Neil Alden Armstrong, astronauta da NASA, morreu com 82 anos.

Nesse sábado, dia 25 de agosto, o mundo perdeu um dos mais importantes personagens da história mundial, o primeiro astronauta a pisar no solo lunar. Neil Alden Armstrong, além de deixar seu grande passo na Lua, também foi um piloto de aeronaves militares, e deixamos aqui nossa homenagem ao piloto, contando um pouco de seu amor pela aviação.

Armstrong e um modelo do jato F9F-2B que ele voou na década de 1950. (Foto: U.S. Navy)

A paixão de Armstrong pelo vôo começou quando ele era adolescente, e logo cedo ele entrou no serviço militar pela Marinha dos Estados Unidos, recebendo por carta em 1950, quando ele estava com apenas 20 anos, a informação que ele acabava de se tornar um aviador naval. Ele então passou a voar no Esquadrão de Caça VF-51, com os jatos F9F-2B Panther, e logo foi destacado em 1951 para Guerra da Coréia, junto com o porta-aviões USS Essex (CV-9). Armstrong voou 78 missões, num total de 121 horas sobre os céus da Coréia, e foi premiado com numerosas condecorações, dentre elas a Air Medal por 20 missões de combate, uma Gold Star pelas próximas 20, e a Korean Service Medal e Engagement Star.

Como piloto de testes, Armstrong voou com o experimental X-15 em 1960, atingindo velocidades maiores que MACH 5 e altitudes maiores que 60 quilômetros.

Depois de seu serviço com a Marinha acabar em 1960, ele se tornou um piloto de testes de renome, tendo participado no desenvolvimento dos caças F-100 Super Sabre A e C, F-101 Voodoo, e do Lockheed F-104A Starfighter. Além disso, ele também voou várias outras aeronaves como os experimentais Bell X-1B, Bell X-5 e North American X-15, e as aeronaves de combate F-105 Thunderchief, F-106 Delta Dart, B-47 Stratojet, B-29 Superstratofortress e KC-135 Stratotanker. Enquanto esteve trabalhando como piloto de testes do Dryden Flight Research Center na Base Aérea de Edwards, na California, Armstrong registrou um total de mais de 2.400 horas de voo. Durante sua carreira ele voou mais de 200 diferentes modelos de aeronaves.

Neil Armstrong foi astronauta reserva para a Apollo 8, mas foi com a Apollo 11 que entrou para história.

Sua decisão de se tornar astronauta veio em 1958, quando ele foi selecionado para o programa espacial que levaria um homem para Lua. Depois dos programas Gemini 8 e Gemini 11, ele começou a participar do projeto Apolo, e em 1968 ele recebeu a notícia que seria comandante da Apolo 11, enquanto a Apolo 8 orbitava a Lua. No dia 20 de julho de 1969, às 17:17hs horário de Brasília, o módulo lunar da Apolo 11 pousava no solo lunar, e às 2:56 UTC, do dia 21 de julho, Neil Armstrong descia do múdulo lunar e dizia a célebre frase: “That’s one small step for [a] man, one giant leap for mankind” (Este é um pequeno passo para um homem, mas um grande salto para a humanidade). Ele permaneceu 8 dias 14 horas, 12 minutos, e 30 segundos no espaço.

Armstrong deixou um legado importante para toda humanidade.

Armstrong, depois de retornar, foi amplamente condecorado em vários países, inclusive na Rússia. Ele nunca mais foi para o espaço e dedicou-se a trabalhos de pesquisas, ajudou no acidente com a Apollo 13, e participou em conselhos administrativos de diversas empresas. Ele faleceu com 82 anos no dia 25 de agosto, em Cincinnati, Ohio, devido a problemas decorrentes de uma cirurgia cardiovascular. Era casado com Carol Held Knight.

CNota do Editor: Com certeza ele deixou um grande legado, e graças aos serviços prestados por Armstrong, e aos muitos outros pilotos de testes e astronautas, muitos aviões e tecnologias atuais estão hoje disponíveis. Depois do salto, uma grande perda para a humanidade.

