IIAF-F-14 (1)

No início da década de 1970, o Xá do Irã, Mohammad Reza Pahlavi, estava empenhado em substituir os caças F-4 Phantom em operação na Força Aérea Imperial Iraniana (IIAF – Imperial Iranian Air Force) por aeronaves mais modernas. Após a visita do Presidente americano, Richard Nixon, ao Irã, em 1972, onde ao Xá foi oferecido o que havia de mais moderno em tecnologia militar americana, a IIAF estreitou sua escolha entre duas aeronaves: o Grumman F-14 Tomcat, e McDonnell Douglas F-15 Eagle.

mlevf1fzcrpbtvsw8rmi (1)
Grumman F-14 Tomcat (US Navy)

Uma série de reuniões foi realizada no palácio do Xá, em Teerã, com a presença de representantes da USAF e da US Navy, operadores das aeronaves propostas, cada um defendendo o seu equipamento.

McDonnell_Douglas_F-15A_061006-F-1234S-085
McDonnell Douglas F-15A (USAF)

Depois de muitas idas e vindas, as autoridades iranianas decidiram que a escolha do seu novo caça se daria através de uma rápida competição de fly-off.

F-15+F-14 (1976)
Um raro evento onde o Eagle e o Tomcat voaram juntos, em 1976 (US Federal Government)

A demonstração de voo ocorreu em julho de 1973, na Base Aérea de Andrews, no Estado de Maryland. Entre os espectadores estava o Xá em pessoa. Pelas regras estipuladas, cada aeronave teria no máximo 15 minutos para efetuar sua apresentação.

F-15, com Irv Burrows, piloto de testes da McDonnell Douglas, no comando da aeronave (final do primeiro voo)
F-15A, com Irv Burrows, piloto de testes da McDonnell Douglas, no comando da aeronave (ao final do primeiro voo do Eagle, em 27/07/1972)

O primeiro a se apresentar foi o F-15, com Irv Burrows, piloto de testes da McDonnell Douglas, no comando da aeronave.

Aguardando a sua vez, a bordo do F-14, estavam Don Evans, como piloto, e Dennis Romano, oficial de armas, ambos da equipe de testes da Grumman.

F-14A prototypes on the flight line at the Grumman plant in Calverton NY in 1972
Protótipos do F-14A ao longo da linha de voo, nas instalações da Grumman, em Calverton (NY), em 1972 (Grumman)

Enquanto o F-15 taxiava na pista, os tripulantes do F-14 deram partida em sua aeronave. Durante toda a apresentação do Eagle, Don e Dennis aproveitaram para aquecer os motores do Tomcat. Eles sabiam que, em comparação ao F-14, o F-15 possuía uma melhor relação peso/potência, e, queimando um pouco de combustível, espertamente, aproveitaram para diminuir essa vantagem.

McDonnell Douglas F-15A Eagle (1977) Brian Lockett
McDonnell Douglas F-15A, em exposição estática – 1977 (Brian Lockett)

O plano de voo foi o mesmo para ambas as aeronaves e consistia em uma série de manobras iniciadas com uma decolagem de alta performance, seguido por uma “Curva Immelman”, depois uma descida para uma passagem em alta velocidade, a execução de duas curvas com alto G, seguidas por uma passagem em baixa velocidade já na configuração de pouso, e a aterrissagem em si.

Segundo testemunhas, a apresentação do F-15 foi espetacular, não só devido à força bruta da aeronave, mas também ao expertise do piloto, que demonstrou toda a sua habilidade, tendo puxado 7 G numa curva de 360 graus.

McDonnell Douglas F-15A (2003) Bevin Shively
McDonnell Douglas F-15A (Bevin Shively)
McDonnell Douglas F-15C
McDonnell Douglas F-15C (USAF)

Ao término da apresentação, havia uma sensação de já ganhou, haja vista todos eram bem conscientes que os fracos motores TF-30 do F-14A não proporcionariam ao Tomcat a mesma relação peso/potência que o Eagle.

