Os primeiros caças F-22 Raptors que retornaram do Japão alinhados no pátio da Base Aérea de Langley, na Virgínia, no dia 13 de outubro de 2012. (Foto: Master Sgt. Carlos J. Claudio / U.S. Air Force)

Mais de 200 aviadores e mantenedores dos caças F-22 na ativa com o 27° Esquadrão de Caça e da 27ª Unidade de Manutenção de Aeronaves, juntamente com a 192ª Ala de Caça da Guarda Aérea Nacional dos EUA, retornaram para sua base natal na Base Conjunta da Força Aérea de Langley-Eutis, Virgínia, no dia 13 de Outubro 2012, depois de uma implantação de três meses na Base Aérea de Kadena, no Japão.

Um F-22 Raptor taxia na pista da Base Aérea de Langley, logo após a chegada do voo que partiu de Kadena, no Japão. (Foto: Master Sgt. Carlos J. Claudio / U.S. Air Force)

A implantação dos caças F-22 Raptor na Base Aérea de Kadena foi para apoiar as obrigações dos EUA na segurança no Pacífico Ocidental prestado pelo Comando da Força Aérea EUA do Pacífico. A unidade combinada permaneceu implantada sob a direção da 18ª Ala de Caça de Kadena. Os caças F-22 são rotineiramente implantados a partir de suas bases continentais nos EUA para locais em todo o Pacífico.

Solicito um minuto da atenção de você leitor do Cavok. Estamos tendo despesas elevadas com servidores devido ao alto tráfego gerado mensalmente, e precisamos da ajuda de todos para continuar mantendo o site estável e permanentemente no ar. Sem a ajuda de vocês, fica inviável manter o Cavok, já que infelizmente as empresas aeronáuticas brasileiras até o momento não anunciaram no nosso site, mesmo sendo o Cavok uma das maiores referências sobre notícias de aviação do país, reconhecido inclusive internacionalmente, e um dos sites de aviação mais visitados do país, senão o maior. Para contribuir, utilize as formas de pagamento online abaixo.

Desde já meu muito obrigado a todos.
Fernando Valduga

Enhanced by Zemanta
Anúncios

110 COMENTÁRIOS

  1. Os Russos agradecem esta estadia de 03 meses dos F22 no Japão, uma grande oportunidade para o grande urso ver como pode ser detectado tais caças em seus potentes radares em terra e no ar, quem sabe não conseguiram dados de IR do mesmo.

    • "uma grande oportunidade para o grande urso ver como pode ser detectado tais caças"

      Se depender dos radares russos eles nem vão perceber a presença dos raptor no Japão.

      • Na verdade os americanos é que terão a oportunidade de passear no espaço aéreo defendido pelos russso e pela Coréia do Norte.

        • E pq nao fizeram isso ate hoje ??

          De qualquer forma, a Russia está atualizando seus radares e instalando os S 400, inclusive tem um novo S400 em Vladivostok, mas temos de esperar a rede nova ficar completa para avaliar.

          O Alexandre está certo, os russos podem espionar melhor os F22, ate pq eles mesmos vivem voando na região.

          Embora, para isso, ja existam dados dos bear ja interceptados pelos F22 no Alasca.

          O ideal seria um Mainstay mesmo…

          • "E pq nao fizeram isso ate hoje ??"

            Os SR-71 e U-2 fizeram isso várias vezes. E quantos os russos derrubaram?Um?

            • isso foi em que ano mesmo? uma coisa é detectar, outra atirar, outra ainda… acertar… a última derrubar…
              lá embaixo eu falei em detectar, em "ler"… plotar as emissões do F-22…

            • "Na verdade os americanos é que terão a oportunidade de passear no espaço aéreo defendido pelos russso e pela Coréia do Norte."

              Isso não faz o menor sentido. U-2 e SR-71 eram aviões espiões, projetados exatamente para isso. O F-22 é uma caça, não voa a 25 mil metros e nem a Mach 3 como o SR-71, não possui sistemas avançados de captação, gravação e análise de sinais eletrônicos e nem sensores típicos desses e outros aviões espiões, como P-3 modificados da USN, que espiavam do lado de fora, sem entrar nas fronteiras. Sobrevoar a Rússia com F-22, além de inútil e perigoso, seria burrice. O F-22 foi feito para abater caças inimigos e conseguir superioridade aérea, não pra espionagem sobre território inimigo. Até mesmo o sobrevoo de aviões especificamente desenvolvidos pra isso, como o U-2, se provou excessivamente arriscado. U-2 foram abatidos sobre a URSS e sobre Cuba. Pouco tempo depois essa abordagem foi abandonada em prol de satélites com avançados equipamentos de espionagem, com bons resultados e sem grandes riscos. Uma citação:

              Details of this extremely dangerous clandestine air war, which lasted more than a decade, are only now beginning to emerge. In all, more than 40 aircraft were downed and 200 US servicemen were killed; their families were told lies about how they died. Most were aboard eavesdropping planes flying along the Soviet border and sometimes crossing it.

              • "Sobrevoar a Rússia com F-22, além de inútil e perigoso, seria burrice"

                Mas alguém falou em sobrevoar a rússia? eu falei em áereas cobertas por radares russos como fronteiras, por exemplo.
                E mesmo que tivesse falado, o F-22 foi projetado justamente para interceptar caças russos dentro do território russo antes que eles pudessem causar algum dano. E assim como o f-117 sobrevou o Iraque antes da primeira guerra do golfo para testar as defesas o F-22 poderia fazer o mesmo como experiência. Se seria abatido eu não sei, mas com certeza podria se aproximar muito mais do que aeronaves convencionais inclusive os U-2 e blackbirs.

                • ainda bem né…

                  depois dos bilhoes que torraram neles, se nao conseguissem, Meu Deus…

      • só não entendo uma coisa… se o russos, segunda maior potência militar do mundo, não conseguem, de forma alguma, mesmo com seus melhores radares de terra e ar, detectar um F-22, pq raios os USA não continuam produzindo o F-22? pq raios ele ficou tanto tempo atrasado (relacionando este atraso ao enorme poderio americano)… ? realmente… a ideologia aqui ultrapassa a razão e o bom senso…

        • Tu tá judiando deles…não faz assim…lembra que "A Vingança nunca é plena…" hehehehehe 🙂

          • Não está judiando, ele apenas não dedicou tempo suficiente para entender como os sistemas de defesa aéro funcionam. Caso contrário não bajularia tento o Rafale que não é muito mais que um caça de quarta geração como F-18,f-16 e gripen.

          • Por gentileza, não use o termo "judiar". Este verbo significa "tratar alguém como judeu" e não é bem visto por membros da comunidade hebraica. A menos que você seja um anti-semita, o que não creio.

            • É uma palavra do cotidiano, de uso comum, apesar da sua origem. Troquemos então; Não 'maltrata' eles…

        • "não conseguem, de forma alguma"

          Aonde está escrito que não conseguem de forma alguma? Talvez você não possa imaginar, mas é óbvio que os americanos não se aproximarão demais dos sistemas russos mesmo que estes tenham a performance muito reduzida contra o Raptor!

          "pq raios os USA não continuam produzindo o F-22?"

          Por a guerra fria acabou, isso já foi explicado várias e várias vezes! O mesmo motivo que fez a frança canacelar encomendas do super rafale e do tanque Leclerc.

          É incrível que depois de tantos anos aqui cavok eu ainda tenha que repetir as mesmas expicações para as mesmas pessoas.

          "e o bom senso…"Bom senso? e o que dizer da sua repetitiva e cansativa defesa do Rafale?

          Se o rafale "vence" é pq é o melhor, se outros ganham é pq são "adequados".

          E se defendo os americanos é pq vejo pessoas fazendo afirmações incorretas contra o F-22 apeans para exaltar seus aviões favotitos ou por ódio aos americanos.

          Quando digo "coisas erradas" me refiro a afirmações como: O raptor precisa de PCs para ultrapassar a barreira do som, que foi cancelado por causa dos defeitos, que é frágil e etc.

          Se você pode defender o rafale fanaticamente eu tenho todo o direito de defender o F-35 eo F-22, e isso não nada a ver com ideologia ou preferência politica.