Enhanced by Zemanta

11 COMENTÁRIOS

  1. Neil Armstrong, fiquei triste com a passagem de um os verdadeiros heróis do século 20. Para quem já viu o foguete Saturnio e a nave Apollo, sabe que antes de tudo, de muita engenharia, subir naquela máquina, foi algo para poucos corajosos pilotos / astronautas. A máquina despejava em seu lançamento energia igual a de um bomba atômica. Muitos não sabem, mas o primeiro pouso em solo lunar só ocorreu porque este homem assumiu o risco e tomou os controles da Eagle, foi no manual nos últimos segundos, pois se combustível estava acabando. Sempre foi o número 1 como Gagarin, e figurará para sempre nos livros de história. Pessoas como Armstrong são raras hoje em dia. Este abdicou de toda fama para dar aulas, raramente deu entrevistas. É o oposto da geração facebook. Não se fazem herois com antigamente. Descance em paz Armstrong.

  2. Grande Neil, dos bravos astronautas também gosto muito do Buzz, talvez pela simpatia.

    Uma curiosidade, uma vez acho que aqui nesse blog surgiu o assunto ejeção e os danos que causa ao corpo, ao contrário da maioria eu disse que existia vários casos em que o piloto mesmo após ejetar ele por sorte ou outro motivo, não sofria dano e voltava a voar, o Neil é um exemplo, ele ejetou num teste antes da viagem e mesmo assim estava ótimo para ir a lua.

    Quanto a viagem a lua, bom os senhores acredito que saibam dos detalhes, mas que é incrível eles terem realizado o feito com "computadores" menos capazes que nossos relógios de pulsos de hoje em dia, realmente é um grande feito.

  3. Em 1o. de outubro de 1969 ele esteve em Brasília, DF. Enquanto o avião que o levava a Buenos Aires fazia uma escala para reabastecimento, ele perambulou animadamente pela cidade, por pouco mais duas horas, e conheceu por dentro quase todas as edificações que lhe interessaram no centro da capital — achando o lugar "espacial" o suficiente para gostar dele. Não entrou no Congresso Nacional, que estava de recesso e, estranhamente, fechado. Foi descrito como "extremamente simpático e falante". Um grande pioneiro dos céus, herói da humanidade dentro da estratosfera, bem antes de qualquer volta orbital, pois sabemos que conduzia jatos "roleta-russa" que costumavam vitimar com frequência seus pilotos de testes. Agora, deixa sua valorosa marca eterna na Terra, para subir o inevitável degrau de volta aos céus.

    • Prefiro não encarar como morte ou desaparecimento mas sim como retorno. Agora Neil Armstrong voltou em definitivo para o ambiente de onde veio: Os céus.

  4. Sem duvidas um ícone que ficará gravado na historia da cosmonáutica. A corrida espacial foi a parte heróica e cavalheiresca da guerra fria. As conquistas dessa época não foram apenas dos EUA e URSS, mas sim de toda a humanidade.

    • Concordo contigo Relojoeiro. A corrida espacial foi um momento mágico onde EUA e URSS certamente deixaram seus maiores legados à humanidade

  5. Hoje em dia ainda é arriscado voar em foguetes, imaginem naquela época, e naquela época conseguir ir até a LUA e voltar! : P

    Descanse em paz grande piloto.

    []'s

  6. Eram tempos em que a técnica, a perícia, o conhecimento PRECISAVAM andar junto da coragem, do destemor diante do desconhecido. Esses homens, toda a geração de Armstrong, que foi um dos pioneiros, eram a nata da humanidade. Jogassem eles na selva, ou no deserto ou no mar fariam as mesmas coisas que fizeram no espaço. Carece lermos melhor estes anos de embate entre americanos e soviéticos e a quantidade fantástica de conhecimento que seus esforços geraram.

  7. Sou fã dele, pena que agora não teremos como saber sobre aquele evento misterioso que só ele e o Buzz Aldrin participaram…

    Ele foi realmente uma pessoa espetacular.
    Lamento muito sua morte, que descanse em paz…

  8. É sem dúvida uma grande perda, não apenas para os EUA, mas para toda a humanidade. Foi um dos pioneiros numa época em que era necessário, acima de tudo, muita coragem e idealismo para assumir os riscos de desbravar o espaço. Se hoje o homem planeja uma viagem tripulada à Marte, se deve em grande parte a heróis como Neil Armstrong.

    Recomendo o filme "The right stuff" (Os eleitos), sobre o início da era espacial americana. Filmaço!

Comments are closed.