O primeiro F-39 Gripen da FAB, apresentado oficialmente hoje, dia 10 de setembro de 2019. (Foto: Fernando Valduga / Cavok Brasil)

A Saab deu mais um passo importante para a entrega do Gripen E ao cliente brasileiro. Marcado por uma cerimônia em Linköping, na Suécia, em 10 de setembro, a primeira aeronave brasileira Gripen E foi entregue para iniciar o programa de ensaios em voo.

Inicialmente, os ensaios em voo serão feitos na Suécia e, até o final de 2020, a aeronave irá para o Brasil para dar continuidade à campanha de testes no país. Em 2021, será iniciada a entrega à Força Aérea Brasileira.

Foto: Fernando Valduga / Cavok Brasil

Uma cerimônia para celebrar esse importante marco foi promovida em Linköping, Suécia, em 10 de setembro. O evento contou com a presença de Fernando Azevedo e Silva, Ministro da Defesa do Brasil; do Tenente-Brigadeiro Antonio Carlos Moretti Bermudez, Comandante da Força Aérea Brasileira; de Nelson Antonio Tabajara de Oliveira, Embaixador do Brasil na Suécia; do Tenente Brigadeiro Carlos Augusto Amaral Oliveira, Secretário-Geral do Ministério da Defesa; de Peter Hultqvist, Ministro da Defesa da Suécia; do Major General Mats Helgesson, Comandante da Força Aérea Sueca; e, representando a Saab, Håkan Buskhe, Presidente e CEO; e Jonas Hjelm, Vice-Presidente Sênior e head da área de negócios Aeronautics na Saab.

Foto:Lasse Hejdenberg
Hejdlösa Bilder AB

“Tenho orgulho por, junto com a indústria brasileira, fazer parte da construção de uma parceria estratégica de longo prazo com o Brasil e a Força Aérea Brasileira. Com o Gripen, o Brasil terá um dos caças mais avançados do mundo e o programa de transferência de tecnologia permitirá ao País desenvolver, produzir e manter caças supersônicos”, diz Håkan Buskhe, Presidente e CEO da Saab.

Foto:Lasse Hejdenberg

“O Gripen aumenta a capacidade operacional da Força Aérea Brasileira e impulsiona uma parceria que garante transferência de tecnologia para o Brasil, fomenta a pesquisa e o desenvolvimento industrial dos dois países”, diz Fernando Azevedo e Silva, Ministro da Defesa do Brasil.

“O F-39 Gripen representa, para a Força Aérea Brasileira, um significativo salto tecnológico na aviação de caça, mas também um exemplo exitoso de um desenvolvimento colaborativo, baseado na transferência de tecnologia e fomento à base industrial de defesa. Assim, a FAB terá um novo vetor multimissão para o cumprimento de suas ações de Controlar, Defender e Integrar o território nacional, a partir de um projeto que, desde a sua concepção, já traz benefícios para a sociedade brasileira. Sinto-me muito feliz em fazer parte deste momento histórico para a aviação de caça do Brasil”, diz Tenente-Brigadeiro Antonio Carlos Moretti Bermudez, Comandante da Força Aérea Brasileira.

A parceira com o Brasil começou em 2014 com o contrato (no valor de 39,3 bilhões de coroas suecas) para o desenvolvimento e produção de 36 caças Gripen E/F para a Força Aérea Brasileira, incluindo sistemas relacionados, suporte e equipamentos. A Saab está impulsionando o desenvolvimento da indústria aeronáutica local através das empresas parceiras no programa Gripen Brasileiro, que inclui um amplo programa de transferência de tecnologia ao Brasil, que será entregue pelo prazo de aproximadamente dez anos.

As aeronaves brasileiras Gripen E/F são desenvolvidas e produzidas com a participação de técnicos e engenheiros brasileiros. Essa integração faz parte da transferência de tecnologia e visa proporcionar o conhecimento prático necessário para a execução dessas mesmas atividades no Brasil. A partir de 2021, a montagem completa de 15 aeronaves começará no Brasil. O desenvolvimento do Gripen F, de dois lugares, está progredindo com atividades abrangentes no Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen (GDDN, do inglês Gripen Design and Development Network), em Gavião Peixoto, interior de São Paulo, Brasil. As entregas do Gripen F devem começar em 2023.

O Gripen E se baseia no design bem-sucedido de versões anteriores. O Gripen é um caça moderno, com um design balanceado, equipado com tudo o que é necessário em um caça multimissão.

Atualmente, cinco países operam o Gripen: Suécia, África do Sul, República Tcheca, Hungria e Tailândia, e em breve, o Brasil se juntará a esse grupo. A Escola de Pilotos de Teste do Reino Unido (ETPS) utiliza o Gripen como plataforma para o treinamento de pilotos de teste.

F-39 é a designação da Força Aérea Brasileira para o Gripen.

Anúncios

11 COMENTÁRIOS

  1. Usinagem de primeira linha! Apesar do tamanho das fotos não ajudar, percebe-se o pouco uso de rebites e soldagens grosseiras e superfícies bem limpas na aeronave, coisas que influenciam bastante no RCS.

    • repara no elevon na sexta foto …me parece que está amassado .De resto acabamento perfeito

  2. Levando em consideração nosso contexto histórico com sos F-5, os Gripen chegarão em 2021 e certamente voarão até 2060.

    • É até provável..
      Mas acredito que antes disso, talvez lá pela década de 30/40 tendo em vista a rapidez do desenvolvimento tecnológico das aeronaves de caça e a adoção cada vez maior de caças 5°G mundo afora, a FAB opte por adquirir ou então estabelecer um projeto próprio de um 5°G(?) como caça principal (como sempre foi dito ser a intenção da ToT) uma vez que os Gripens já estiverem pra lá da metade de sua vida útil.
      Mas claro que até lá, tudo vai depender da geopolítica, e principalmente dos futuros governos.

  3. Se o caça provar que atende os requisitos, é provável que seja encomendado um segundo lote totalmente montado no Brasil.

  4. Rindo muito de postagens da época do resultado do fx2 onde grandes especialistas em facebook e achologia em foruns diversos bem como analistas militares conceituados e reconhecidos no orkut afirmavam que a aeronave não voaria e não estaria pronta antea de 25 30 etc e outras baboseiras, será que algum desses especialistas terão a humildade de agora escrever que falaram bobagem e erraram ou apenas fingirão que não disseram nada ou apenas mudarão de login. Parabéns Brasil

    • Pelo que já foi noticiado em sites e fóruns pela internet, o IRTS será instalado após a fase de testes, por hora o espaço está ocupado por equipamentos destinados justamente a esses testes.

Comments are closed.