O primeiro Legacy 450 fabricado nos EUA. (Foto: Embraer Executive Jets)
A Embraer entregou nessa semana o primeiro jato executivo médio Legacy 450 que foi montado em sua fábrica em Melbourne, na Flórida (EUA). A aeronave foi entregue a um cliente dos EUA não divulgado, que atualmente possui um jato leve Phenom 300.

“Estamos satisfeitos em atender às necessidades de mudança dos clientes ao longo de sua jornada com um amplo portfólio de produtos. A escolha do Legacy 450 por um cliente Phenom 300 testemunha o melhor design de cada aeronave”, disse Marco Tulio Pellegrini, presidente e CEO da Embraer Executive Jets. “Em sua categoria, o Legacy 450 oferece uma experiência superior ao cliente com conforto e desempenho incomparável, bem como a economia mais favorável.”

A montagem desta aeronave começou com a inauguração da expansão da fábrica de Melbourne, em junho deste ano. O segundo Legacy 450 já está na linha de montagem, e sua entrega está prevista para o primeiro trimestre de 2017.

O jato maior Legacy 500 de médio porte começará a ser montado em Melbourne, no início de 2017, logo após a chegada de sua fuselagem da fábrica da Embraer, em Botucatu, e de suas asas de Évora, lar do centro de excelência de materiais da Embraer. O Legacy 450 e o Legacy 500 também são produzidos no Brasil, na fábrica da Embraer em São José dos Campos.

4 COMENTÁRIOS

    • Sendo assim a Airbus cansou de ser europeia, já que está montando jatos nos EUA. O que rege a lógica econômica é ser o mais competitivo possível, sobretudo no seu maior mercado : EUA.

      • Concordo plenamente com você, hoje quem dita as regras do jogo é o mercado mas aqui no Brasil o povo gosta de lamentar algo que no caso é normal.

        Vide que a matéria cita de cara que a fuselagem sai do Brasil e as asas de Portugal, competitividade é isso poder oferecer o mesmo produto sem deixar ninguém na mão.

    • a montagem final é feita lá, pra facilitar a entrega e reduzir com a logística das peças que são encomendadas dos EUA e tinham de ser importadas pra depois serem exportadas

Comments are closed.