Uma esquadrilha de três P-95A (7052, 7057 e 7061) sobrevoou a solenidade. (Foto: Mauro Lins de Barros / Cavok)

O 4°/7° GAV, Esquadrão Cardeal, comemorou seu 12° aniversário no dia 30 de julho de 2010, na Base Aérea de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, onde estiveram presentes apenas membros da base e os familiares. Confira a seguir mais imagens da comemoração que contou com a presença das aeronaves P-95 do esquadrão e de caças F-5EM que decolaram para missões de treinamento.

Pouco antes do início da festa, três F-5EM (4836, 4860 e 4864) do 1° GAVCA decolaram para um voo de exercício. (Foto: Mauro Lins de Barros / Cavok)
O P-95A FAB-7061 que foi empregado para localizar os náufragos do Concórdia em 18 de fevereiro de 2010 e orientou a fragata F-42 Constituição e navios mercantes para efetuarem o resgate. (Foto: Mauro Lins de Barros / Cavok)

Após a desativação do último P-16 Tracker no final de 1996, o antigo 1° Grupo de Aviação Embarcada vinha operando exclusivamente o P-95A Bandeirante Patrulha. A designação da unidade não mais refletia nem sua missão nem sua capacitação. Assim, então o Ministro da Aeronáutica Lélio Viana Lobo assinou em 31 de julho de 1998 a Portaria R-452/GM3 desativando o Primeiro Grupo de Aviação Embarcada e criando o 4° Esquadrão do 7° Grupo de Aviação. A nova unidade herdou de sua antecessora o pessoal, o equipamento, o nome, o lema e as tradições.

Desde então, o 4°/7° GAV vem desempenhando com brilhantismo a missão de patrulha marítima em sua área de atuação que se estende de Caravelas, na Bahia, até a fronteira dos estados de São Paulo e Paraná. Nessas águas trafega quase 60% do tráfego marítimo brasileiro e se localizam as grandes reservas petrolíferas do pré-sal e das bacias de Campos e de Santos. Uma parte pouco divulgada da missão do 4°/7° GAV é a busca e resgate, exemplificada pelo recente afundamento do veleiro canadense Concórdia cujos 64 tripulantes foram localizados pelo P-95A FAB-7061, à noite e apenas 2 horas e quarenta minutos após recebido o pedido de socorro.

Texto e fotos: Mauro Lins de Barros – Cavok

Nota do Autor: Já há algum tempo discute-se a desativação do 4°/7°. A decisão já foi postergada mais de uma vez. Como ficaria a patrulha no sudeste? Entre Salvador e Florianópolis tem muita água. Tem o pré-sal, os principais portos do país e um risco de contrabando (volta e meia, eles pegam alguém).

Anúncios

SEM COMENTÁRIOS