Um avião de passageiros da Cathay Dragon decola quando os aviões da Cathay Pacific são vistos estacionados na pista no Aeroporto Internacional Chek Lap Kok de Hong Kong em 10 de março de 2020. (Foto: ANTHONY WALLACE/AFP via Getty Images)

As companhias aéreas de todo o mundo aterraram a maioria dos aviões em suas frotas devido à pandemia de COVID-19. Aeroportos pelo mundo agora viraram enormes depósitos de aviões comparáveis a Victorville, na Califórnia, Estados Unidos. Montamos um apanhado de imagens deste momento até único na aviação global.

A qualquer momento – era pré-coronavírus – havia geralmente 20.000 aviões rodando ao redor do planeta em altitude. O sistema não foi projetado para que essa quantidade de aviões esteja em outro lugar fora do ar – o único local em que eles geram receita.

O estacionamento nos aeroportos também é caro. Os principais centros europeus podem cobrar cerca de US$ 285 por hora no pátio.

Quase todas frotas mundiais tiveram uma diminuição de mais de 70%. E os aeroportos pelo mundo, sem movimento, se tornaram o estacionamento deste grande número de aviões comerciais.

Partes do aeroporto mais movimentado do mundo, em Atlanta estão começando a parecer um estacionamento. A Delta Air Lines, com sede em Atlanta, está estacionando mais de 600 de suas 1.340 aeronaves, com a expectativa da companhia aérea de voltar muito menor após o coronavírus.

A KLM reduzirá sua rede em até 90% nos próximos dias e a companhia aérea retirará sua frota Boeing 747. Aeronaves operadas pela Air France-KLM ficam atualmente paradas no asfalto do aeroporto de Schiphol, operado pelo Royal Schiphol Group, em Amsterdã, na Holanda.

O Aeroporto Internacional de Prestwick, em Glasgow, foi transformado em um enorme parque de estacionamento para os aviões aterrados das operadoras aéreas britânicas.

O aeroporto está se preparando para expandir suas cercas de fronteira para acomodar um número crescente de aeronaves aterradas da Virgin, easyJet, Ryanair e devido à crise de Covid-19.

A operadora do Aeroporto Internacional de Copenhague, Dinamarca, está designando duas de suas três pistas para estacionar aviões aterrados das companhias aéreas, pois o impacto do Covid-19 nas viagens aéreas se intensifica com medidas adicionais.

O aeroporto Charles de Gaulle, em Paris, fechará duas pistas nos próximos dias para armazenar aviões estacionados devido à atual crise de coronavírus. O aeroporto de Paris Orly também fechará uma de suas duas pistas até abril. Alguns dos terminais também serão fechados.

Enquanto os esforços de repatriamento continuam, a Lufthansa está diminuindo sua rede. Durante seu período de cortes de capacidade, continuará servindo destinos selecionados nos EUA e em outros países, mas um grande número de aeronaves já está parada em Frankfurt.

Após as notícias de que a Austrian Airlines suspenderá temporariamente todas as operações entre 18 de março e 28 de março, está em processo de levar a maioria de suas aeronaves para o Aeroporto de Viena (VIE).

A Korean Air cortou drasticamente muitas de suas rotas, especialmente no nordeste da Ásia. Foi levado a aterrar um número de sua frota no principal aeroporto de Seul, Incheon (ICN).

A Cathay Pacific cortará 96% de sua capacidade de passageiros em abril e maio, deixando muitas aeronaves alinhadas em seu aeroporto principal em Hong Kong, o Chek Lap Kok (HKG).

As companhias aéreas têm implorado por apoio financeiro de governos de todo o mundo. Os países ricos, como os EUA, no Reino Unido, Alemanha e Austrália estão trabalhando em pacotes de resgate para salvar a indústria aérea de seus países.

A aviação comercial é um grande ecossistema global, incluindo fabricantes de aeronaves, operadores de linhas aéreas, aeroportos e serviços de MRO. Boeing pede pelo menos US$ 50 bilhões do governo EUA para si e seus fornecedores.

A United Airlines alerta para demissões em massa sem o apoio do governo. As operadoras aéreas britânicas pedem ao governo do Reino Unido que tome medidas imediatas. O governo australiano anunciou um pacote de US$ 715 milhões para apoiar a Qantas.

A situação não é melhor na Europa. As dívidas das companhias aéreas europeias estão em torno de 500 bilhões de dólares, e eles não serão pagos de volta. Ryanair está se recusando a pagar suas obrigações pendentes.

O risco agora é um colapso total. Aviões de passageiros estão aterrados. Sem aviões, a maioria dos aeroportos são simplesmente cemitérios como atualmente.

Para aqueles que amam a indústria da aviação, é perturbador ver tantas aeronaves estacionadas, sem ter para onde ir. Como as companhias aéreas de todo o mundo continuam a suspender as operações, é provável que muitas dessas aeronaves permaneçam em terra por várias semanas – se não mais.

Anúncios

1 COMENTÁRIO