          • "Quando digo “coisas erradas” me refiro a afirmações como: O raptor precisa de PCs para ultrapassar a barreira do som, que foi cancelado por causa dos defeitos, que é frágil e etc."

            Então, para vc, o Raptor carregado não precisa de AB para alcançar a velocidade do som? tu confunde uma coisa com a outra!! o raptor mantem a velocidade supersônica depois de atingir a energia cinética necessária, e para tal usará o AB… vou desenhar? ou não precisa?

            • Não Francisco!

              o raptor assim outros aviões pode romper a barreira do som sem PC. Já foram divulgados testes em que ele faz isso em potência militar e os F16 precisam dos pós combustores para acompanhá-los. Se ele usa os pcs é para esapadar da fase transônica do vôo onde o arrasto é maior.

              Raptor carregado é totalmente capaz de superar mach 1 sem pós combustão, se você não sabe até um concorde consegue fazer isso. Pesquise supercruise na net e vai ver.

              Quer dar opinião sem links, sem indícios tudo bem, mas pelo menos de uma boa explicação e mostre que sabe do que está falando.

              • O Pós-Combustor é uma excelente fonte de energia para empuxo rápido, porém são extremamente ineficientes, pois como os gases quentes já foram queimados antes e não possuem tanto oxigênio, o consumo do PC é gigante para gerar potência. Nenhum avião militar voa o tempo todo com pós queimador ligado, ele é usado somente na decolagem e na hora que precisa ultrapassar a barreira do som (fora o SR-71 que voava o tempo todo com o PC ligado, mas o motor dele era híbrido e as altas altitudes em que voava compensava o consumo).

                Voar em regime de Supercruzeiro é uma vantagem para os caças, uma vez que a pós-combustão, gera sinais de radar e uma grande assinatura infravermelho.

                O primeiro avião que rompeu a barreira do som sem o uso de PC foi o protótipo do BAC Lightning e o bombardeiro ingles TSR.2 que foi projetado para voar em regime de SC.

                Um F-4 ou um Mirage III são, ambos, capazes de ultrapassar(sem carga externa) a barreira do som sem o PC. Mas por quê diabos então usa-se o PC? Ora, sem o uso de pc, o avião passa muito mais tempo no envelope de vôo de alta resistência transônica, fazendo a célula sofrer tudo aquilo que já sabemos, além é claro, do consumo desnecessário de combustível…

                A idéia de SC é culpa do nosso grande amigo JOHN BOYD (não só dele, obviamente, mas é quem mais conhecemos), aonde o caça poderia chegar até o alvo, com uma velocidade acima de Mach 1, com maior energia e menor consumo de combustível, possuindo uma capacidade real de combate sobre o alvo de 20min. Ele até propôs uma versão SC para o F-16, mas foi recusada pela USAF…na época.

                Desculpem me exceder no texto, mas é que esse assunto pra mim é deveras interessante.

                E se me passei em algum dado, me corrijam, pois escrevi tudo consultando só a memória RAM…que anda falhando ultimamente! 🙂

                • pois é Gio, o F-22 tem o PC para justamente fazer uso correto dele, e por estas e outras que usará o PC para atingir voo supersônico… o cara quer comparar um caça como Concorde, com motores totalemnte diferentes e projetados para a função de voar em altitudes "barbaras" a 2,400kmh! não está se falando de um projeto de caça que precisa de velocidade supersônica a nível do mar…

                • Lembrando para os colegas o que não é seu caso Gio, pois você sabe:

                  SC acima de Mach 1, não se atinge de um minuto pra outro, há vários momentos e manobras onde se exige PC instantaneamente.

  2. Caro Alexandre,

    É possível para os F-22 voarem com suas capacidades furtividades degradadas. Eles instalam marcadores na célula para gerar eco, especialmente para os radares civis poderem identificar os mesmos quando em tráfego.

    E mesmo em exercícios realizados fora do controle deles, isso acontece, como no Iron Eagle de 2009.

    []'s

  3. Para um avião que segundo alguns "entendidos" aqui seria um vetor "Incompleto"até o Raptor está bem operacional não?

    • HMS, a questão não é se está incompleto ou não (eu acho que ainda é), o que até vejo com alguma vantagem, a questão é que ele, para a função primária que possui, é o caça a ser batido! abs!

      • Broe!

        Um aparelho é incompleto quando o fabricante e/ou o operador afirmar que não irão adicionar nenhuma capacidade ao aparelho quando de fato estiverem faltando. Não é o caso do F-22. Existe um cronograma definido de incorporação de novas capacidades, armas e sensores. E é o que você diz: na função primária dele (caça de superioridade aérea) é o aparelho a ser batido, o padrão ouro.

        Abs!

        • sim, mas o F-22, deveria ter capacidade de ataque aéreo autônomo, o Caio já explicou aqui, deu links e tal, desmentindo a falácia do JPC, porém somente agora estão dando esta capacidade ao F-22, que ainda não está operacional… nem mesmo outro caça "ajudando" o Raptor poderia lançar suas bombas de forma precisa… enfim…

          • Mostra os links para mim! quem disse que seus links estão mais corretos que meus livros!

            Não adianta Francisco o Raptor não é multirole como você afirmou.se tiver capacidade de ataque é um extra nã faz dele um caça mulifuncional. Seja adualto e assuma que falou coisa errada, assumir o erro não é vergonha.

            • JPC, tu sabe bem que o que eu disse é que o Raptor "era para ter sido", e que coloquei isso como consideração minha… o Caio te trouxe links e informações dando conta do projeto do F-22, ou vc não consegue interpretar texto (tenho certeza) ou deva comprar outros livros!…

              • "ou vc não consegue interpretar texto"

                Na real vo^ce é que não se expressou direito, mas se você aceita que o raptor não é multirole por mim tudo bem.

                • Eu sempre soube que o F-22 não é multipropósito, eu disse que era para ter sido, se vc quiser entender, pelo viés que lhe convém, que eu li algo sobre isso, ou estou afirmando que a LM divulgou, isso é conclusão tua! te ocorreu me perguntar se o que falei era opinião minha? não! já saiu achando que o "era para ter sido" teria sido inventado por mim, e que eu teria dito que a LM ou seja lá quem mais envolvido no projeto, assim o divulgou! entenda que muitas vezes o que escrevemos, pode ter significado diferente, principalmente se a vontade de assim entender for maior que a razão… ou por pura vontade de desmerecer o interlocutor…

          • Broe!

            A capacidade de ataque no F-22 é algo absolutamente residual, inclusive no próprio projeto do aparelho. Tanto que as baias de armas do Raptor são otimizadas para transportar mísseis ar-ar e não armas ar-superfície.Não é o caso do F-35, cujas baias são mais largas e profundas.

            Abs

            • HMS, reveja o que o Caio escreveu, procure no projeto do F-22 e verás que ele deveria ser capaz de lançar armas inteligentes ar-terra…

              • Francisco AMX,

                O F-22 nasceu como uma tarefa primária: superioridade aérea. Ele nasceu para combater forças invasoras e dominar o espaço aéreo do adversário. Todas as outras capacidades a serem implantadas são secundárias e seguem um cronograma específico.

                Numa comparação mais simplista, seu amadurecimento se dá de forma gradual, como no no Rafale. No caso do caça francês, começou-se com a versão F1, que explorou a capacidade de defesa aérea. A seguir, partiu-se para a F2, com enfase em ataque ao solo. E por fim, a F3, que é o multitarefa definitivo… Se traçarmos um paralelo, vamos verificar que os trabalhos são similares nesse sentido, embora o Raptor não tenha nascido com o propósito de ser um atacante multipropósito ( como o Rafale ) e sim um defensor do espaço aéreo.