031114-N-6213R-196 Pacific Ocean (Nov. 14, 2003) -- Lights from landing aircraft streak by an F-14D Tomcat at dusk on the flight deck of USS John C. Stennis (CVN 74). Stennis and her embarked Carrier Air Wing Fourteen (CVW-14) are at sea conducting Composite Training Unit Exercise (COMPTUEX) in preparation for an upcoming deployment. U.S. Navy photo by Photographer's Mate 3rd Class Mark J. Rebilas. (RELEASED)
Grumman F-14D Tomcat (Mark J. Rebilas)
050916-N-0295M-013 Virginia Beach, Va. (Sept. 16, 2005) - Air crewmen wave from their F-14D Tomcat, assigned to the ÒGrim ReapersÓ of Fighter Squadron One Zero One (VF-101), as they taxi at the conclusion of their tactical flight demonstration at 2005 Naval Air Station Oceana Air Show. The last F-14 Tomcat public flight demonstration will be flown at the air show as the aircraft is phased-out of the NavyÕs inventory. The air show, held Sept. 16-18th, showcased civilian and military aircraft from the Nation's armed forces, which provided many flight demonstrations and static displays. U.S. Navy photo by Photographer's Mate 2nd Class Daniel J. McLain (RELEASED)
Grumman F-14D Tomcat (Daniel J. McLain)
040926-N-6213R-003 Indian Ocean (Sept. 26, 2004) - The sun sets behind a pair of F-14D Tomcats assigned to the "Tomcatters" of Fighter Squadron Three One (VF-31) while being transferred to the hangar bay aboard the Nimitz-class aircraft carrier USS John C. Stennis (CVN 74). Stennis and embarked Carrier Air Wing Fourteen (CVW-14) are currently participating in a scheduled deployment to the Western Pacific Ocean. U.S. Navy photo by Photographer's Mate 3rd Class Mark J. Rebilas (RELEASED)
Grumman F-14D Tomcat (Mark J. Rebilas)

Cientes do grande desafio que os aguardava, Don e Dennis já haviam queimado bastante combustível, deixando na aeronave apenas uma quantidade mínima, suficiente apenas para realização da apresentação (2.500 lb / aprox. 1.134 kg). Isso equivalia a cerca de 1/8 da capacidade de combustível do F-14. Mais leve, essa condição fez com que o caça ficasse com uma relação peso/potência equivalente ao F-15.

060728-N-7241L-015 Atlantic Ocean (July 28, 2006) Ð An F-14D Tomcat, aircraft number 100, assigned to the "Tomcatters" of Fighter Squadron Three One (VF-31) makes a near supersonic fly-by above the flight deck of USS Theodore Roosevelt (CVN 71). The F-14 will officially retire in September 2006, after 32 years of service to the fleet. Theodore Roosevelt is completing Joint Task Force Exercises with USS Dwight D. Eisenhower (CVN 69). U.S. Navy Photo by Mass Communications Specialist 3rd Class Nathan Laird (RELEASED)
Grumman F-14D Tomcat (Nathan Laird)

O Tomcat, entretanto, possuía algo que o Eagle não tinha. A beleza da geometria variável de suas asas fariam toda a diferença durante a apresentação.

060619-N-0490C-007 Atlantic Ocean (June 19, 2006) - An F-14D Tomcat assigned to the "Tomcatters" of Fighter Squadron Three One (VF-31), performs a fly by past the Nimitz-class aircraft carrier USS Dwight D. Eisenhower (CVN 69). For the past 30 years, the F-14 Tomcat has assured U.S. air superiority, playing a key role in ensuring victory and preserving peace around the world. The F-14 Tomcat will be removed from service and officially stricken from the inventory in September 2006. U.S. Navy photo by Photographer's Mate 2nd Class Miguel A. Contreras (RELEASED)
Grumman F-14D Tomcat (Miguel A. Contreras)
9318417731_79d5aef915_b
Grumman F-14B Tomcat (US Navy)

Com os pós-combustores ao máximo, o F-14 decolou para realizar as mesmas manobras que o seu rival. Durante a passagem em alta velocidade, a tripulação do Tomcat decidiu alterar o posicionamento das asas saindo do enflechamento máximo para a abertura máxima, produzindo uma grande nuvem de vapor por fora da asa, devido à onda de choque.

