F-100_napalmA Primeira Guerra Mundial introduziu muitas e novas armas para o mundo da guerra. A primeira guerra mundial mecanizada viu o primeiro uso de tanques e aviões de combate, mas os primeiros lança-chamas funcionais que foram utilizados na Primeira Guerra Mundial são menos conhecidos, pois faltava-lhes a eficiência.

A arma continuou sendo desenvolvida. O centro de guerra química dos EUA (US Chemical Warfare Service) acrescentou borracha à gasolina para produzir uma mistura com consistência de geléia que queimava por mais tempo e aderia ao corpo da vítima, causando ferimentos fatais. Esta parecia ser uma solução para os militares dos EUA, mas quando eles entraram na guerra no Pacífico, a borracha natural estava em falta e o Exército foi forçado a encontrar um substituto adequado. Assim nasceu o napalm.

Entre 1942 e 1943, uma equipe liderada pelo químico de Harvard Louis Fieser desenvolveu uma mistura de ácidos naftênicos e palmítico, adicionado-os ao ingrediente clássico, a gasolina. A arma foi testada pela primeira vez em bombardeios contra Berlim e depois em Tóquio, onde causou pânico em massa após a tempestade de fogo que desintegrou mais de 100.000 pessoas. Mais tarde, na Coréia, o Exército dos EUA afirmou que o napalm era “a arma mais excelente“, que basicamente levou o medo e o terror aos soldados da Coreia do Norte e seus aliados chineses.

F-5A_vietnã do sul #2O Napalm se tornou uma arma necessária dos exércitos modernos, apesar de suas consequências estarem entre os atos mais desumanos. A eficácia da arma anulou sua crueldade. Na verdade, o napalm causava o envenenamento por monóxido de carbono quando usado em ambiente fechado que não era diretamente atingido pelo fogo. Os efeitos do monóxido de carbono eram bem conhecidos após o fim da Segunda Guerra Mundial, já que foi um dos principais gases utilizados para matar nos campos de concentração nazistas.

A céu aberto, o napalm causava queimaduras graves em todo o corpo, queimaduras que eram muito piores do que as causados por um incêndio em geral. O Napalm provoca feridas que são muito profundas de curar. Em contato com os seres humanos, imediatamente adere à pele e derrete a carne. Não há maneira de apagar o fogo, a não ser, sufocando-o, o que provoca uma dor insuportável. Em pânico, muitas vítimas tentam limpá-lo, mas isso só faz com que o fogo se espalhe, expandindo a área queimada.

Tudo isso fez do napalm muito popular entre os seus usuários e o pior pesadelo para aqueles em que foi usado. No Vietnã, o uso de napalm foi introduzido pela primeira vez pelos franceses e depois pelos EUA, que o usaram extensivamente, muitas vezes causando uma série de danos colaterais devido ao fato de que o fogo, uma vez liberado, era quase impossível de conter.

Napalm na Guerra da Coreia.
Napalm na Guerra da Coreia.

Tendo sido declarado como a arma vencedora durante a Guerra da Coreia, o napalm era parte do arsenal dos Estados Unidos desde o início do conflito no Vietnã. Na década de 1963 a 1973, 388.000 toneladas de napalm foram lançadas sobre o Vietnã. Isso é dez vezes a quantidade de napalm usado na Coréia (32.357 toneladas) e quase vinte vezes mais do que foi utilizado no Pacífico (16.500 toneladas). Primeiro, foi utilizada através de lança-chamas por parte do Exército dos EUA e seus aliados para limpar bunkers e trincheiras. Mesmo que as chamas não pudessem penetrar no bunker, o fogo consumia o oxigênio, causando asfixia.

Existem relatórios que indicam que os lança-chamas foram muitas vezes utilizados para limpar ou destruir “aldeias inimigas”, o que implica que eles podem ter sido usadas também contra civis. O Napalm tornou-se uma arma psicológica, com o inimigo tendo pavor do inferno na terra causado pelo seu uso. Mais tarde, na guerra, os bombardeiros norte-americanos começaram a lançar bombas de napalm, que provou ser muito mais destrutivo do que os lança-chamas. Uma bomba de napalm poderia deixar uma área de 2.000 m² envolta em fogo, porém as bombas de napalm lançadas por um avião em movimento rápido não garantiam muita precisão. Isso resultou em muitas mortes de civis.

Uma das fotografias mais icônicas tomadas durante a Guerra do Vietnã representado crianças que fogem de um ataque de napalm. “Apavorada”, assim se definiu mais tarde a menina da foto, Kim Phuc:

10“Napalm é a mais terrível dor que você pode imaginar. A água ferve a 100º C. Napalm gera temperaturas de 800 a 1.200 graus Celsius”.

Entre o público dos EUA, o napalm se tornou o símbolo máximo de tudo o que foi abominável sobre a guerra no Vietnã. A Guerra do Vietnã foi o primeiro conflito a ser amplamente difundido na televisão e apesar do Napalm já ser de conhecimento, uma vez que foi amplamente usada no Pacífico e na Coreia, seus efeitos nunca antes tinham sido vistos de forma tão direta pelo público.

O movimento anti-guerra começou a protestar contra o uso de napalm em 1966, pedindo um boicote da empresa que produzia napalm para os militares dos EUA, a The Dow Chemical Company. Foi só em 1980 que a Convenção das Nações Unidas sobre Certas Armas Convencionais (CCAC – Convention on Certain Conventional Weapons) declarou o uso do napalm contra concentrações civis como crime de guerra. Um número de países não assinou este protocolo, que entrou no direito internacional em 1983.

Os Estados Unidos assinaram a Convenção só em 2009, aproximadamente 25 depois da Assembléia Geral e foi no primeiro dia do presidente Barack Obama. Sua ratificação, no entanto, está sujeita a uma reserva que diz que os EUA podem ignorar o tratado a seu critério, se isso for salvar vidas civis.

Após a Guerra do Vietnã, o Napalm foi usado no Saara Ocidental (1975-1991, por forças marroquinas), Irã (1980-1988), Iraque (1980-1988, 1991), Angola (1993), Argentina (1982) e Iugoslávia (1991-1996).


FONTE: War History


NOTA DO EDITOR: Guerra é o inferno.

 

13 COMENTÁRIOS

  1. Ta ai um tipo de armamento que apesar de toda sua controvérsia não pode ser negligenciado. Guerra é Guerra e quem ganha dificilmente paga pelos seus crimes.

    NAPALM, Clusters, e demais armamentos que propiciam um "tapetão" ainda tem sua utilidade em uma guerra de 3ª geração.

  2. Na mesma medida que é eficaz, é desumano também.
    apesar das proibições, na hora do "vamo ver", voltará a ser usada.
    qual era mais terível, o napalm ou o fósforo branco?

  3. Fosforo branco é pior, ele não é tão letal por que atinge áreas menores, mas suas sequelas ficam pra toda vida.

    E o fosforo branco é usado com certa frequência, quando ocorre casos de civis queimados, as forças que os usam costumam alegar que era apenas um sinalizador de alvo que acabou se perdendo, já que para sinalização de alvos ele ainda é amplamente utilizado.

Comments are closed.