                • POis é, o Rafale nasceu para ser multipropósito, demorou mas ficou,,, em certos momentos estava incompleto… o F-22, ao que pese ser um avião de superioridade aérea, tinha desde o seu projeto, lançar armas inteligentes ar-terra, se ainda não o pode fazer… está incompleto! qual a dificuldade de entender isso!?
                  http://www.globalsecurity.org/jhtml/jframe.html#h

                  Esta capacidade não foi aplicada depois!!!! isso já nasceu com o projeto! na boa, estou de saco cheio de mostrar, falar, dizer, que o F-22 tem, entre suas capacidades de projeto, lançar armas ar-terra inteligentes, logo, se não o ainda faz, ele não está completamente terminado se relacionado ao projeto inicial! outra hora falei do jogo da NL, que o JPC quis desdenhar, porém o jogo seguiu as diretrizes do que a LM sempre alardeou de seu futuro caça (isso lá nos anos 90) e se comprova apenas olhando o weaponsbay do F-22
                  http://www.ausairpower.net/APA-Raptor.html

                  sinceramente? este assunto já deu nos "meus ovo"… é muita obtusidade com a realidade! o F-22, até onde não poder lançar suas JDAMs, não estará completo! se lançar, estará completo! mesmo que erre! 🙂 SIMPLES ASSIM!

                • agora me diga… mudaram o F-22, suas baias, ou o projeto já previa que o F-22 seria um caça de superioridade aérea e de ataque tático inteligente?

                • Francisco AMX,

                  Você está correto. O Raptor tem incorporado em seu projeto a possibilidade de utilizar armamento ar-solo. Contudo, esse não é o propósito original da aeronave. Ele não nasceu para ser multipropósito. A capacidade de ataque é para ser utilizada somente em um caso particular, quando, por exemplo, não houverem outros atacantes disponíveis.

                  Mas vou concordar que até então é aeronave ainda incompleta ( tal qual era o Rafale em suas versões F1 e F2 ). Mas há de se expor que o objetivo primário do projeto já foi alcançado, que era prover uma aeronave de superioridade aérea. Contudo, a capacidade de ataque ao solo já vem sendo incorporada. E a tendência é que fique operacional até a metade dessa década.

  4. É a regra universal, para cada arma existe uma para contrabalançá-la.

    Sempre foi assim. Só os americanofilos nao enxergam isso.

    Se o F22 ainda nao é detectado por China e Russia, ( o que eu nao tenho certeza), o será daqui a alguns anos.

    Ele so manteve essa aura por causa da prosperidade economica norte americana na decada de 90, que ocorreu ao mesmo tempo do colapso da URSS e a China ainda estava engatinhando.

    Claro que os russos nao tinham dinheiro para torrar bilhoes num novo radar anti-stealth. Mas recentemente radares novos tem sido instalados. Os S400 estao a caminho.

    Os chineses nao sei…

    • Wagner,

      Mesmo os S400 seriam ineficazes se os radares não achassem nada. Nenhum míssil é capaz de ser utilizado com eficácia se o sistema de armas não localizar o alvo. Por isso, além da tecnologia stealth, os americanos investem numa capacidade absurda de fazer guerra eletrônica.

      Mesmo que os radares achem alguma coisa, não seria eficaz se a interferência eletrônica degradasse a capacidade de detecção ao ponto de inibir um uso eficaz do equipamento.

    • Pelo menos por enquanto não é tão fácil assim acabar com a "invisibidade" dos caças de 5ª geração. Se fosse, nem a Rússia, China e outros países perderiam tempo investindo nessa tecnologia. Algumas fontes indicam que o F-22 consegue chegar a menos de 30 KM de um sistema S-300 sem ser detectado. Provavelmente o F-35 tenha a mesma capacidade, senão melhor. Então é muito improvável que essas aeronaves sejam abatidas antes de destruírem esses sistemas de defesa.

      • R22

        Que fontes são essas ??

        Estou curioso…

        Considerando-se que um cara num canhao manual pegou um " imbativel" stealth F117, eu acho que as coisas não são bem assim.

        Os sistemas modernos do S400 são o topo de linha de detecção AA. Não é um ultrapassado radar iraquiano mal instalado, com pessoal mal treinado, e desmotivado, sem recursos modernos, no meio do deserto. Os iraquianos combateram os USA com sistemas soviéticos da decada de 70… claro que os stealth da decada de 90 detonaram eles.

        Os sistemas de defesa S 300PMU e S 400 tem suas proprias defesas e nao atuam isoladamente. O S400 tem acho que um caminhao radar, outro com os misseis, na pratica é um batalhao inteiro.

        Bom, ate que entrem em combate real contra um stealth, NINGUEM poderá ter certeza.

        Mas se nao querem que o Irâ compre os S300, é pq com certeza os ocidentais sabem que é um sistema muito avançado. Imagine o S400 então…

        • E porque a Russia e China estão torrando a grana do povo em caças de 5G?
          Wagner vc pode não gostar dos EUA, mas essa sua birra com F22 não dá para entender. Vc só fala que desperdiçaram bilhões nele, vc devia ficar feliz, afinal é menos dinheiro no cx dos EUA.

  5. Ah, se o F-35A/B/C Gabiru Alado fosse bonito, em todos os ângulos possíveis e imagináveis, assim…

  6. Caro Editor, li a sua solicitação acima (Solicito um minuto da atenção…) mas ao clicar no botão (DOAR) amarelo, esta dando uma mensagem de erro, referente a falta de e-mail. É um problema do site?

    • Olá Walter, eu corrigi o botão no ultimo post (do F-35). Você pode usar os botões de doação na barra lateral que estão ok.

      Abraço e obrigado,

      Fernando Valduga
      Editor Cavok Brasil

  7. Pra que diabos um F-22 sem capacidade de ataque ar-terra iria entrar no espaço aéreo russo? seria suicídio não precisaria nem mandar caças levantarem voo, já que o F-22 não poderia atacar as baterias anti aéreas no solo, logo seria abatido… ao menos que estivesse equipado com misseis anti-radar, lembrando que o F-22 não é um EA-18… e ele é invisível a radares até certa distancia…

    • "Pra que diabos um F-22 sem capacidade de ataque ar-terra iria entrar no espaço aéreo russo?"

      Para destruir os caças inimigos antes que eles possam invadir o espaço aéro aliado e para abrir caminho para aviões de ataque.

      "já que o F-22 não poderia atacar as baterias anti aéreas no solo, logo seria abatido"

      Não seria abatido pq é Stealth e possui um sistema de defesa eletrônico que indica a posição dos radares inimigos possibilitando que o raptor os evite. Mesmo que pudesse ser detectado os rastreadores dos SAMs como sistema TVM do S-300 não teriam capacidade de engaja-lo.

      Foi para isso que ele foi projetado, se funciona ou não é outra conversa. Se não acredita me mim pode pesquisar.

      • Da mesma forma que os S 400 foram projetados para lidar com essaq situação…

        Por isso custam uma grana…

      • Mas como o Wagner citou abaixo, o S-300 já estão ultrapassados, estão instalando os S-400, e desenvolvendo o S-500, e como eu te disse o que um f-22 sem capacidade de atacar a terra iria fazer em espaço aéreo Russo? Se fosse engajado pelo S-400 estaria no chão antes mesmo de um caça russo estar no ar, não se esqueça que da mesma forma que o F-22 tem contra medidas eletrônicas, uma estação radar moderna terá as mesma contra medidas ou pensa que o peso pende apenas para um lado da balança?

  8. Só queria que me esclarecessem um ponto…

    Pra que raios serve HOJE um caça de 5ª geração stealth cuja a furtividade superior não possa ser usada para fazer uma infiltração a baixa altura em território inimigo para destruir POR EXEMPLO uma usina atômica ou uma usina de enriquecimento de urânio iraniana???

    Ué não tem radar altímetro ligado a navegação, não tem operacionais armamento para bombardeio deste tipo de missão ????

    POR-QUÊ ???

    Esta desculpa ES-FAR-RA-PA-DA de que o Raptor é um caça projetado para a guerra fria contra os russos está mais cansada que pangaré de corrida…

    Realmente um stealth somente operacional na arena ar-ar fica mesmo muito limitado nos cenários atuais…

    E duvido que a manutenção desta limitação operacional seja algo vista como "normal" pelos militares americanos tendo em vista suas necessidades correntes…

    Ou é incompetência da LM ou este tipo de missão está ALÉM da capacidade da aeronave.