030422-N-0382O-588 Mediterranean Sea (Apr. 22, 2003) -- An F-14B Tomcat assigned to the ÒSwordsmenÓ of Fighter Squadron Thirty Seven (VF-32) reaches the sound barrier during a low altitude super sonic fly by, during an air wing flight demonstration for the crew aboard USS Harry S. Truman (CVN 75). Truman and Carrier Air Wing Three (CVW-3) are currently deployed conducting combat missions in support of Operation Iraqi Freedom, the multinational coalition effort to liberate the Iraqi people, eliminate Iraq's weapons of mass destruction and end the regime of Saddam Hussein. U.S. Navy photo by PhotographerÕs Mate Airman Justin S. Osborne. (RELEASED)
Grumman F-14B Tomcat (Justin S. Osborne)
990423-N-9693M-001 ABOARD USS ENTERPRISE (April 23, 1999) -- An F-14B "Tomcat" embarked on USS Enterprise (CVN 65), breaks the sound barrier during an exercise in the Mediterranean Sea. Enterprise is forward deployed to the Mediterranean Sea. U.S. Navy photo by Photographer's Mate Second Class Damon J. Moritz. (RELEASED)
Grumman F-14B Tomcat (Damon J. Moritz)

Na sequência, com as asas enflechadas a 40 graus e os pós-combustores ao máximo, Don Evans puxou 8 ½ G numa curva de 360 graus, acelerando para 400 nós (aprox. 741 km/h). A platéia ficou chocada!

041030-F-TS431-006
Grumman F-14B Tomcat (Mahlon K. Miller)

Para terminar a apresentação, Don e Dennis acrescentaram um TGL (manobra de toque e arremetida). Ao contato dos trens de pouso principais com a pista, os pós-combustores foram acionados ao máximo e o Tomcat subiu praticamente na vertical. Nesse momento, eles ficaram praticamente sem combustível.

040925-N-0295M-137 Naval Air Station Oceana, Va. (Sept. 25, 2004) - An F-14D Tomcat assigned to the "Grim Reapers" of Fighter Squadron One Zero One (VF-101), flies an aerial demonstration in front of the crowd at the 2004 "In Pursuit of Liberty," Naval Air Station Oceana Air Show. The air show, held Sept. 24-26, showcased civilian and military aircraft from the Nation's armed forces, which provided many flight demonstrations and static displays. U.S. Navy photo by Photographer's Mate 2nd Class Daniel J. McLain (RELEASED)
Grumman F-14D Tomcat (Daniel J. McLain)

Na sequência, encerrando com chave de ouro, eles realizaram um pouso embarcado, parando a aeronave com 300 metros de pista, como se estivessem em um porta-aviões.

Photo taken of the last flying Grumman Tomcat F-14D on the day it was retired at Republic Airport, October 4th 2006
Foto tomada após o último voo Grumman Tomcat F-14D, em 04 de outubro de 2006 (US Navy)

Àquela altura, o Xá, que nem se lembrava mais da apresentação do F-15, entusiasmado, caminhou em direção ao Tomcat para saudar os seus tripulantes. Estava resolvido. O Grumman F -14 havia sido escolhido como o próximo caça da IIAF.

