F-5EM decola em mais um “pacote”.

O CAVOK esteve na ALA 3 (antiga Base Aérea de Canoas), na área metropolitana de Porto Alegre (RS) e acompanhou o exercício BVR que lá ocorre. Acompanhe conosco como foi a movimentação das aeronaves em um dos dias do exercício e também algumas informações que recebemos sobre a importância deste treinamento para os pilotos da Força Aérea Brasileira (FAB).

Os editores do CAVOK, Diego Alves e Evandro Giordani, estiveram na tarde do dia 11 de abril na ALA 3 onde puderam conferir in loco as operações de voo do exercício BVR que ocorre na base até o dia 16 de abril.

Assim que chegaram na pista puderam acompanhar a decolagem de um ‘pacotão‘ que consistia de oito F-5M e dois A-1M. Foi possível acompanhar o acionamento, check pré-voo, taxi e decolagem. Primeiro decolaram 4 “Mikes”. Depois de um pequeno intervalo, mais quatro “Mikes” e, por fim, os dois A-1.

Para quem não é familiarizado, BVR é a sigla em inglês para beyond-visual-range (além do alcance visual). Nesta modalidade, as aeronaves combatem a distância. Na Guerra do Golfo, vários pilotos iraquianos foram abatidos sem nunca saber de onde veio o tiro mortal.

Strikers!

Os quatro primeiros F-5 deveriam garantir a defesa de um ponto específico. Já os demais F-5 fariam a defesa dos dois A-1, que tinham como missão atacar o ponto defendido pelos F-5. Os E-99 não participaram do exercício na ocasião em que lá estávamos, mas eles são parte essencial do exercício BVR.

No combate simulado, existe a área de “regeneração“, ou seja, ao contrário de exercícios como a Red Flag, onde quem for atingido está fora, nesse exercício – como na maioria dos exercícios aéreos pelo mundo – quem for “abatido” sai da arena, vai até a zona de “regeneração” e pode voltar para o jogo. Desta maneira ganha-se mais tempo de treino.

O C-130 Hércules continua sendo a “espinha dorsal” da aviação de transporte da FAB. O mesmo será substituído em breve pelo KC-390 da Embraer.

A participação do KC-130 no exercício também é fundamental, mas durante nossa visita ele não decolou.

Não tivemos acesso aos resultados, nem aos parâmetros de lançamento simulado das armas, até porque são dados sigilosos e que não convém tornar publico. Também não pudemos fotografar as armas envolvidas, mas isso pouco importa, porque fomos brindados com um show aéreo particular.

Pégaso parte para mais uma missão.

Perguntamos sobre o planejamento para este exercício. O pessoal da Ala 3 respondeu que “com o intuito de colocar em prática a VISÃO que é ‘Organizações Militares subordinadas capacitadas a realizar Ações de Força Aérea em cenários específicos, na dimensão adequada e no momento oportuno’, o Comando de Preparo – COMPREP deu início no ano de 2018 a primeira etapa do planejamento do Exercício BVR 2019”.

Os “fox” continuam sendo usados na formação de novos caçadores.

Após a fase preliminar de estudos da doutrina a ser empregada, análise orçamentária, análise de risco e análise dos objetivos a serem alcançados, ocorreu à interação com a sede do Exercício e Unidades de Força Aérea envolvidas no exercício, para definição das necessidades dos protagonistas, culminando o planejamento na execução das complexas missões de pacote, inicialmente propostas.

Break!

O exercício exigiu uma grande demanda logística, com aproximadamente 1.000 militares envolvidos e cerca de 300 horas voadas até a semana que estivemos na Ala 3.

Acidente com aeronave A-1B

Questionamos sobre como foi para eles na Ala 3 realizar as operações após o acidente ocorrido com a aeronave A-1B que caiu em Viamão. Após a ocorrência, o Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos – SIPAA deu início aos trabalhos de investigação, levantando dados que ajudarão a elucidar o acidente, além de buscar elementos que contribuirão para prevenir acidentes como o evento ora mencionado, e assim foi possível assegurar o rápido retorno das atividades aéreas com as aeronaves A-1 no Exercício BVR 2019.

Caçadores retornam após mais uma missão.

Dentre as aeronaves participantes estão os caças F-5M e A-1M, a aeronave-radar E-99, a aeronave de reconhecimento R-35; o avião KC-130, que realiza reabastecimento em voo para outras aeronaves, e o helicóptero H-36 Caracal para missões de busca e salvamento (SAR – Search and Rescue).

A operação é considerada de nível nacional, pois participam esquadrões de voo de Manaus (AM), Anápolis (GO), Campo Grande (MS), Rio de Janeiro (RJ) e Santa Maria (RS), demandando um grande esforço logístico.  

A rotina da ALA 3 mantem-se normal mesmo com a realização do exercício BVR. Na foto um “Bandeirulha” taxia para mais uma missão.

“Exercícios como esse são indispensáveis para a Força Aérea Brasileira manter sua capacidade de desdobramento, ou seja, estrategicamente ser capaz de se mobilizar para qualquer região do país com homens e máquinas altamente preparados para atuarem em um alto nível de integração e excelência”, afirma o Comandante da Ala 3, Brigadeiro do Ar Raimundo Nogueira Lopes Neto. 

A oportunidade foi sensacional para acompanhar as decolagens e saber mais detalhes sobre o aprimoramento dos militares da FAB. É a FAB afiando as garras! 

O CAVOK agradece ao Capitão Milani do Esquadrão Pampa; e às Tenente Daniela (foto) e Tenente Cintra, Relações Públicas da Comunicação Social da Ala 3 que foram nossos anfitriões. O nosso muito obrigado! 😉

Capitão Milani e Tenente Daniela.

“Você luta como você treina…”

7 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns!
    Excelente Cavok!
    A FAB fazendo mais e melhor com o que se tem, enquanto algo melhor não chega.

  2. Ótima matéria!! Eu moro a 7 km da ALA-3, para mim eterna BACO, Pé de Poeira sempre, e, até ontem as 00:00hs, tinham atividades intensas, voos noturnos todos os dias. Na quinta 11/04 saí do Hospital, por problemas de saúde, eu estava deitado em casa, me recuperando, só escutando os barulhos dos reatores dos Mikes e dos A-1. Umas 19:00hs. Eu dizia para patroa: isso me deixa feliz, e quando eu estiver em melhores condições, vou comprar uma câmera profissional para tirar fotos dos caças, aqui de casa. Ela disse: vai descansar! Tu já estas batendo biela por causa dos antibióticos.
    Mas, quem conhece, não tem como não gostar.
    Bela matéria!!! Belas imagens!!

  3. FAB faz exercício geral da aviação de caça no RS. Caças dos Ano 80 e 90 e um AMX caiu. Na espera do Gripen que espero não tenha mais atrasos. assim como o KC-390

  4. Belo relato e exelentes fotos de um dia desse exercicio BVR da nossa FA. Tenho prazer em acompanhar a aviaçao de combate aqui em CAVOK e feliz de ve-los cada dia melhores e com materias exclusivas. Grande CAVOK.

  5. Agora pouco antes do 12h00 vi 2 elementos (duplas) de A-1 fazendo o Pilofe e pousando na cabeceira 30. E antes tinha ouvido mais alguns outros motores.
    Operação até no Domingo, provavelmente deve tá rolando aquele churrasco no rancho dos oficiais agora.
    A la chasse!

Comments are closed.