Saab celebra neste 9 de dezembro de 2018 os 30 anos do primeiro voo do Gripen.

Em 1987, nada menos que 4.370 aeronaves do Pacto de Varsóvia foram posicionadas a 15 minutos da costa da Suécia. Para combater essa ameaça, a Suécia precisava de uma aeronave com a máxima flexibilidade: um caça inteligente, que pudesse operar em ambientes agressivos e a partir de bases aéreas dispersas, além de enfrentar uma força numericamente superior. Foi aí que começou a história do Saab JAS39 Gripen. 

Contestado no começo – após sucesso por mais de três décadas, o caça Gripen da Saab, comemora o aniversário com uma nova versão no estado da arte.

Atender a todos esses requisitos significava que a aeronave deveria desempenhar missões ar-ar, ar-terra e de reconhecimento numa única incursão, sem a necessidade de retorno à base para reconfiguração. Além disso, era importante que ele pudesse pousar em rodovias para dar flexibilidade logística e velocidade para a Força Aérea se proteger de invasores que viessem do mar. Foi então que a Saab desenvolveu o Gripen.

Desde então, a parceria entre a Saab e a Força Aérea Sueca ficou cada vez mais estreita.

O primeiro piloto de testes do Gripen: Stig Holmström.
Em 9 de dezembro de 1988, o piloto de testes chefe da Saab Stig Holmström decolou com o primeiro protótipo (39-1) do caça Saab JAS 39 Gripen, num voo de 51 minutos.

Com 55 esquadrões operacionais, a Força Aérea Sueca foi na década de 1950 uma das maiores e mais poderosas forças aéreas do planeta. Aviões de caça suecos estavam em alerta de reação rápida o tempo todo, pronto para lançar dentro de 60 segundos. As aeronaves utilizadas nos primeiros dias da Guerra Fria foram versões do Saab 29 Tunnan, Saab 32 Lansen e Saab 35 Draken.

Saab 32 Lansen
Saab J35 Draken, F13

Foi no Draken que a Saab iniciou a tecnologia de compartilhamento de dados operacionais em tempo real entre aeronaves em uma unidade de combate, usando frequências de rádio. Agora, informações críticas poderiam ser passadas entre os caças, permitindo que a maioria envolvesse o inimigo enquanto permanecesse em silêncio com o rádio e o radar. Isso, por sua vez, levou ao desenvolvimento de novas táticas de combate que deram aos caças suecos uma vantagem fundamental sobre seus oponentes. Essa tecnologia amadureceria nos próximos 30 anos, transformando-se no caça-níqueis interno mais sofisticado do mundo, e forma um elemento essencial na capacidade de combate de todas as aeronaves Gripen em serviço agora e no futuro.

Saab JA 37 Viggen

Durante esse período de intensas operações de voo da Guerra Fria, ficou claro que seria mais rentável se cada aeronave fosse capaz de conduzir vários papéis. Ao mesmo tempo, era uma necessidade premente reduzir o custo de manutenção que só poderia ser alcançado operando uma frota unificada com um único projeto. O estudo conceitual resultante para uma nova aeronave, o Saab 37 Viggen, surgiu com a visão de um tipo de aeronave comum, capaz de uso totalmente operacional a partir de bases rodoviárias despreparadas.

Registro de voo da aeronave de teste 39-1, datada de 08/12/1988 na véspera do primeiro voo de teste conduzido por Stig Holmström em 9 de dezembro de 1988. Foto: Gunnar Åkerberg
Foto histórica do primeiro voo de teste em 9 de dezembro de 1988. A foto foi tirada por Peter Liander ao sul de Linköping. Peter estava em um SK 60, junto com os fotógrafos Jonny Lindahl e Owe Pettersson. O piloto foi Weikko Sunell, piloto de testes da Saab. Foto: Peter Liander.

Operacional a partir dos anos 70, o sistema de caça Viggen acabou amadurecendo em três versões. Cada um deles tinha um papel secundário claramente definido e desenvolvido. O Viggen, apesar de ser um avião de combate muito poderoso e bem sucedido, era como muitos outros caças desta geração: muito caros para serem substituídos em uma base similar. A necessidade de um verdadeiro caça multi-funções que combinasse todos os papéis desempenhados pelas variantes Viggen levou aos estudos e ao eventual desenvolvimento do caça Gripen.

O Gripen A / B foi a primeira geração do Gripen. Projetado para defender a Suécia em um cenário de Guerra Fria. Como tal, foi construído para suportar o clima ártico sueco. Foi construído desde o início para ser uma aeronave multifuncional, mas essa primeira geração se concentrou mais no combate ar-ar. O Gripen A é um monoposto e o Gripen B é basicamente o mesmo avião com quase as mesmas capacidades operacionais (ele não tem arma e carrega um pouco menos de combustível), mas com dois assentos.

Stig Holmström em 9 de dezembro de 1988 após primeiro voo do Gripen. Foto: Saab.

Após a Guerra Fria, a Força Aérea Sueca viu a necessidade de um caça que pudesse participar de operações internacionais. Ao mesmo tempo, a Saab identificou a necessidade de um produto de exportação. Isso levou a uma versão internacional do Gripen com a capacidade de ser atualizado continuamente.

Especialistas preparam o Gripen para mais uma saída.

As capacidades de reconhecimento aéreo e de superfície foram extensivamente re-desenvolvidas e foram adaptadas para enfrentar condições climáticas desafiadoras em todo o mundo. Além disso, foi redesenhado para longas missões com reabastecimento ar-ar e um sistema de geração de oxigênio a bordo (OBOGS). O Link 16 foi introduzido para cooperação internacional e o cockpit foi melhorado com uma interface homem-máquina (IHM) ainda melhor, incluindo três grandes displays coloridos. O resultado foi o Gripen C/D. O Gripen C é um monoposto, o Gripen D tem dois assentos.

A necessidade de um caça com maior alcance, maior tempo de missão / tempo na estação e com a capacidade de transportar mais armas levou ao próximo passo no desenvolvimento do Gripen. Os cenários de ameaças em constante mutação ao redor do mundo, levando a equipamentos cada vez mais sofisticados sendo utilizados, também fizeram com que essa nova geração do Gripen tivesse um desempenho ainda melhor do que seus antecessores na área cada vez mais importante da guerra da informação.

JAS39 Gripen C.

O Gripen E foi desenvolvido para atender a todos esses requisitos. Com sua fuselagem maior e seu motor mais potente, ele oferece maior alcance, mais carga útil de armas e capacidades operacionais ampliadas. Tudo isso, juntamente com um conjunto de sensores altamente eficiente, trazendo uma consciência situacional superior, torna-o um caça perfeitamente equilibrado e seguro no futuro.

JAS39 Gripen E.

O Gripen foi projetado desde o início para ser atualizado para exigências futuras, mas o Gripen E Saab levou o conceito a novos patamares de uma maneira extraordinária. O Gripen E é um monoposto. O Gripen F é uma versão de dois lugares do Gripen E que é co-desenvolvida com parceiros da Saab dentro da indústria aeroespacial brasileira e também será fabricada no Brasil.

2 COMENTÁRIOS