    Até PROVA em contrário…

    • giltiger,

      Infiltração a baixa altura é hoje considerada uma tática obsoleta. E por um simples motivo: colocaria a aeronave atacante ao alcance de todos os sistemas de defesa aéreo hoje existentes no mercado, em particular os mísseis lançados de ombro, que são um verdadeiro pesadelo quando lançados em saraivadas; isso sem contar os canhões com grande cadência, que poderiam saturar o caminho de qualquer atacante… Por tanto, o mais conveniente é aproximar-se a média altitude, evitando os sistemas de baixa altitude e utilizando pesada interferência eletrônica para inviabilizar o uso de sistemas anti-aéreos específicos para faixas mais elevadas ( ou diminuir sua eficiência, permitindo uma entrada mais segura no espaço de batalha ). E aí entra o stealth, que, aliado a interferência eletrônica, dificulta ainda mais a detecção pelo inimigo.

      O desenvolvimento de armas guiadas com maior alcance também obedece essa tática. A idéia é expor o atacante o menor tempo possível no espaço de batalha, e a melhor maneira de fazer isso é entrando e saindo de uma altitude maior…

      A tendência é que ataques a baixa altitude sejam somente utilizados quando não há defesa anti-aérea. E seria uma tática apenas para ataques táticos e realizados por aeronaves específicas, como Su-25, ou no máximo um F-16… Não é para uma aeronave de importância estratégica, como o Raptor…

      • Huum isso explica pq no Syper EF2000 eu sempre sou abatido quando ataco em baixa altitude !

        Mas serio eu nao vejo outra defesa, alem de chafs e flares. Quando uso o terreno sinuoso, os misseis me perdem.

        Se o simulador estiver correto, é claro…

        • Wagner,

          Utilizar o terreno é uma tática valida. O problema é que não é sempre que se conta com esse tipo de proteção… E mesmo a utilização do terreno pode não representar vantagem significativa, pois o inimigo pode "embosca-lo" com seu sistema anti-aéreo ao final do obstáculo natural…

          Só a título de exemplo, há uma serra a oeste da cidade de Hanói, que era utilizada pelos F-105 para proteção contra a detecção dos radares. Por volta de 1969 já haviam mais de cem carcaças de F-105 ao redor do morro…

      • Infiltração RAPTOR a QUALQUER ALTURA meu caro.

        O problema é, tu é stealth mesmo ou não…

        Infiltração a baixa altitude é tática obsoleta uma VÍRGULA…

        Quem foi que disse isso???

        O departamento de marketing da Boeing vendendo o Growler ???

        Com alta velocidade e furtividade a exposição é mínima aos sistemas de baixa altura se tua tecnologia Stealth for efetiva de verdade…

        Ela sempre é uma opção sobre a mesa e a opção COM FURTIVIDADE não está disponível aos americanos TANTO porque o F-22 não é capaz de realizá-la como porque mesmo no FUTURO o F-35 não será capaz desta missão por ter ALCANCE E VELOCIDADE LIMITADOS para o perfil de uma infiltração de largo alcance.

        P.S. face ao TAMANHO da aeronave do projeto stealth chinês (e se ela for efetiva como vetor furtivo de 5ª geração) sua CLARAMENTE maior capacidade de carga militar em modo 100% furtivo resultará numa dor de cabeça de grande proporção ao planejamento militar americano…

        • giltiger,

          O problema é justamente esse: como penetrar em uma densa defesa sem ser detectado. Lembrando que a capacidade stealth não anula a assinatura da aeronave, e sim a reduz… Ou seja, penetrar profundamente em território hostil poderia ser suicídio para qualquer força atacante, stealth ou não. Por isso que a tática mais aplicada é o que poderíamos chamar de "rolo compressor", martelando as defesas periféricas, protegidos por aeronaves de guerra eletrônica em posição mais recuada ( fora do alcance dos alvos ), e progredindo para o interior na medida do sucesso alcançado.

          Entrar em baixa altitute significa estar ao alcance de uma verdadeira matilha de mísseis infravermelhos, que são armas baratas e que podem ser distribuidas as centenas ( ou até mesmo milhares ) para as tropas no solo. Mesmo que a aeronave ( stealth ou não ) entre a grande velocidade, ela vai expor uma assinatura térmica maior, o que poderá torna-la um enorme alvo, visto que não poderá manobrar de maneira eficaz por conta do terreno… E aeronave alguma será mais rápida que um míssil…

          Se o amigo quer provas, sugiro que estude as últimas campanhas aéreas, do Yom Kippur até aqui. Descobrirá que a maior parte das aeronaves perdidas até então foram derrubadas por mísseis de ombro e canhões, e em missões a baixa altitude. E por quê? Porque é a faixa de atuação onde há a maior oposição das defesas anti-aéreas. Por tanto, a única maneira segura de evitar perdas é atacando fora do alcance de tais armas. Por isso se investe tanto no alcance do armamento guiado.

          No mais, para ataques estratégicos, cada vez mais se utilizam mísseis de cruzeiro. Essa é uma das principais coisas nas quais se pensa para ataques estratégicos.

          Sobre o stealth chinês, está óbvio que a idéia é um atacante estratégico, mas daí a penetrar em uma defesa densa e atacar alvos no centro do território inimigo é outra história…

        • Mais uma vez você se equivoca meu caro Giba senão vejamos:

          A tática de penetração à baixa altitude é obsoleta sim. Foi abandonada após a operação tempestade do Deserto após as pesadas baixas de Tornados da RAF. Atualmente a tática é atacar à média altitude com armas guiadas. Não adianta bater o pezinho meu caro!. E nem a propaganda da Boeing sobre o Growler(aeronave de guerra eletrônica e não de ataque) nada fala sobre isso

          http://www.boeing.com/defense-space/military/ea18

        • "F-35 não será capaz desta missão por ter ALCANCE E VELOCIDADE LIMITADOS para o perfil de uma infiltração de largo alcance."

          Não adianta isnistir no erro, o F-35 mais alcace que F-18, Rafale , jaguar, f-16 e todos os caças médio.

    • Giba

      A única coisa "ES-FAR-RA-PA-DA" e "mais cansda que pangaré de corrida aqui são seus argumentos para lá de batidos. A tática de ataque à Baixa altitude foi abandonada pelos EUA e demais países da OTAN há mais de 20, desde a operação Tempestade do Deserto. A tática atual é atacar à média altura com armas inteligentes meu caro. Portanto se atualize!

      No mais, caso houvesse a necessidade dos EUA atacar uma central nuclear no interior do Irã, eles já possuem uma plataforma mais apropriada chamada B-2 Spirit. E uma vez que não faria sentido um bombardeiro Stealth ser escolatdo por caças não Stealth, aí entra em cena o Raptor.

      Por fim, a capacidade Stealth no combate ar-ar, somado ao poderoso radar AESA com modo LPI, ao ALR-94 e capacidadade Super cruise dão ao F-22 uma superioridade óbvia no campo de batalha. E não se iluda: O maravilhoso SPECTRA do seu amado Rafale apenas iria perceber a presença do Raptor na área instantes antes de levar um AMRAAM na cara!

  9. HMS correctíssima a sua análise, acrescento apenas mais uns pontos.

    A táctica inicial de combate americana continua a ser a conquista de superioridade aérea. Para tal, utilizará no futuro o F22, caça-puro (embora com capacidade limitada ar-solo) para limpar do céu qualquer cangalho voador com cheiro a vodka, abrindo caminho para as missões de bombardeio estratégico (instalações eléctricas, de comunicação, de controlo, etc…) e táctico (vias de comunicação, como estradas, pontes, etc…), tarefa a ser desenvolvida por caças como F35, ou de outro tipo mais antigo, mas sob a protecção de corredores "electrónicos" limpos.

    Aqui reside um dilema, é que sem ameaça aérea há uma outra série de meios aéreos que começam a tornar-se redundantes no campo de batalha.

