A Força Aérea dos Estados Unidos foi obrigada a reter temporariamente em solo mais de duas dúzias de A-10 Warthog no final do ano passado, depois que vários pilotos relataram sintomas semelhantes a hipoxia.

Dois pilotos da base aérea de Davis-Monthan, no Arizona, relataram episódios fisiológicos (physiological episodes – PEs) durante voos no final de novembro, disse o porta-voz da Força Aérea, o capitão Josh Benedetti. Em ambos os casos, o sistema de oxigênio de reserva foi acionado e os pilotos pousaram em segurança.

Uma das aeronaves foi equipada com o antigo sistema de oxigênio líquido (liquid oxygen system – LOX) que equipa a maioria dos A-10, enquanto o outro estava equipado com o Sistema de Geração de Oxigênio a bordo (Onboard Oxygen Generation System – OBOGS) que está instalado no resto da frota.

Os pesquisadores determinaram rapidamente que a aeronave equipada com LOX tinha um problema de pressão de cabine, e o regulador de oxigênio com o sistema LOX entrou em ação para corrigir o problema. Mas os investigadores não puderam determinar imediatamente a causa do problema na aeronave equipada com o OBOGS.

O Comando da USAF decidiu cancelar os voos para todos os 28 A-10 equipados com OBOGS da base, enquanto os pesquisadores analisavam o problema.

Os pesquisadores ainda estão investigando o incidente e ainda não determinaram uma causa, embora tenham encontrado alguma corrosão na tubulação. A equipe de manutenção implementou algumas “práticas melhores”, como manter o separador de água drenado, de modo que o ar possa fluir através de obstáculos e aplicou uma lista de verificação pré-voo mais detalhada.

Atualmente, nenhum PEs foi relatado nos A-10 da base aérea de Davis-Monthan desde então


FONTE: Aviation Week

SEM COMENTÁRIOS