar o pq não acham?

      • SH máquina mais perfeita??
        Nos foruns intenacionais metem o pau nesse caça americano.
        F15 e F16 são elogios, já o F18 é só pedrada..rsss

  4. Um caça que entrou em serviço em 2003 já precisa mudar seus computadores de missão?

    que coisa não!? (by kiko)

      • Pode ser…. mas é muito vago este seu "aperfeiçoamento"…. pode indicar uma evolução do que é bom ou pode indicar a solução de um problema sério… eu votaria na segunda… pois trocar equipamento caríssimo em 8 anos, que funciona bem, não condiz com a tradição dos americanos! a USAF e a USN não teriam este "melindre" barato!

    • Diferentemente da França que espera o caça atingir "meia vida" pra fazer uma MLU os americanos atualização constantemente seus caças ,entre dois e quatro anos,o Super Hornet esta indo pro BLOCK 3.

      • Isso nada tem a ver com MLU meu caro…não escreva bobagens. Uma coisa são modernizações pontuais e outra são reformas de meia vida….
        Apenas para vc ver o quanto escreve besteiras, basta saber que os Rafales já tiveram várias melhorias desde que entraram em operação.
        Tente não perder a razão o tempo todo…sei que para vc deve ser difícil. mas tente. Desinformar o tempo todo não é algo para se orgulhar

        • Você quer dizer que a França esta instalando equipamentos que deviam ter sido instalados a um século atrás,isso não é modernização é correr atrás do "tempo perdido".

          • Se olharmos o interior do cockpit dos dois, o Rafale está anos-luz a frente do SHornet.

      • Ah claro, não existe F-16B25/30 na USAF… não existe F-15 defasadasso, todos os F-18 são SH agora? não sabia disso!… tudo é moderníssimo por lá não é… tu deveria investigar melhor antes de falar bobagens…

    • Chicão….com todo respeito, mas vc usa o mesmo computador desde 2003?…rs. E se imaginar que um de uso doméstico é muito menos exigido do que um "embarcado" vc sabe que tá exagerando na crítica….rs
      Outra coisa, recebeu meu e-mail? Vê se responde tchê….rs

      • ôpa, um computador de missão em um caça, Mauro, não é um PC de casa! na verdade não estou criticando, estou questionando.
        O e-mail vou responder sim… calma Beth! calma!

      • Ah, e na empresa tenho PCs Xeon, lá de 2004, que são servidores de impressão, e tem desempenho similar e até superior aos novos I7 intel… é tudo uma questão de característica e tipo! tu há de concordar comigo que é prematuro trocar os computadores de missão de um caça como o SH em menos de 10 anos… 8 na verdade! mas tudo bem, talvez tu mude de ideia ao ler o PDF que postei o link abaixo… dá uma dica dos problemas deste caça, não é atoa que seu apelido é SuperBug… seria injusto este apelido?… ou é reflexo dos problemas de Hardware e Software mesmo?

        Se fosse o Rafale, que está em serviço quase ao mesmo tempo, seria a Jaca podre não é? tu sabe muito bem disso….

      • continuando… o computador de missão é o centro nervoso do caça… seria muito caro e desvantajoso um upgrade sem necessidade, antes de um MLU…

  5. Que coisa nao, beolo caca, acho que vira pros ceus do terra brasilis.

  6. Onde há fumaça… há fogo… este trabalho acadêmico… acho, fala sobre problemas sérios de memória nos computadores de missão dos F-18s… é de 2009… mas se vcs acham normal a substituição/alteração/troca modular de um caça de 8 anos de idade, sem questionar, e já criticam quem o faz de ante-mão… não tenho mais nada a declarar!