    Ex: UAV´s VS Helicópteros de observação; Helicópteros de Ataque VS Artilharia de Saturação de zona, JDAM; JSOW, etc… etc…

    Contudo, admito que seja difícil – para quem ainda não acertou o relógio com a nova hora actual, e continua a pensar em hordes de Mig-29 e seus magníficos rockets não guiados – apanhar o trem da História.

    E este trem não é um cangalho!!!

    • Afonso, tu estais falando sério a respeito das "tranqueiras"?

      o amigo fala em tática? não seria isso estratégia atrelada a política de estado? sim, pois só se "escolhe" esta "tática" quem pode não quem quer!
      de resto, numa boa, ficou muito preconceituoso teu post…

      o amigo deve saber o que aconteceu na Georgia, em agosto de 2008… 5 dias… os Georgianos com suporte israelense, da Otam e dos USA, com seu poderoso sistema de comunicação (dos USA)
      tiveram uma infeliz e rápida surpresa… ao perceberem estarem sendo aniquilados por SU25, Mig-29 dos anos 80, BMPs, Aks… só "tranqueira"…
      das 3… uma, ou os americanos são idiotas e investem muito mais do que precisam para aniquilar estas tranqueiras, ou são Imperialistas no pior sentido da palavra mesmo, ou são apenas precavidos, sabem do que o inimigo é capaz…
      qual seria?
      O problema é achar que contra a Russia seria o mesmo que contra Iraque.. Irã…
      penso que num cenário de guerra convencional contra a Russia, a europa/Usa voltariam a usar Spitifires e Mustangs e os Russos os Yaks… dado ao poder das armas PEMs e de interferências mil… 🙂

    • Afonso de Portugal,

      O amigo esqueceu de relevar as defesas aéreas. Qualquer ataque sem leva-las em consideração é suicídio… E ser stealth pode não oferecer muita proteção… O stealth, como disse acima, diminui a assinatura/radar de uma aeronave; não a retira por completo. E mesmo a utilização de sistemas de guerra eletrônica pode se revelar um erro se for utilizado diretamente sobre o inimigo, pois as próprias emissões desses sistemas podem ser utilizadas para localizar um agressor ( uma variante do home on jam ).

      As forças de ataque eletrônicas devem estar na retaguarda, fora do alcance dos mísseis anti-aéreos, propiciando proteção aos atacantes.

      Um exemplo clássico desse conceito, encontra-se na primeira investida da 1ª Guerra do Golfo, na qual procedeu-se com a destruição dos radares iraquianos em Ma´anya, o que neutralizou a capacidade de detecção na região e propiciou um corredor de avanço. Somente após a neutralização desses radares, os EF-111A de proteção eletrônica avançaram pelo corredor e propiciaram os ataques dos F-117 a Bagdá.

      Um outro exemplo, de como pode ser perigoso ( mesmo para um stealth ) avançar sem proteção adequada e sem a preparação correta, encontra-se no caso do F-117 do Kosovo, ocasião na qual o Nighthawk atacante foi derrubado. Pelo que se sabe, a aeronave em questão não estava protegida adequadamente, e naquele conflito em particular, não se procedeu com o desmantelamento sistêmico de defesas aéreas, optando-se apenas por ataques reativos…

      Enfim, nenhuma arma será eficaz se não for utilizada de maneira correta e com prudência… Avançar muito profundamente em território inimigo sem atacar as defesas apropriadamente pode se tornar um erro…

  10. Caro Francisco AMX

    Tranqueiras é o quê, cangalhos?

    E por outro lado também não compreendo o que o amigo quer dizer quando chama a Georgia ao assunto. Apenas me referi à maneira, digamos assim, dos EUA fazerem a guerra. Ou seja, foi assim que desenvolveram as últimas guerras convencionais. E, porventura, será assim num futuro próximo (Irão, por exemplo, como referiu o companheiro HMS Tireless.

    Agora, no campo meramente "académico" parece-lhe justo apontar a Geórgia como o falhanço desta maneira de fazer a guerra? A Geórgia compara-se aos EUA em quê (a máquina militar)?

    A Rússia tem várias derrotas militares no seu currículo, muitas delas contra inimigos mais fracos – aliás, nunca ganhou a um mais forte, porque também nunca se meteu com nenhum, há quem chame a isso cobardia quando se referem aos EUA – mas a superioridade militar era absoluta, contra um país pequeno económica e militarmente, e completamente isolado, numa guerra sem apoiantes.

    Caro RR tem toda a razão. Apenas me referi à primeira fase. A inicial. Quanto ao Kosovo, há algumas coisas que ajudam a justificar, embora não se possa deixar de atribuir mérito ao coronel sérvio responsável pela bateria. O F-117 fez aquele mesmo "caminho" por quatro noites consecutivas, na última vez o radar de descoberta foi activado em baixas frequências, o que na prática iluminou tudo o que estava no céu (pássaros), mas que de noite até nem é um problema, e não há muitas aves a voarem a 900 km/h… o alvo foi assim identificado e o míssil guiado até ao abate. Foi excesso de confiança ou simplesmente incúria, por parte de quem planeou aquela missão, ou o conjunto amplo das missões. O resto, lá está, é como disse, ser Stealth não significa ser completamente invisível ao radar. Em certos espectros é mesmo identificável, mas esse é mesmo parte do segredo. Contudo, os números da sua eficácia são avassaladores. Só uma correcção ligeira, o F-117 operou sempre sozinho, de noite, embora por vezes aos pares, sobre alvos estratégicos importantes e não somente em Bagdade.

    Mas, só para lhe referir que o que disse anteriormente não está fora desse contexto. Em superioridade aérea, as munições de tipo JDAM, largadas a média altitude, em segurança quase total face a sistemas anti-aéreos, contra-alvos fixos, quase que dispensam incursões a baixa altitude e em profundidade.

    Cumprts

    • Afonso, citei a Georgia (que ao contrário do que vc fala, foi apoiada e incentivada sim, e pagou caro por isso! populismo do líder georgiano o fez mexer em vespeiro, quis dar uma de Galtieri,, o cara nem se deu conta dos cidadãos georgianos que viviam na Ossetia, estes fugiram para capital da Georgia e redondezas… um caos,,, os soldados Georgianos abandonavam as armas ocidentais, modernas, o voltavam para seu AKs seus velhos RPG… estes cangalhos que vc cita… deve ser por isso que perderam a guerra….os russos usaram suas "velhas" armas, simples mas eficazes, contra uma força já treinada e fomentada pelo ocidente a mais de 10 anos… se vc não conseguiu alcançar, pode ter sido falha minha ou seria má vontade sua… 🙂
      nesta "guerra dos 5 dias", pelo que já li e observei, os russos anularam boa parte da tecnologia e da informação Georgiana, com ações poderosas em ataques cibernéticos, eletrônicos, utilizando seus equipamentos de ECM de grande poder de alcance/abrangência…

      Sobre a Russia nunca ter enfrentado um inimigo maior… bom, para mim, até bem pouco tempo, em termos de eficiência militar, doutrina e armas, russo, georgiano, ukraniano, checheno é tudo uma coisa só, todos eram a URSS… e esta enfrentou e ajudou a derrotar a mais mortal, eficiente poderosa força militar que o mundo já viu em sua época! antes acabou com a glória em Waterloo… (engraçado que ninguém lembra desta época em que Franceses faziam o "resto" comer na palma da mão) e não vai me falar em inverno viu! :)… acho que vc se esquece disso… ou não… enfim, mas não fique nervoso, concordo com outras coisas que vc fala, mas esta, este radicalismo??? negativo…

      abs!

    • Afonso de Portugal,

      Até onde sei, o F-117 operava sozinho na região dos alvos; isto é, somente ele entrou no espaço aéreo sobre o alvo em questão. Contudo, sempre havia uma aeronave de proteção eletrônica em posição próxima ( mas fora do alcance do alvo ) dando-lhe cobertura.

      O "truque" sempre fora esse: combinar a capacidade stealth do atacante com a pesada interferência eletrônica gerada por aeronaves que se encontram fora do alcance do inimigo.

      • RR não quero duvidar de si, mas a bibliografia que possuo não coincide com o que diz.

