Um EA-18G Growler da RAAF voa baixo acima da área de Kangaroo Point como parte de uma demonstração no Sunsuper Riverfire em Brisbane. (Foto: Commonwealth of Australia)

O Departamento de Defesa da Austrália anunciou que as aeronaves de ataque eletrônico Boeing EA-18G Growler da Real Força Aérea Australiana (RAAF) alcançaram a capacidade operacional inicial (IOC).

Construído pela Boeing, o avião EA-18G Growler está em serviço com a RAAF e com a Marinha dos EUA. Na RAAF operam 11 jatos Growlers na Base de Amberley em Queensland. A aeronave é projetada para interromper, enganar ou negar sistemas eletrônicos militares, incluindo radares e comunicações.

De acordo com o chefe da Força Aérea da RAAF, o marechal da Força Aérea Leo Davies, a IOC representa uma conquista significativa nos esforços do Departamento de Defesa para aumentar a capacidade conjunta de guerra eletrônica do país.

“Com o tempo, esta aeronave funcionará com plataformas do exército e da marinha para melhorar nossa capacidade de controlar o ambiente eletrônico e, quando necessário, negar ou degradar os sistemas eletrônicos dos adversários”, disse Davies. “Isso proporcionará uma vantagem de capacidade, aumentando as opções táticas para reduzir os riscos para as forças marítimas, terrestres e aéreas australianas e parceiras em conflitos mais complexos e de alta tecnologia do futuro”.

Baseado na fuselagem do F/A-18F Super Hornet, o Growler apresenta vários aprimoramentos, incluindo aviônicos adicionais, aprimorados receptores de freqüência de rádio e um pacote avançado de comunicações. Pode realizar ataque eletrônico equipada com pods de interferência de radiofreqüência ALQ e armas avançadas.

A aeronave pode oferecer maior proteção às forças e, ao mesmo tempo, melhorar sua consciência situacional.

Em junho de 2014, a Boeing recebeu um contrato para entregar 12 aeronaves da EA-18G Growler à Austrália sob um contrato de vendas militares com a Marinha dos EUA. O acordo também incluiu a entrega de sistemas necessários de missão e apoio, treinamento e suporte contínuo.

Um Growler da RAAF pegou fogo em janeiro do ano passado devido a falha do motor durante os últimos estágios antes da decolagem na Base Aérea de Nellis nos EUA. O acidente deixou a RAAF com os atuais 11 jatos Growlers.

SEM COMENTÁRIOS