A Força Aérea da Índia recebeu 248 caças Su-30MKI até dezembro de 2018.

A Hindustan Aeronautics Limited (HAL) fabricou 202 jatos de combate Su-30MKI para a Força Aérea da Índia (IAF) em dezembro de 2018, tornando-se o maior número até agora feito sob licença da fabricante original russa Sukhoi.

Dos 202 aviões fabricados, 198 já foram entregues à IAF para o serviço ativo, disse o porta-voz da HAL, Gopal Sutur, acrescentando que o pedido completo de 222 caças seria completado durante o ano fiscal de 2019-20. Com a conclusão desta encomenda, a IAF terá recebido o complemento total de 272 aviões de combate que havia encomendado da Rússia, com 50 aeronaves entregues anteriormente em condição de voo.

Enquanto isso, a IAF disse que deve encomendar mais 8 jatos Su-30MKI para compensar as aeronaves perdidas em acidentes, de acordo com fontes da IAF. Algumas outras reportagens falam que mais 40 jatos podem ser encomendados, mas a IAF não confirma essa informação.

A conclusão do pedido dos Su-30MKI pela HAL tornaria as instalações ociosas, preparadas para fabricar a aeronave a partir do “estado da matéria-prima”, um termo usado para descrever a montagem e integração avançadas, já que algumas peças e subsistemas-chave chamados “kits” ainda vêm da Rússia, além de alguns aviônicos e sistemas eletrônicos específicos para o Su-30MKI vindo de fornecedores não-russos. A HAL está esperando por pedidos adicionais para sustentar sua fábrica e também espera que o próximo lote de jatos Su-30MKI tenha mais avanços sobre os atuais jatos.

Linha de produção do Su-30MKI na HAL.

A Rússia propôs um motor com maior empuxo, além de um radar mais avançado, como parte de um programa de atualização “Super Sukhoi”.

O Super Sukhoi seria capaz de transportar uma carga maior de armas e armas guiadas com precisão. Enquanto isso, o plano para preparar 40 jatos Su-30MKI com o míssil de cruzeiro Brahmos havia iniciado uma proposta para fabricar 40 jatos adicionais.

“Somos obrigados a modificar 40 Sukhoi-30s para transportar o ALCM BrahMos [míssil de cruzeiro lançado pelo ar]. Em vez de melhorar os caças mais velhos, com uma vida residual mais curta, seria melhor construir mais três esquadrões de Sukhois com a capacidade de transportar mísseis BrahMos”, disse Suvarna Raju, presidente da HAL, em meados de 2018.

Em termos de desdobramento, a IAF posicionou o Su-30MKI na maioria dos aeródromos da linha de frente com alguns novos criados nos dois anos anteriores. A IAF planeja sediar o Su-30MKI e o proposto Dassault Rafale juntos em sua base aérea de Hasimara, perto da fronteira indo-chinesa no Estado de Bengala.

Anúncios

8 COMENTÁRIOS

  1. Tenho minhas dúvidas se realmente aquela concorrência para comprar 114 jatos vai sair , provavelmente vão ficar comprando Su 30 , Tejas e talvez mais alguns Rafales ; a Saab fez uma proposta de fabricar 96 Gripen na Índia caso ela vença , sei que é normal da IAF a grande variedade de caças , mas pelas notícias vão ficar no que já tem..

  2. É uma quantidade considerável. É uma aeronave extremanente poderosa e nessas quantidades impõe respeito a qualquer possível beligerante.

    • Para dar conta das avionetas chinesas está de bom tamanho Xings! Agora se for um adversário equipado com caças como F-15, F-16, F/A-18, F-22, F-35, Rafale, Typhoon ou Gripen tá complicado….rs!

    • O principal diferencial é que esta aeronave é melhor que aquela operada pelos russos , ela tem uma serie de upgrades e aviônicos diferentes dos russos .

    • Os indianos precisam deles contra os chineses. Recuperar o território invadido e libertar o Tibet da opressão.

  3. O problema é que a China tem o mesmo caça, em diversas variantes, inclusive o SU-35, e em maiores quantidades.
    E a China é mais amiguinha da Rússia.

    • Percebeu porque, além de participarem juntos de diversos programas econômicos, a China nunca vai brigar com a Índia?
      Só lembrando. Na sigla 'BRICS' o 'I' é Índia e o 'C' é China.
      r.

      • BRICS é um saco de gatos sem a menor chance de dar certo, se deixar Índia e China vão para a guerra com a previsível derrota chinesa.

Comments are closed.