        • Tchê, Tem uma entrevista com o piloto abatido numa das edições da RFA, aonde ele diz que entrou sozinho e que presentiu que algo daria errado naquela noite…

          O fato é que a OTAN não destrui a capacidade de restreamento dos sérvios, daí ligaram (em rede) em baixa potência, apareceu um passarinho à 30.000 pés e a 500mph…contactaram um ornitólogo e confirmaram que não existe passarinho que voasse tão rápido…assim ficou muito fácil.

        • Afonso de Portugal,

          Como citei acima, o stealth não deixa a aeronave invisível. Mesmo que o "plot" no radar seja como o de uma gaivota, o fato é que sempre aparecerá alguma coisa… A melhor combinação sempre foi a utilização de proteção eletrônica unida com a capacidade stealth para minimizar as chances de detecção. Foi assim no Golfo, com os EF-111A, que também ofereciam sua proteção a outros de RCS maior. Não foi assim no Kosovo e o resultado nós sabemos…

  11. Estranho algumas pessoas pensarem que os radares russos são ineficientes, senão vejamos, o melhor VANT stealth americano foi detectado e capturado pelo Irã, fato, pergunto então, os radares iranianos são melhores que os russos? O RCS do F22 é menor que o RCS do VANT? Pelo que eu sei a resposta é não para as duas perguntas, portanto, logicamente que os russos calibraram seus radares nesta passagem dos f22, como tb os F22 testaram os sistemas de radares russos e chineses que operam na região. Com relação ao fato de russia e china estarem correndo atrás de um caça 5g , digo que é lógico, pois num combate aereo entre um caça 5g e um 4g a vantagem evidentemente é do primeiro, no entanto isso é muito relativo num ambiente fortemente defendido como o espaço aereo russo em que o caça 4g pode ser auxiliado por radares em terra e no ar. Aguardemos um conflito em que essa tecnologias avançadas possam realmente serem testadas com um oponente a altura como russia e china ou até mesmo india, fora isso, tudo é especulação.

  12. Quero aproveitar e parabenizar o povo de São Paulo que deu uma demonstração maravilhosa de democracia neste último domingo. Abraços a todos.

  13. Apenas uma pergunta de leigo pensando como contribuinte que paga impostos:

    Na imprensa não especializada lemos que o AMX é uma aeronave feita para voar a baixa altitude, penetrar em território inimigo e realizar um ataque. Foi dito aqui que esta é uma tática questionável nos dias de hoje. No entanto, estão sendo gastos milhões para a modernização destes jatos. Estaríamos jogando dinheiro fora? Sua função na FAB seria outra?

    • Estamos fugindo do tema principal, mas no caso do "AMeXis", ou a Força modernizava* ele ou aposentava de vez. Um fusca, mesmo com motor de santana, sempre será um fusca…não tem o que fazer.

      *Esse "up" na máquina é para 'terminar' e dar ao jacto a verdadeira capacidade de ataque que ele deveria ter recebido a vinte anos atrás…

      Outra coisa, nesse MLU o caça será atualizado para o ambiente BVR. Apesar de ser o Futuro da guerra aérea, Eu vejo como contra senso. Penso que deverá ser uma 'reserva' para a primeira vaga…só assim que consigo imaginar, pois correr subsonicamente até o alvo , atirar subsonicamente no alvo e evadir-se subsonicamente…sei não…

  14. Caro Francisco AMX

    Eu não vejo as coisas dessa forma. Por um lado, não vislumbro na Geórgia uma força assim tão equipada pelo Ocidente (NATO), até porque basta um olhar rápido pelos equipamentos que tinha confirma-se rapidamente que eram todos russos.

    Dizer que eram equipados com armamento ocidental é falar de quê? Sistemas de comunicação de baixa frequência? UAV's? É o quê? Não entendo.

    Por outro lado, gostaria de passar a bola para o seu lado na questão da "má fé". Para mim, do ponto de vista militar, estudando o teatro de operações, as operações propriamente ditas, os ganhos militares e económicos, esta acção não passou de um conflito de fronteira, daqueles muitos que infelizmente a América do Sul Conhece.
    O que aconteceu foi que a Rússia, ávida de mostrar ao mundo que ainda está viva militarmente, elevou este conflito para os píncaros, para depois se poder vangloriar deste feito. Aliás, a avidez com que anuncia números fabulosos de produção militar colocam a descoberto isso mesmo. Vide o célebre caso dos submarinos, que em 2007 penso, iriam ser às dezenas até 2015, e até agora… piu…

    Da mesma forma, penso que se ler mais fontes verá que a Geórgia não recebeu grande apoio diplomático do Ocidente, também não vislumbro onde isso possa ter acontecido.

    Quanto à última parte da História, não tinha como objectivo ser negativo, apenas referir que a Rússia, mesmo tendo um historial de derrotas militares contra países inferiores militarmente (Suécia, Polónia, Turquia, Finlândia, etc…) não iria deixar de obter uma vitória militar contra um adversário tão insignificante.

    Mas lá está, há muita gente a pensar que a Rússia salvou o mundo na 2ªGM, o que não é verdade. Contudo, a propaganda funcionou e funciona. Se houve um pulmão foram os EUA, que com a sua indústria equiparam até a debilitada URSS, que se não fosse esta ajuda, poderia mesmo ter estado em maus lençóis.

    Quanto a Napoleão, penso estar enganado quando diz que toda a Europa estava subjugada. Em primeiro lugar, porque Portugal resistiu a três invasões, em segundo lugar porque, existia a Inglaterra e o domínio dos mares, etc. E o Inverno foi sim importante e, por várias vezes, já os Suecos o tinham provado, mas isso é tema para outras conversas.

    Só mais uma dica. Waterloo decorreu no período com o Governo dos Cem Dias de Napoleão, depois deste se ter evadido da ilha de Santa Elba. Ou seja, à data de Waterloo, este já tinha sido derrotado e subjugado.

    • Ilha de Elba correcção. E a Rússia não faz parte dos aliados de Waterloo… onde foi buscar essa ideia?

      Cumprts

    • Afonso, obrigado pelas informações sobre Waterloo… 🙂
      Ah, não leve a cabo a "má-fé"… era só para trolar/provocar vc viu!?
      Agora sobre a Georgia… estavam usando armas russas/soviéticas? claro! como falei, pela simplicidade, não afirmo que são melhores que as acidentais, mas que não são tranqueiras/cangalhos, ah não as são! acho que tem gente vivendo no mundo de Hollyhood… onde as armas são tão fantásticas e sua eletrônica é infalível! onde F-35 paira sob viadutos… onde tomahaks abatem aeronaves alienígenas… engraçado que volta e meia os "americanos", neste mundo de fantasia baseado em sofismas, salvam o mundo de invasores com tecnologia que domina a velocidade da luz, armados de paus e pedras… 🙂
      A Georgia, ao que pese a região da Ossétia (os separatistas) tem uma área relativamente pequena, uma fração do estado do RS?! lá as forças Georgianas estavam em número que as fez conquistar a capital e regiões em poucas horas… sim, com apoio das informações americanas… ninguém se meteria com a Russia, sendo pequeno como vc diz, assim de mãos "vazias"… apesar de sua ação populista o líder Georgiano pensou poder segurar a situação com apoio ocidental…
      mas voltando mais ao assunto, o que gerou este nosso debate, só queria salientar que neste conflito foram abandonas armas ocidentais, equipamento de comunicação digital, em prol dos "cangalhos", mesmo já fazendo mais de década de experiência com tais armas modernas…. pq??? as armas de mão foram pela simplicidade e robustez… já as modernas, os sistemas "cedidos"… as "varreduras" acabaram sendo anuladas pelas ECMs e PEMs russas… não seria por isso que russos usaram suas maiorias de "cangalhos"??? pense nisso meu amigo…

      • Ah e sobre Russia vs Alemanha nazista… eu não fale e nem acredito que eles "ganharam" a guerra sozinhos! assim como esta balela de que os USA salvaram a Russia… mal se seguraram depois do dia D… observe o avanço russo e o avanço americano/aliado… certamente que o número de baixas ocidental foi menor, mas não é sempre assim que se ganha uma guerra… ela não é "justa" muitas vezes com o vencedor…

        • Sem problema, entendi perfeitamente a questão da "má fé".