Don Evans
Don Evans, piloto de testes da Grumman, comandou a apresentação do F-14 que encantou o Xá, em julho de 1973. Ele também foi o principal instrutor das futuras tripulações da IIAF para o Tomcat (Grumman)

Em janeiro de 1974 o Irã colocou um pedido inicial para 30 unidades do F-14 e 424 unidades do míssil AIM-54 Phoenix. Poucos meses mais tarde, essa quantidade foi ampliada para um total de 80 aeronaves e 714 mísseis, além de um pacote de armamento completo, peças de reposição e motores sobressalentes, suficientes para 10 anos de operação. Também foi contratado um pacote de apoio logístico que incluiu a construção da Base Aérea de Khatami, perto Esfahan.

IIAF-F-14 (2)
1º Grumman F-14A Tomcat recebido pela IIAF, janeiro de 1976 (Grumman)

Os F-14 adquiridos pelo Irã foram modificados para remoção de componentes aviônicos classificados, e equipados com motores Pratt & Whitney TF-30-414. A entrega das aeronaves foi iniciada em janeiro de 1976. Dos 80 caças produzidos para IIAF (números de série 160.299 ao 160.378), a última não chegou a ser entregue, permanecendo nos EUA após a Revolução Islâmica de 1979.

1pjjavf70wy5mxp9kopq
Grumman F-14A Tomcat (IRIAF)
iiaff14
Grumman F-14A Tomcat (IRIAF)
full-30977-39291-32266_23647
Grumman F-14A Tomcat (IRIAF)
Islamic Republic of Iran Air Force (IRIAF) grumman F-14 Tomcat supersonic, twin-engine, two-seat, variable-sweep wing fighter missile bvr long range154 AIM-54 Phoenixaim-7 9 132 (7)
Grumman F-14A Tomcat (IRIAF)
F-14-IRIAF
Grumman F-14A Tomcat (Shahram Sharifi)
4310578251_6f0a39f7fe_b
Grumman F-14A Tomcat (IRIAF)
Islamic Republic of Iran Air Force Grumman F-14 Tomcat (Danial Behmanesh)
Grumman F-14A Tomcat (Danial Behmanesh)

Após a queda do Xá em 1979, a IIAF foi reestruturada, tendo recebido a designação de IRIAF (Islamic Republic of Iran Air Force). Um ano mais tarde, essas aeronaves foram usadas na guerra Irã-Iraque, mas essa já é uma outra história…

divider 1

FONTE: Grumman, USAF, US Navy, IRIAF, The Aviationist – EDIÇÃO: Cavok

IMAGENS: Meramente ilustrativas

COLABOROU: Giordani

Para saber mais sobre o Grumman F-14 Tomcat, clique aqui.


Anúncios

53 COMENTÁRIOS

  1. Ou seja, enganaram o Xá com um avião sem combustível! 😀

    Esses americanos opressores capitalistas do mau!

      • Gostei dessa Lei! eioahioaehioaehioaeea

        E estou até agora tentando entender o que o Mengele, que era médico e fazia atrocidades físicas com seres humanos, tem haver com o F-14, o Xá, o capitalismo e com os americanos…

        Mas… tudo bem! eaoiheohaeohaeoieaio

      • Agora sim faz sentido…
        Joseph Goebbels
        Der Reichsminister für Volksaufklärung und Propaganda

    • 😉
      Imagina se o Xá se encanta pelo Eagle… Fatalmente Israel e Arábia Saudita teriam de ter algo melhor.

  2. Fugindo completamente da matéria, me parece que enfim não teremos cortes na pasta da defesa esse ano pelo que eu entendi.
    "É pra glorificar de pé!!!"
    Já a educação….luto.

  3. Amigos,

    Imagino que, apesar de tudo, foi uma escolha feliz…

    O binômio AWG-9/AIM-54 Phoenix era, sem sombra de dúvidas, o sistema de armas para combate aéreo mais letal do ocidente por aquele período ( e não há exagero em afirmar que era o mais letal do mundo até o surgimento do Mig-31 ). Mesmo hoje pode ser considerado algo impressionante…

    Durante a Guerra Irã-Iraque, essa aeronave realizou interceptações muito bem sucedidas, que o Eagle muito provavelmente jamais seria capaz de realizar, atuando também como um mini-AWACS em muitos casos.