  7. E neste novo centro nervoso que os Yanques apertao o botaozinho e os avioes ficam no chao, rsrs

  8. Pessoal, vamos usar mais a cabeça. Todos os caças que eu vi até hoje, ao entrarem em operação, sempre possuem algumas pequenas falhas, até porque quem trabalha com engenharia sabe que ninguém põe produto perfeito no mercado, seja caneta BIC ou ônibus espacial – salvo as devidas proporções(antes que uns mais exaltados venham trollar). Sejam as supostas falhas elétricas do Rafale, a memória do SH(fato este que eu já conhecia) ou o problema de modularidade do Gripen, são sempre coisas compreensíveis e esperadas. O que realmente importa é quem tem cacife pra arrumar os problemas e quem não tem. E pelo pouco que conheço de atualidades, acho que é muito mais provável dos EUA arrumarem o seu pepino primeiro, do que a França e Suécia arrumarem os seus. No mais, esse bafafá de "Rafale não presta, Super Hornet eh pior que computador de lan, Gripen não faz nada" é puro papo de torcedor…

    • E o amigo quer papo de compadre?…. vai lá no PA rsrsrs

      Só fiz um questionamento, alguém disse que o SH é ruim por isso?

  9. Finalmente a US NAVY vai trocar o CELERON 220 e o LINUX dos SUPER-HORNET, por um PENTIUM D e Windows XP .

    obs; RAFALE , já sai com Core i7 975 Extreme Edition original de fábrica , e instalado com o Windows 7 Ultimate .

  10. Amigo AMX , só quiz fazer uma comparação da tecnologia do furacão francês , com a do SUPER-TIJOLÃO defasado da US NAVY , se é que da pra comparar , é lógico que ambos não tem nada haver com esse tipo de computadores , e sistemas operacionais .
    abraços .

  11. Rafale no BRASIL

    1-transferência de tecnologia da aeronave garantida .

    2-fornecimento do código fonte da aeronave , para que no futuro possa ser integrado a aeronave novos armamentos inclusive de produção nacional .

    3- treinamento na parte cientifica e de engenharia avançada aeronáutica e espacial para o país.

    4-garantia que os aviões voarão quando quisermos e não quando os EUA quiserem .

    5-melhor formação de especialistas na area militar .

    6- independencia do país .

    7- ampliação estudos na area de tecnologia de ponta na área espacial e militar

    8- excelente avião que atenderá todas as necessidades da FAB .

    9-testado em combate (no Afeganistão e na LÍBIA) e com ótimos resultados .

    10-assim como no caso dos submarinos e dos helicópteros ,mais uma ótima oferta dos franceses .

    OBS ; mas é claro que para a mídia e governantes que odeiam o BRASIL , e os brasileiros ,e sempre querem ver a desgraça de seu próprio povo a para os cegos e pobres coitados dos eternos pró-EUA a proposta francesa não deve em nenhum momento ser levada a séria e recusada a qualquer preço e a todo custo .

    • Amigo Rafalista!

      Contra-argumentando:

      1 – Garantida totalmente? Ela é 100% francesa?? Não.

      2 – Isso eu acredito.

      3 – Concordo em partes. Tecnologia espacial não deve entrar.

      4 – Vide Malvinas – Exocet – Argentina.

      5 – Melhor porquê??????? Não entendi.

      6 – Independência ou dependência de um único fornecedor?

      7 – idem à resposta do item 3.

      8 – Concordo! Mas isso qualquer dos participantes do FX-2 faz muito bem feito….a FAB ta muito defasada.

      9 – Testado em combate na Líbia!!!????!!!! quaquaquaquaqua

      10 – Ótima pra eles. Boazinha pra gente.

      Abraços

      • Contraponto ao Phacsantos:

        1 – o Avião sua arquitetura toda, seus sistemas, seus motores, radar e armas são! chip? por favor, o Brasil não vai fabricar chip nem para seus produtos próprios! o Brasil precisa saber fazer um avião de caça como sabe fazer um avião a jato comercial, no mínimo! e integrar sistemas complexos.

        4 – O que aconteceu com os Exocet nas Malvinas? os Argentinos são Gênios? conseguiram "ressucitar" os mísseis? engraçado que 3, no mínimo, de 4 acertaram e destruiram seus alvos! e estamos falando de um míssil naval dos anos 70, de tamanho médio… imagine os novos Blocks…. das 2 uma!: Ou esta história de sabotagem e envio de códigos aos Ingleses é balela (a mais provável de todas) ou a Inglaterra é o pais mais imbecil de todos, que mesmo de porte de algo vital para o funcionamento/efetividade dos Exocet, não conseguiu se defender em nenhuma circunstância!

        5 – Melhor pois seria a única a tranferir todo ou mais, (pois vai negar que o rafale, como avião tem mais tecnologia a aoferecer que a Suécia…? nem falo de armas, radar, sensores… ) tecnologia para a fabricação do caça.