  15. Caro Francisco AMX

    Eu não vislumbro que armas fala que eram de tecnologia de ponta ocidental, mas que nas mãos dos Georgianos já tinham dez anos de operação. Se tiver a gentileza e tempo para me fornecer algumas fontes, terei todo o gosto em ler a referida informação. Reconheço total desconhecimento no caso. Da mesma forma, gostaria de saber sobre que equipamentos sofisticadíssimos a guerra electrónica russa tão eficaz.

    Quanto à "balela" de não terem sido os americanos que salvaram o mundo na 2ªGM, com o seu programa Lend-Lease, de que a Rússia foi dos principais beneficiários, bom penso que cada um acredita no que lhe dá mais jeito.

    No mesmo sentido, também não comparo o avanço e a Geografia das planícies da Rússia Branca, com a dos países ocidentais, bem como o varrimento que Patton realizou na Europa e os anos que demoraram os russos a passar ao contra-ataque em larga escala e porquê o fizeram já os aliados tinham derrotado os alemães no Norte de África e invadido o Sul de Itália.

    São opiniões.

  16. Caro Francisco AMX

    Estive a consultar todos os links que colocou e, antes demais, obrigado por ter-se dado ao trabalho. Contudo, achei que o número não igualava a qualidade dos mesmos e registo fontes tão sérias como a Wikileaks e a Indymedia.

    Depois de ter visto todos, fiquei com a mesma sensação inicial, que não houve um apoio Ocidental assim tão grande – sendo mesmo que Israel e a República Checa não são aquilo a que se chama o Ocidente (NATO), nem sequer podem garantir apoio político relevante.

    Nos diversos posts vêm-se as já referidas armas, fuzis, UAV´s, sistemas de artilharia ligeira e Humvee's. Fruto de formação militar de unidades especiais georgianas nos EUA (o Exército regular usa AK-47's) e Humvees que estiveram presentes no Iraque. Nada diferente daquilo que inúmeros países fazem nos EUA.

    Os sistemas de artilharia são israelitas e checos. Onde está o armamento sofisticado Ocidental, alemão, francês, britânico, americano, holandês, etc…?

    Não está, o grosso era e continua a ser russo.

    Da mesma forma, o caro amigo não apresentou uma (1) única prova que os russos utilizaram as tais referidas armas de guerra electrónica que calaram os sofisticados sistemas ocidentais que, já vimos, os georgianos não possuíam. Muito menos a utilização de armas de impulso electro-magnético, apenas limitou-se a postar que elas existem. É como Cervantes "No creo en Brujas, pero que las hay, las hay…"

    Lamento, mas realmente continuo a achar que a guerra na Geórgia foi exagerada propositadamente pelos russos, para dizerem que ainda estão vivos.

    Fica ainda muito por falar, de certo sobre como o presidente georgiano foi culpado por um populismo desmedido, e como a Alemanha e a França sempre lutaram por manter um canal aberto com Moscovo, ou como o acordo de paz tenha sido da responsabilidade da União Europeia – o terrível Ocidente.

    Seria também interessante referir que a Rússia provoca constantemente conflitos onde há minorias russas, em seu interesse próprio, continua a ser o país que mais reconhece países que mais ninguém reconhece e cria até museus a céu aberto do passado comunista, vide:
    http://en.wikipedia.org/wiki/Transnistria

    Curiosamente apenas reconhecida pela Rússia, Ossétia do Sul e Abecássia, dois territórios apenas reconhecidos pela Rússia. Tudo isto em Loop ahahahah Não há aí um participante que gosta de falar em Circo??

    Mas tudo bem, é a sua opinião. Para mim, o copo está meio vazio.

    Cumprts

    • Caro RR

      Não podia estar em mais desacordo consigo.

      Em primeiro lugar, em relação ao Lend-Lease. Os russos passaram mesmo um mau bocado, não fosse este programa os russos nunca tinham podido quebrar o impasse, nem mesmo o seu esforço industrial teria resultados.

      Veja por favor estes dois links, peço desculpa por ser da Wikipedia, mas veja bem como os americanos forneceram 2.000 locomotivas (!) e de como 2/3 dos camiões do Exército Russo eram americanos.
      http://en.wikipedia.org/wiki/Lend-Lease

      E veja a quantidade industrial de TUDO o que os americanos forneceram aos russos, literalmente TUDO:
      http://whatreallyhappened.com/WRHARTICLES/pearl/w

      Quanto a Patton, está a ser injusto com um dos maiores estrategas do Século XX. Em primeiro lugar, vale a pena lembrar que os Aliados concordaram na Conferência de Teerão lançar ofensivas combinadas, para mais fácil quebrar o esforço de guerra do Eixo. Logo uns ficam a dever ao esforço de outros.

      Em segundo lugar, lembrar-lhe que Patton andou a limpar alemães desde 1942. Primeiro no Norte de África – Operação Torch – depois na Invasão da Sicília em 1943 e por último na Invasão da Normandia, em 1944. Como sabe, menos de um ano depois, os Aliados estavam em Berlim.

      Novamente, peço desculpa por ser da Wikipédia, mas estou sem tempo. Vale a pena ver que está "não tão correcto" acerca de Patton:
      http://en.wikipedia.org/wiki/Patton

      Cumprts

    • Afonso, o pior cego… 🙂 já que queres negar a influência ocidental em mais de 10 anos, relatos mil na net, as declarações contundentes de Washington contra a reação russa… considera que os USA não mexeram um dedo para suprir os Georgianos de informações e armas, vou fazer o quê?? vc pede links, eu dou uma rápida busca na internet e vc continua acreditar no 1% de improbabilidade??? rsrsrss
      sobre as interferências pesadas no campo de batalha, pense vc! se não usaram nenhum recurso PEM, certamente inibiram qualquer tipo de transferência pesada… equipamento eles tem de sobra… eu tenho plena convicção de que se os Georgianos tivessem M-1s, F-16s, Strykers, Javelins… o resultado não seria diferente…
      Amigo não estou dando razão aos russos pela ação, nem tão pouco para os Georgianos… isso não vem ao caso… apesar de que depois de uma investigação europeia, conclui-se que a irresponsabilidade pelo conflito foi dos fomentados… ora, não estou querendo com isso endeusar os russos… nem de longe nem de perto… só volto a te lembrar: ARMAS RUSSAS, UKRANIANAS… ESLAVAS EM GERAL, NÃO SÃO AS PORCARIAS QUE VC TENTA FAZER CRER!

      Afonso, queres prova? então vamos precisar de uma investigação internacional, feita por uma ONG séria (se é que existe) para determinar ser absoluta verdade o que tu diz… que tal? acho que não é por aí… provas? tá bom…
      só gostaria que tu me explicasse como é que em 2 dias os russos dominaram uma área do tamanho de Porto Alegre, deixando um rastro de MBTs destruídos… usando "frangalhos" de armas… como pode?

      eu dou por encerrada esta conversa, acho que o amigo tem muita ideologia na cabeça… 🙂

      abraço!

    • http://www.youtube.com/watch?v=GHsYFiuOzC8

      sinceramente…

      interessante que tem uma dica: "Liberando todas as linhas de comunicação"… se o amigo não entende as entrelinhas… agora USA depende de comunicação de um país do tamanho de Portugal? os USA vai confiar na comunicação "grampeada" na região… amigo, "liberar as linhas" poderia ser, parar com as sabotagens eletrônicas… ou vai dizer que é para os habitantes terem acesso à TV!? rsrsrs

  17. Caro Francisco, com todo o respeito, eu acho que você não sabe o significado de vias de comunicação na "gíria" militar, aliás até mesmo na vida civil.

    Vias de comunicação (a tradução linhas já não é tão correcta) são o que a repórter inumera a seguir: estradas, pontes, caminhos de ferro, portos, aeroportos, etc… que obviamente estavam bloqueadas físicamente pela Rússia.

