Bombardeiros B-1B Lancer que partiram de Guam realizaram um treinamento conjunto com caças F-2 da JASDF. (Foto: U.S. Air Force)

Na sequência de discussões entre o presidente dos Estados Unidos Donald Trump e o ditador Kim Jong-un, aliados da região mais uma vez demonstraram a sua força e as ligações que os unem. Neste caso, dois bombardeiros de longo alcance B-1B Lancer do 7º Esquadrão Expedicionário de Bombardeiros conduziram no dia 7 de agosto uma missão conjunta com caças F-2s da Força de Auto-Defesa Aérea Japonesa (JASDF) e KF-16s da Força Aérea da República da Coreia (RoKAF).

Decolagem de um B-1B Lancer da Base Aérea de Guam. (Foto: U.S. Air Force)

Os bombardeiros Lancer, que decolaram da Base Aérea de Andersen, em Guam, juntaram-se ao espaço aéreo japonês com os F-2 antes de seguir para a península coreana onde eles voaram com jatos KF-16 e realizaram um treinamento em “Pilsung Range”, para depois retornaram para Guam.

A missão durou cerca de dez horas, o que permitiu que os aviões de combate treinassem policiamento aéreo e interceptação e os bombardeiros treinassem missões de ataque.

Os dois bombardeiros B-1B da Força Aérea dos EUA, estão atualmente sob o comando das Forças Aéreas do Pacífico dos EUA, e foram recentemente implantadas a partir da Base da Força Aérea de Ellsworth, Dakota do Sul, em apoio às missões de presença de bombardeiros contínuos do Comando do Pacífico dos EUA.

As tripulações de aviões, a manutenção e o pessoal de suporte continuarão a gerar saídas de bombardeiros B-1 a partir de Guam para demonstrar o contínuo compromisso dos EUA com a estabilidade e a segurança na região indo-asia-pacífica, proporcionando aos comandantes uma plataforma estratégica de projeção de poder e cumprindo a necessidade de missão, com os aviões prontos, uma parte importante da defesa nacional durante uma época de alta tensão regional.

Os B-1B da Base Aérea de Ellsworth foram desdobrados pela primeira vez para Guam em agosto de 2016, quando assumiram as operações rotativas de bombardeiros no Pacífico que estavam sendo mantidas por esquadrões de bombardeiros B-52 Stratofortress da Base Aérea de Minot, Dakota do Norte e de Barksdale, Louisiana.

3 COMENTÁRIOS

  1. Isso não adianta. Kim jung e Pequim sabem que trump não ai atacar por causa da Korea do sul e Japão. trump tinha que retaliar além de gordo ditador a china para ela sentir no bolso o apoio que dá.
    Kim Jung é isca de pequim e no sul a ASEAN ameaçada por este

  2. engcarioca,

    Aí é que está…

    Penso que Trump não está somente jogando para os coreanos do norte, mas mais para forçar uma posição da China!

    O que o presidente americano quer, acredito eu, é forçar uma posição dos chineses com relação a questão coreana, de modo a resolve-la de uma vez por todas. E da mesma forma, o assunto também molibiza russos, que estão consideravelmente preocupados…

    Digo isso porque entendo que essas ações podem ter imenso efeito desestabilizador na Coréia do Norte; digo internamente. E isso logo seria ao ponto de precipitar uma troca de lideranças ou mesmo a queda do regime.

    Pode não parecer, mas essa situação coloca chineses, e também russos, numa sinuca de bico.

    Por um lado, não é interessante para Pequim e Moscou uma CN totalmente autônoma, com armas nucleares e fazendo o que bem quer… Por outro, também não podem permitir uma escalada americana na região, pois se o regime norte-coreano cair, então é certo que a unificação será pelo sul e não pelo norte, o que poderia ter o efeito de colocar bases americanas na fronteira com a China…

    E Trump, por sua vez, já pôs as cartas na mesa… E por isso imagino que Trump está em vantagem, pois praticamente obriga-os a se posicionar ( mesmo que não oficialmente, ao menos bater uns fios na "red line" )… E mesmo que os coreanos do norte não levem o presidente americano a sério ( coisa que não acredito ), os chineses e os russos certamente levam…

    • Mas senhor RR o problema esta ai , quem garante que com o nhonho a China possui influencia , o cara ja deixou bem claro sua posiçao ,matando parentes que tinham uma relaçao amorosa com Pequim ele mandou um recado , o cara eh doido de pedra , me arrisco a afirmar que Russia e China possuem menos influencia agora doque antes , ele esta confortavel , nao possui oposiçao interna , e esta a poucos quilometros dos irmaos milionarios que temem perder suas condiçoes confortaveis , portanto nao ha soluçao , a CN vai continuar utilizando as ameaças atomicas para alimentar o REGIME , resta a China aceitar esta condiçao , ja a Russia ; conta menos , a Russia influi menos doque deseja , a unica soluçao para esta situaçao seria se a CN fizer um ataque contra GUAM , deixando vitimas ( tipo um PEARL H ), obrigando os EUA a uma retaliaçao TOTAL , porque se retalharem com meia duzia de misseis ,o contra-contra ataque serah apocaliptico !