Protótipo do Bell UH-1 Huey (XH-40)
Protótipo do Bell UH-1 Huey (XH-40)

O ano era 1971. Naquele ano, o Presidente Richard Nixon começava a reduzir a presenças das tropas norte americanas no Vietnã, de mais de 250 mil para menos de 197 mil. O parque de Walt Disney World era aberto em Orlando. O boxeador Joe Frazier derrotava Muhammad Ali no Madison Square Garden, a idade mínima para votar nos EUA caia de 21 para 18 anos e Jim Morrison, do The Doors, era encontrado morto.

Todos esses eventos irão viver na história dos EUA, mas 1971 marcava um evento específico para os Fuzileiros Navais (Marine Corps) dos Estados Unidos, o “nascimento” do helicóptero Bell UH-1 ‘Huey’. Agora, após mais de 30 anos de verdadeiros serviços prestados, o velho é trocado pelo novo, com a chegada do novo Huey, o UH-1Y ‘Venom’.

Lições aprendidas durante o Vietnã na década de ’60 provaram que os Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA precisava armar seus helicópteros de patrulha para suprimir o fogo inimigo nas área de pouso. Isso direcionou para compra de vários helicópteros Bell UH-1E e UH-1H para os Esquadrões de Observação dos Fuzileiros (VMO), os quais se tornaram as primeiras gerações da família do Huey nos Marines.

Durante os primeiros anos de operação dos Huey, eles carregavam mais de duas toneladas de carga por vez, eram o espaço para 13 fuzileiros, e viajavam a 125 knots com um alcance de 275 milhas.

“Era realmente um ‘pau para toda obra’,” diz Ben Kristy, um curador do Museu Nacional dos Fuzileiros Navais dos EUA.

Com o tempo, o Huey amadureceu e tornou-se realmente numa aeronave que servia as necessidades dos Fuzileiros no Iraque e no Afeganistão até nos dias atuais.

“Durante os anos, os Huey tiveram equipamentos modificados e houveram várias atualizações que foram feitas segundo exigências dos Fuzileiros,” diz o Sgt. Jorge Alvarado, chefe de manutenção dos Esquadrão 169 de Ataque Leve dos Fuzileiros.

Com mais de 18 anos de experiência com o Huey, voando em mais de dez países, Alvarado viu uma série de modificações e melhorias feitas durante o tempo.

“Eles devem possuir as mesmas estruturas básicas mas o fato é que ele são sempre mantidos em bom estado, pois os Marines precisam trabalhar com eles,” ele diz.

Bell UH-1Y Venom, do USMC
Bell UH-1Y Venom, do USMC

O mais novo membro da família UH-1, o UH-1Y ‘Venom’, está fazendo seu debut de combate com o HMLA-367 quando esse aterrisou no Afeganistão nesse ano.

“Ele irá definitivamente adicionar valor ao campo de batalha,” diz o Maj. Jim Isaacs, oficial executivo do HMLA-169 e piloto do Huey. “Com melhores sensores, aumento da velocidade operacional, e aumento da capacidade de carga ele irá cumprir as tarefas muito bem por aqui.”

O legado da família do Bell UH-1 continua na ativa com os Fuzileiros Navais dos EUA.

“Onde o UH-1N realizava um grande trabalho, o UH-1Y irá realizar um trabalho ainda melhor,” diz Isaacs. “Ele irá expandir o envelope de operação da Brigada Expedicionária dos Fuzileiros no Afeganistão e será um multiplicador de forças.”

Fonte: U.S. Marine Corps

Anúncios