        6 – Independência no sentido de absorção de tecnologia e desenvolvimento próprio ou conjunto.

        9 – Testado sim, pq não? me explique isso se puder? se tu disser que o rafale usou apenas 5% de sua capacidade daí vou concordar! é culpa do Avião se o teatro é muito "raquítico" para sua operação? mas nem foi este o caso, na verdade tu sabe bem que o Rafale atingiu alvos em movimento com as AASM, sítios de SAMs, etc… etc…, não desfça tanto assim… pois, afinal, um F-15 "caiu" ou foi "caido" por lá…

        10 – Se sair, será uma ótima para os 2!

    • E desapontados com o Aesa do SuperTijolo
      http://cavok.com.br/blog/?p=12064

      “Existem algumas coisas que o radar faz não tão bem conforme havia sido proposto e que era esperado por nós,” ele disse. Mas “isso ainda é melhor do que qualquer coisa que nós temos”.

  12. O super hornet é pesado demais só dá constrangimento. atualizam ele demais pq vive dando problema. só ler outros foruns e verão q todos o criticam.

    • F-18 SHornetijolão em todos os blogs estrangeiros é duramente criticado em desempenho e apresentar sérios problemas técnicos …. 😆 😆

  13. Fadigas estruturais nos SH

    WASHINGTON — Engineers have uncovered a flaw in the Navy's top fighter jet that could reduce by half the aircraft's advertised service life and potentially cost taxpayers hundreds of millions of dollars in repairs, according to Pentagon documents and military and industry officials.

    A mechanism inside the wings of the F/A-18 Super Hornet, manufactured by Boeing Co. , is wearing out prematurely, prompting the Navy to order the company to make changes in the plane's production as well as retrofit several hundred planes already operating off the decks of Navy aircraft carriers, according to a Navy official.

    Officials stressed that they are not considering whether to ground the workhorse jet, because the problem does not affect its operation. Still, the "fatigue life issue," if uncorrected, would drastically shorten the $50 million aircraft's life span from 6,000 flight hours to 3,000 hours, the documents warn.

    Through testing of Super Hornets they discovered there is a fatigue issue on part of the inside of one of the wings," a Navy official confirmed in a statement yesterday. "From here on out every aircraft will be made so they don't have the problem." The official said at least 193 planes now in service will be retrofitted beginning in 2010. The plane was introduced in 1999.

    But the wing is apparently not the only thing that needs to be retrofitted, according to the Navy official, who asked not to be named because he is not authorized to speak for the program. The Navy did not comment officially about the problem despite numerous requests.

    The current fleet of Super Hornets is slated to receive a total of 40 modifications, both major and minor; additionally, a separate problem with the aircraft's wing flaps could limit even further the plane's ability to fly safely, the documents show. Special fatigue tests now underway to identify a fix for the second wing problem are set to be completed in July.

    Navy officials said they will not know the price tag for retrofitting the wings until an "engineering change proposal" outlining solutions is completed in the coming months.

    Loren Thompson, a defense analyst at the Lexington Institute, a defense and public policy think tank, said any structural problem in the jet's wing "is a much bigger problem" that will require expensive, time-consuming repairs.

    "It would be very costly to go back and refit" the jets, Thompson said. "Usually, if there is fatigue or corrosion problems [on aircraft wings], it is [on] the outside part that is exposed to the elements. When you develop a fatigue problem inside the wing, the challenge of fixing it grows.

    "The cost, the man hours, the time the aircraft are out of service: No matter how you want to measure it, it is not minor."
    The Navy plans to build 210 Super Hornets over the next five years. Ninety of the planes will be outfitted with advanced radar and high-tech sensors to jam enemy electronics. That version, known as the Growler, is awaiting approval to begin initial production next year.

    Australia recently signed a $2.4 billion deal to purchase 24 Super Hornets, the first sale in what Boeing hopes will be a growing foreign market for the aircraft.

    The structural problem in the wings has emerged at a time when Boeing has proposed selling the Navy at least 100 more Super Hornets in case the F-35 Joint Strike Fighter — the Pentagon's next-generation attack jet now under development — is delayed further, according to news reports. The F-35, produced by Boeing rival Lockheed Martin, is not expected to enter service for eight years.