    Também não é exagero afirmar que o Tomcat permaneceu sendo teoricamente a aeronave mais poderosa do Oriente Médio até a chegada do F-15 SA e do F-15I.

  4. grande matéria Lamarca! muito legal o "causo", como disse o Giu! show de bola!

    • eu também, o Tomcat é o avião para ser adorado… mesmo tendo o AIM-54, ainda era o começo dos BVR e sabe-se hoje que não é fácil, nem mesmo para AMRAMs acertarem seus alvos de barbada… imaginem um phoenix tentando pegar um caça como os presentes no cenário do OM… já um F-15, com "158" AIM-9 de "último tipo"… com aquela pot~encia e um radar de meter medo… puts…

      • Exatamente, a IAF escolheu os Eagles e ainda hoje são sua melhor arma.

      • Victor… se o Irã tivesse adquirido o Eagle, teria sido o F-15A, e hoje essas aeronaves estariam praticamente com a mesma configuração de fábrica, com exceção das leves "modernizações" que os iranianos alegadamente realizam.

        Os EUA garantiriam à Israel a primazia, da mesma forma, com versões mais modernas e, seguramente, com uma frota consideravelmente maior do que eles tem hoje.

        Ainda sobre o Irã… o fato de haver uma nação inimiga dos EUA operando o seu principal caça, mesmo da 1ª variante, possivelmente teria contribuído para que o F-22 tivesse sido exportado para os principais aliados do Tio Sam.

        • LaMarca, eu vi errado. eu pensei que ele tinha perguntado sobre o Irã, não sobre Israel, quando eu avistei, logo respondi, mas não vi que era ISRAEL, e vi agora que se trata de Israel, não do Irã, ESTOU CEGO! desculpa..

  5. Valeu pela aula professor La marca!
    Fico sempre esperando,pelo final de semana,para ter essas matérias especiais,ou então o desafio!
    Sempre materias,notas 10!
    Uma duvida,que sempre tive:
    -" Sempre me falaram do f-14,ser o irmão maritimo,do f-15,tirando ai então esta armação que os pilotos fizeram,o f-14 e tão inferior assim ao f-15?

    • F-15 não é irmão de F-14 coisa nenhuma. Foram projetos independentes. Enquanto a USAF procurava um super caça, a USN precisava urgentemente preencher a lacuna gerada pela furada que foi o F-111B. Existiu um estudo de se navalizar o Eagle, até bem interessante, mas a Marinha já estava comprometida com a Grumman e sem $$$$.

    • Obrigado, Roberto…
      Realmente sempre aproveitamos os fins de semana para trazer algo de especial. Sobre os caças, o Gio já respondeu sua pergunta.

      Veja também o comentário do RR e outro do Gio, mais abaixo.

      Sds!

  6. O F-14 apanha pro F-15 , não fosse os pilotos terem dado o "jeitinho americano"…..

  7. Quem é o melhor? Difícil saber. Tanto o Eagle quanto o Tom, são os primeiros "super caças" da história. Em termos de números absolutos o F-15 é melhor e além disso a sua avionica é superior, tanto é que ele é monoplace, porém, o F-14 era nada menos que um caça de defesa da frota. Ele tinha de ser rápido, chegar e atirar. Isso fica evidente no formato das asas. Enquanto o Eagle é um dogfighter, o Tom é um sniper! O grande problema do Tom foram seus motores. Quem tiver qualquer um dos dois, estará bem servido. Se eu tivesse e escolher e ir a luta? Eagle! Sem pestanejar!

      • Valeu La marca,e Giordani.
        Tenho aprendido bastante,com vcs!
        E parabens pelo blog! e pelas materias que sempre postam!
        Ja pensaram em fazer um englobando noticias militares na area terrestre?

