O presidente Jimmy Morales no avião Pampa III, no ato de fechamento da negociação da compra dessas aeronaves.

O Ministério da Defesa (Mindef) suspendeu a aquisição de aeronaves Pampa III depois de ouvir as recomendações da Controladoria Geral de Contas (CGC). O CAVOK já havia alertado de que a compra foi classificada como “não legal”, uma vez que os mecanismos estabelecidos na Lei Contratante não foram utilizados.

César Elías, subcontratado da Qualidade da Despesa Pública, recomendou o cancelamento imediato do processo de compra da aeronave e, em vez disso, submetê-lo à Lei de Compras Governamentais e à Lei Orgânica do Orçamento.

Elías acrescentou que, se as autoridades continuassem com esse procedimento, seria obrigado a entrar com ações criminosas no Ministério Público. O vice-ministro Jorge Ruiz, confirmou que vai cumprir a ordem da CGC, portanto a aquisição dessas aeronaves está suspensa.

Cláudia Rodas, vice-ministra da Fazenda Pública, indicou que, quando questionados se havia disponibilidade orçamentária para a aquisição das aeronaves, eles responderam que avaliariam a forma como poderiam obter esses recursos, mas recomendou que os fundos fossem reajustados o mais breve possível.

No entanto, até agora não se sabia onde os US$ 28 milhões para a aquisição dessas duas aeronaves da Fábrica Argentina de Aviões (Fadea) seriam provenientes.

Por outro lado, o porta-voz do Exército, Óscar Pérez Figueroa, explicou que até o momento nenhum pagamento havia sido realizado para o governo de Mauricio Macri. Ele também indicou que vão esperar que o CGC emita um parecer para emendar as etapas de aquisição de equipamentos militares.

Em 3 de julho de 2019, a compra de dois aviões Pampa III tornou-se conhecida. Isto foi revelado por informações divulgadas pelo governo de Mauricio Macri e pela própria Fadea, que desde então tem se mostrado orgulhosos em seu primeiro negócio internacional, depois de 35 anos de existência do projeto da aeronave.

Após, houve declarações confusas e contraditórias do vice-presidente guatemalteco Jafeth Cabrera e do ministro da Defesa Luis Miguel Ralda, indicando que essas aeronaves ajudariam a derrubar jatos de grupos de narcotráfico, informações que foram posteriormente negadas pelo vice-ministro da Defesa.


FONTE: Prensa libre, edição CAVOK

Anúncios

9 COMENTÁRIOS

    • Pode ser o carma mesmo. Os argies já anunciaram que iam comprar tanta coisa e que depois voltavam atras que agora o mundo está dando o troco.

  1. este Fato me lembra qdo o Lula anunciou q o Rafale tinha sido escolhido na concorrencia de caças e depois voltou atras

  2. Já pensou se eles cancelam a compra de Pampa e compram Super Tucano?! Ninguém vai aguentar o "chororô" dos argentinos…

  3. Depois de 35 anos se arrastando esta plataforma está ultrapassada, independente do nível dos aviônicos que instalem.
    Vários concorrentes modernos e muito mais capazes existem nesta categoria e mesmo mais caros, são incomparavelmente mais atraentes.
    Dizem que A. Saudita e A. do Sul estariam interessadas mas a primeira tem grana de sobra para algo muito melhor e parece que as perspectivas não irão além de vendas a conta gotas para países paupérrimos da AL que comprarão meia esquadrilha.

  4. Esse 'rabo de foguete' só serve para os argies mesmo! Talvez para o Uruguai! Será?

  5. Por isso a Fadea confiscou o aeromodelo do Pampa. O plano B deve ser fabricar e tentar empurrar como drone.

  6. Se como dizem o " aeroplano" ia sem armas, de todos os modos de olhar era um negócio ruim. Esse avião não tem condições de suprir o que um país pobre precisa. Melhor servidos com três Tucanos do que com uma dúzia desses foguetinhos com asas.

  7. Não sei a razão pela qual querem cancelar esse belo negócio.

Comments are closed.