    The Super Hornet is 25 percent larger than its predecessor, which was first widely introduced in the 1980s. Considered one of the Pentagon's most complex aircraft, the Super Hornet became the Navy's mainstay jet after the infamous A-12 stealth aircraft project — launched to replace the aging, earlier-model Hornets — collapsed.

    Some critics argue that the design changes and upgrades in the latest generation Hornets were so significant that the Super Hornet project should have been scrutinized as though it were an entirely new aircraft line — rather than the more cursory look reserved for modifications of earlier-model aircraft.

    They never built a prototype," said James P. Stevenson , a military aircraft specialist and author of "The Pentagon Paradox," which reserves a chapter for the F/A-18 program. "After 25 years of development they still haven't got it right."

    Indeed, the F/A-18 program has had a series of aerodynamic and structural problems over the years. As far back as the early 1980s, the first versions of the Hornets also had problems with premature wear and tear on the airframe, requiring significant retrofitting.

    Those structural issues have been more pronounced with the Super Hornet.

    For example, testing of the Super Hornet in the late 1990s revealed that the plane would "flutter" during certain maneuvers — a flaw that nearly brought the program to a standstill. It required the Navy and Boeing to make substantial changes to the wings and pylons.

    Yet while those adjustments made the flutter "manageable," according to the new documents, it produced a new problem: accelerated wear on some of the missiles carried under the wings, according to the documents.

    Now, the Navy and Boeing are scrambling to come up with a solution for the Super Hornet's wing fatigue, which first showed up in tests in 2005, the Navy official said.

    The prediction that the flaw could drastically cut the jet's anticipated life pan amazed some defense analysts .

    "That would be a significant decrease," said Richard Aboulafia , a defense analyst at the Teal Group in Fairfax, V a.

    Still, the documents indicate the Navy and Boeing are confident they know how to fix the problem. A proposal "that will address the inter-wing retro fit" is expected within a few months, according to a document prepared by Naval Air Systems Command and provided to the Globe. "Not until 2008 will aircraft roll off the line with full life" if Boeing makes the necessary adjustments to its production, according to the document. http://www.military-quotes.com/forum/costly-flaws

    • Super Jamantão está desintegrando precocemente.. :lol 😆

      Mudam e mudam seu software de vôo e não conseguem sanar o problema.

      Nos outros blogs, comentam que está limitado a fazer manobras de até 7,5 gs, devido a suas limitações.

      Asas que vibram em excesso danificando armamento..kkkkkkkkk 😆

      Verdadeiro pesadelo pra Usnavy !!!

    • Grande post Tuko!

      O Super Tijolo continua enfrentando sérios problemas.

      Verdadeira decepção!!!

      Bela informação, parabéns !!!

  14. Amigos Gumpy e TUKO , parabéns pelos ótimos comentários , já fazia um tempo que eu estava procurando na net essas informações negativas sobre o SUPER-TIJOLÃO , principalmente as declarações do ex-comandante da RAAF , vocês saciaram minha sede de informação , obrigado .
    abraços .

    • A realidade Ozeias é que a Marinha Americana não vê a hora de aposentar os F-18 rapidinho, tanto que em 2025 já vem um Fa-xx pra substituí-lo.

      Só mais 15 anos de Tijolão nã Marinha americana…. 😆

      • Não é a toa que muitos pilotos navais choram de saudades dos poderosos F-14s.

    • Amigo, esta matéria é do tempo que ADL nem tinha o Rafale operacional, a Marinha estava com o F-1 sem capacidade para atque ao solo ainda…logo percebe-se que o conteúdo desta matéria que, diga-se de passagem, coloca o Rafale como sempre mais desenvolvido e a frente do Typhoon, é dos primórdios de integração do caça!
      O que vemos com o SH, neste momento, é uma "modernização/Troca" do coração do caça! nada de correção de software! problemas de memória! bugs mil! enfim… problemas de hardware sérios! depois de 8 anos de operação… não se pode dizer que são problemas iniciais…. na verdade estes existem desde sempre, e agora, depois da chiadeira da USN e da RAAF… estão tomando uma atitude? está parecendo….

Comments are closed.