    Acho, que neste caso, o seu tiro falhou o alvo por quilómetros, na ânsia de disparar algo…

    Quanto ao demais, já disse o que tinha a dizer e, por último, não faço ideia de que filme fala – pelos vistos é o amigo que é impressionável por Hollywood.

    Cumprts

    • Respeito? começo a achar que vc não conhece esta palavra… 🙂 (brincadeira), o que seria vida civil, vida para mim é vida, tão somente? Afonso, tua "gíria" militar deve ser muito particularmente lusitana, com todo respeito :)… o que tu concluiu como via de comunicação foi tão somente pelo viés conveniente?! tá parecendo! é lógico que os Russos cortaram a logística do inimigo, qualquer um que puder fará isso (estou fazendo uma alusão a tua afirmativa sobre como os "Americanos operam" numa guerra, o que é lógico quando se detém superioridade numérica e 90% de tecnologia dos seus meios são o topo… afirmativa esta que está correta mas é chover no molhado de tão lógica) mas cortaram meios de comunicação, seja por via telefônica convencional (vida civil? :)), interferiram na comunicação tática dos militares (vida militar?) Georgianos…. exatamente como fizeram/fazem os americanos nas guerras recentes e nas que estão por vir… isso é usual de quem tem equipamentos e superioridade para tal…

      O filme do Patton? se não viu deveria! se não conhece tem que conhecer, vc merece!, pois este filme não é o "hollyhoodyano" que vc sabe que estou falando! é um filme bem legal! de 1970 com Geoge C. Scott

      • Ah, ainda sobre o filme… da emoção, pois eu me emocionei, era só para lhe "provocar" rsrssrs…

        Até hoje eu não sei quem eu definiria como grande lider militar… se o Patton, o Rommel ou o Zhukov… este último bem "cruel" por sinal… fazia na prática o que o Patton apenas ameaçava (e humanamente retrocedia…)

  18. Caro Francisco

    Eu devo estar ficando burro mesmo, é que vi e revi o vídeo e não consigo vislumbrar outro significado que não "pontes, portos, aeroportos, etc…" vias de comunicação…

    Mas se você entende isso como comunicações, ou telecomunicações… bom, nesse caso, desejo toda a sorte do mundo para você. Não deixa que te pisem não – todo o ser humano é único! 🙂

    O que você falhou em demonstrar é que os russos "empastelaram" os sistemas de comunicação georgianos, ao ponto dos os mandarem para a idade da pedra – o mesmo será dizer voltarem a usar os meios "soviéticos" antigos.

    É que até agora, não vi tal demonstração. Nem dessa, nem de como os Georgianos eram amplamente apoiados pelo Ocidente.

    Temo que o camarada acredite em tudo o que os russos emitem, já eu faço exactamente o contrário – até provar, não acredito em nada!

    Cumprts

    • Sobre as comunicações, ao menos militares, um dos links já citados, fonte americana, contem:

      Another problem was communications: As soon as combat began, the army's communications network largely collapsed, he said, so troops conducted operations using regular cell phones. That left their communications easily accessible to Russian intelligence.

      http://www.cleveland.com/world/index.ssf/2008/08/

      E como acredito que seja mais fácil tirar redes de telecomunicação civis de operação do que redes militares mais robustas e seguras, o fato da rede civil de telefones celulares ter ficado de pé parece ter sido proposital já que, por não ser uma rede militar segura, poderia ser facilmente interceptada, como de fato ocorreu, e poderia-se obter diversas informações do inimigo. De qualquer forma, as redes civis podem ter sido tiradas do ar em um momento posterior. Os russos, assim como os americanos, possuem equipamento para isso.

    • A "comunicação", nos dias de hoje, dá-se apenas por meio analógico? fico imaginando um Humvee levando e trazendo uma carta escrita em bico de pena, de um comandante para outro…
      eu entendo como todos os meios de comunicação, não apenas meios logísticos com entende vc!

      Afonso, que tu recebas em dobro o que me desejas! 🙂 ainda não "nasceu" tal pisante para o Francisco AMX… só se deixa pisar quem não se dá ao respeito! 🙂

      agora tu "chegou" onde ou acho que estás! num mar de ideologias… eu prefiro analisar caso a caso… indiferente de onde partiu o tiro! não precisas "temer" naõ, pois não acredito em "tudo", assim como não acredito em fantasia americana/ocidental que deprecia o "simples" mas eficaz meio misto dos eslavos/russos! não acredito em "frangalhos" partindo de uma nação que domina o espaço, por exemplo… aliás, o que brasileiros e portugueses tem feito de admirável/respeitável (na a´rea tecno-militar) desde o século passado até agora? principalmente uma nação "antiga" que outrora dominou os mares?!?

      Sou um capitalista "moderado", por mim é "russia lá nois cá", mas não posso desconsiderar ou mesmo depreciar radicalmente algo de alguém que desenvolve coisas que eu nem sei se vem de frente ou de ré!
      numa visão egoísta minha, já estaríamos trabalhando "bem junto" aos americanos… por isso consigo falar com alguma propriedade o que falo! só pq me afeiçoo aos americanos, não sou obrigado a acreditar em tudo deles também…
      procuro usar a razão… a mesma que os próprios americanos usam para desenvolver suas armas e anular a eficiência dos "concorrentes"… se eles fosse levar sua "certeza" como meta, estariam voando de F-4, A-4 e F-5… e tava tudo certo!

  19. Caro Caio

    Eu já tinha lido esse post, penso que já tinha sido colocado pelo Francisco, mas mais uma vez o entendimento que vocês retiram dele, não é o meu.

    Na parte que refere a M-4, os militares americanos dizem que estavam a treinar os georgianos com elas, mas que quando a guerra começou eles voltaram para as Ak-47, nas quais tinham mais confiança. Eu retive o seguinte "estavam a começar a treinar-se com as M4" mas "em combate voltaram para as AK47, em que confiam mais"…

    Na parte das comunicações, os americanos referiram que as comunicações georgianas colapsaram com o início das operações, e que tiveram de usar telemóveis – os quais seriam interceptados pelos russos.

    A parte que retive "as comunicações colapsaram com o início das operações".

    Esta afirmação não refere o motivo delas terem colapsado, nem o sentido da palavra colapsaram. Terão colapsado por sobrecarga dos sistema, por não estarem devidamente implementadas, ou bem geridas, por operarem em frequências diferentes… etc…??

    O que os leva a afirmar que foram os russos que provocaram esse colapso? Isso não vem referido neste texto.

    Convido ambos a relerem o artigo.

    Caro Francisco AMX

    Já deu para entender que estamos em diferente sintonia, ainda assim um abraço.

    • "A parte que retive “as comunicações colapsaram com o início das operações”.
      Esta afirmação não refere o motivo delas terem colapsado, nem o sentido da palavra colapsaram. Terão colapsado por sobrecarga dos sistema, por não estarem devidamente implementadas, ou bem geridas, por operarem em frequências diferentes… etc…??"

      Afonso, numa boa, vc realmente acredita que os russos nada tiveram a ver com este colapso? então podemos dizer que na invasão ao Iraque, em 2003, os americanos tiveram sorte? que os Iraquianos sobrecarregaram os sistemas deles?… amigo estamos em 2012, os "acontecimentos" de que falamos foram só a 4 anos…
      Um detalhe sobre as porcarias russas/sovieticas… em 1965 soldados americanos largaram os primeiros M-16 e usaram a "Porcaria" russa… e em 2008, mais uma vez "alguém" treinado (e aqui posso dizer de cadeira: se sou treinado em um fuzil/rifle de assalto, recebo um mais moderno e, teoricamente mais adequado a guerra moderna, não levarei mais que 5 dias para me familiarizar e pegar prática nesta nova arma… não estamos falando de um "bodoque" de um arco e flecha! estamos falando de 2 armas de fogo com muita similaridade de emprego!…
      no final, te mostrei que existiam equipamentos ocidentais, fuzis, armas leves, armas médias, UAVs, obuseiros, treinamento ministrado por Israel e USA, te dei exemplos de controle de PEMs pelos russos, de equipamentos de terra interferidores de ondas… como tu pediu… agora tenta encontrar brechas para distorcer os fatos… sorry my friend!

Comments are closed.