        • Desse jeito eles iriam ficar igual o "aviação inimiga" e serem acusados de plagio!

        • Se tem um outro tema que eu curto é submarinos! Máquinas sensacionais! Mas chega, aviação já é "bão" demais!

    • Tirou as palavras da minha boca. São soberbas aeronaves com suas próprias idiossincrasias.
      Quanto a escolha do Xá, mesmo sendo enganado, foi uma boa escolha.Se não me engano, o motivo de tal compra foram as incursões dos Mig-25. Qual é o melhor interceptador para essa situação?
      Mas como tu falaste antes, também ficaria com o Eagles.

      • Verdade! para o que o Xá queria (afugentar os Migs-25 de reconhecimento soviéticos) O F-14 era a melhor escolha. Por seu turno, os israelenses queriam e precisavam de um caça de superioridade aérea, um aparelho manobrável, com o melhor radar, capaz de limpar os céus das ameaças inimigas. Nesse cenário, o Eagle é o melhor

  8. Parabéns pela matéria La Marca! 🙂

    E concordo com o Xá, o F-14 estacionado já impressiona, imagina com essas manobras……

    "Shut up and take my money!" 😀

    []'s

    • Valeu, Nick!
      Por mais que o F-15 seja superior, no lugar do Xá, vendo uma apresentação dos 2 caças, eu também teria optado pelo Tomcat, sem pestanejar.
      😉

      • se o xá tivesse um entendimento maior ele poderia ter pedido um combate simulado

        • Ao que parece o Xá queria, mas foi vetado pelos USAmericanus malvados…

      • só que, chefe, lhe conhecendo, sei que nunca compraria um avião de combate apenas vendo o se "apresentar"! 🙂

          • nem bicicleta eu compro mais antes de testar bem! rsrsrsrs a bunda reclama!

          • Ia ser divertido fazermos uma comissão para ac0ompanhar pilotos de teste em análise de caças, falo a turma aqui do Cavok, o caça aprovado por todos estaria acima de qualquer suspeita! kkkkk

          • se bem que, pensando por outra linha, o Xá tinha para escolher uma Ferrari ou um Lamborghini… sem chance de sair mal na fita… rsrsrsrs

  9. Ótima Matéria LaMarca, enquanto lia a matéria ficava imaginando em 3D na minha cabeça rsrsrs, essa apresentação de Eagle e Tocam deve ter sido incrível! Já pensou em falar do F-14 e MiG-31 ? já que os dois possuem mísseis de longo alcance e digamos que, o Tomcat pode ser considero um interceptador também. o que acha de falar sobre o MiG-31 ? ou do F-14 e MiG-31, em um único post! abraço!!

    • Obrigado, Vitor…
      Quando eu estava preparando o texto, minha preocupação é que as pessoas pudessem "visualizar" a cena durante a leitura, afinal de contas, um evento épico como esse não acontece todo dia.

      O MiG-31 realmente merece um artigo. Creio em breve o faremos.

      Grande abraço!

      • Sim, totalmente.

        Então estarei no aguardo pelo Foxhound, só queria fazer uma correção, eu quis dizer " O Tomcat pode ser CONSIDERADO um interceptador". desculpe pelo erro, não tinha visto!

        Abraço!

  10. pois é, e olha só quem que da dor de cabeça pros americanos hj em dia

    além do não ao F-4, teve outras picuinhas relacionada a compra de tecnologia militar dos USamericanus malvadus

  11. Uma excelente máquina, não sei o motivo até hoje dessa aeronave sair de linha da USN, já que pra mim seria o HI dela e o F/A-18 o LO.
    Do mesmo jeito de fizeram o F/A-18 Super Hornet, poderiam ter modernizado o F-14 e transforma-lo no Super Tomcat ou no F-14 Silent Tomcat.

Comments are closed.