Uma aeronave de treinamento EMB-312F Tucano da Força Aérea Francesa. (Foto: Ed Groenendijk / Airliners)

A Força Aérea da Guatemala estaria negociando a compra de dez treinadores usados EMB-312F “Tucano”, que estão sendo desativados pela Força Aérea da França. O fato confirma vendas anteriores de outras aeronaves semelhantes pelos franceses ás aviações militares do Chade e da Mauritânia, na África.

A Guatemala foi um dos países latino-americanos que compararam os aviões “Tucano” da Embraer e as novas compras visam repor perdas operacionais. O país tentou negociar novos EMB-314 “Super Tucano” com o fabricante nacional, mas a venda não foi concretizada e a solução mais viável pode ser a de adquirir os exemplares usados da França, bem cuidados e ainda com longa vida útil de célula pela frente.

O Emb-312 Tucano foi encomendado ainda na década de 1980, num total de 48 aeronaves, respondendo a grande encomenda anterior feita pelo governo brasileiro de helicópteros da Eurocopter, quando da reativação da Aviação do Exército.

O Tucano encomendado pela França possui algumas diferenças em relação aos outros Tucanos, eles possuem uma aviônica desenvolvida especialmente para o Tucano francês pela empresa Sextant Avionique, o painel incorporando alguns equipamentos digitais, o que inexiste em outras versões do Tucano. Além disso, os Tucanos franceses possuem um freio aerodinâmico ventral, entre outras pequenas modificações. Com essas alterações a Embraer denomina essa versão de Emb-312F, ou Tucano França.

Os Tucanos franceses estão baseados em Salon de Provence no sul do país, próximo a Marselha, na École de l`Air, onde cumprem missões de instrução destinadas aos pilotos que voarão na aviação de caça francesa. Durante o curso, os alunos realizam cerca de 76 horas de vôo em missões que vão de vôos em formatura, navegações VFR, IFR, noturnas e a baixa altura. Completado este curso, os pilotos seguem para Tours, onde realizam o curso de caça na École de Chasse onde passam a voar o Dassault Alpha Jet.

O Tucano França substituiu na função, o saudoso Potez CM 170 Fouga Magister. Recentemente as 36 aeronaves que estavam em operação, mais as cerca de 10 que estavam estocadas, foram retiradas de serviço, em virtude de alterações no formato da sequência de instrução francesa, mesmo ainda tendo um bom tempo de vida útil das células.

A retirada dos Tucanos de serviço no Armée de l´air se dá em razão das mudanças no treinamento dos pilotos franceses, onde a instrução e a pré-especialização em transporte ou caça devem ser realizados em modelos Grob e Epsilon, em Cognac.

Fonte: Aerobusiness, via Hangar do Vinna

Anúncios

5 COMENTÁRIOS

  1. Olha aí o nosso parceiro estratégico "roubando" clientes da Embraer 🙂

  2. Parceiros mesmos, pois compraram vários Tucanos como treinador.

    Coisa que americano jamais pensou em fazer e nunca fará um dia….kkkkk 😀

  3. Caracas, se os caras compram Tucanos aposentados da França
    teriam dinheiro para comprar Super Tucanos novos da EMBRAER? Só
    muito doido prá achar isso… Bom são os suecos que não vendem os
    aviões comprados da EMBRAER para ninguém….rs Mas vale a pena
    relembrar….a EMBRAER criou um sistema baseado no seu EMB-145 com
    radares da Ericsson. Um sucesso comercial. Vendido para o Brasil
    (projeto bom é aquele que é comprado por quem desenvolve) e para a
    Grécia. Aí a SAAB comprou a Ericsson….E nunca mais a EMBRAER
    vendeu seu conjunto. Já a SAAB vendeu seus aviões com radares
    Ericsson para a Tailândia e Emirados Árabes. E dizem que negociam
    com a Argentina. Eita mundão grande de meu Deus!!!! Esses suecos
    são ou não são confiáveis prá dedéu?

  4. É Guatemala é tradicional cliente da Embraer. Agora é porque eles ainda não sabem que é só vir chorar aqui no Brasil, que nosso bondoso GF doa inteiramente de graça e revisado Tucano em bom estado. É só eles sabem pedir.

    Sds

Comments are closed.