Um dos destaques da San Francisco Fleet Week este ano foi o Boeing 747-400 da United Airlines que em breve será retirado de serviço. (Foto: Bernando Malfitano / Cavok)

Todo ano, no início de outubro, São Francisco, na Califórnia, comemora a “Fleet Week”. Durante uma semana, vários eventos reconhecem a importância das forças armadas, especialmente a Marina e a Guarda Costeira dos EUA. A culminação da Fleet Week é o show aéreo no final da semana, que inclui várias aeronaves militares, comerciais, históricas, e acrobáticas. Acompanhe conosco mais uma cobertura de um show aéreo nos EUA pelas lentes do Cavok.

A San Francisco Fleet Week é um dos airshows mais belos do mundo, sobre as águas verdes da Baía de São Francisco: Ao oeste, a famosíssima Golden Gate Bridge. Ao norte, a ilha de Alcatraz, atualmente um Parque Nacional depois de décadas utilizada como prisão de segurança máxima. Ao leste, a Oakland Bay Bridge. E ao sul, o centro de São Francisco, uma moderna skyline com a pontuda Transamerica Tower no centro. Com o céu azul do norte da Califórnia e a temperatura refrescante do ar ao redor da fria baía, a Fleet Week oferece uma experiência visual que nenhum outro airshow supera – comparável apenas, talvez, com uma Red Bull Air Race no Rio de Janeiro.

O USS Essex, um porta-aviões da ataque anfíbio dos Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, entra na Baía de San Francisco. (Foto: Bernardo Malfitano / Cavok)
Bell /Boeing CV-22 Osprey do Copro de Fuzileiros Navais dos EUA. (Foto: Bernardo Malfitano / Cavok)
Douglas DC-3. (Foto: Bernardo Malfitano / Cavok)

Antes do início do show aéreo ocorre o “Parade of Ships”, uma série de navios da Marinha dos EUA (US Navy), Guarda Costeira dos EUA (US Coast Guard), e também das Forças Armadas Canadenses. Destaques incluíram o SS Jeremiah O’Brien, um Liberty Ship da 2ª Guerra Mundial, e o USS Essex, um porta-aviões da ataque anfíbio dos Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA (US Marine Corps). Antes do espaço aéreo ser fechado para o show aéreo, algumas aeronaves voaram “informalmente”, como dois V-22 Ospreys dos Marines, e um DC-3.

Mike Wiskus e seu Pitts. (Foto: Bernardo Malfitano / Cavok)
Equipe de Paraquedismo Leapfrogs da Marinha dos EUA. (Foto: Bernardo Malfitano / Cavok)

O show aéreo começou com a equipe de demonstração de paraquedismo da US Navy, os Leapfrogs. Enquanto o hino nacional americano foi tocado, um Leapfrog pulou de um C-130 e desceu com a bandeira americana, enquanto Mike Wiskus dava voltas ao seu redor em um biplano Pitts vermelho. Outros Leapfrogs então pularam, soltando fumaça enquanto desciam em grupo ou fazendo manobras agressivas. Wiskus depois fez um voo acrobático completo.

Passagem de aeronaves C-27 Spartan e HH-65 da Guarda Costeira dos EUA. (Foto: Bernardo Malfitano / Cavok)

A US Coast Guard voou com um C-27 e dois HH-65s. Cada helicóptero simulou um salvamento, com um mergulhador saltando na água e então depois sendo “resgatado”.

Boeing P-8A Poseidon da Marinha dos EUA. (Foto: Bernardo Malfitano / Cavok)
Boeing 747-400 da United Airlines. (Foto: Bernardo Malfitano / Cavok)

Outros aviões que foram demonstrados incluíram um P-8A Poseidon da US Navy – uma nova versão de patrulha naval do 737 que vem substituindo os P-3s americanos – e um 747-400 da United Airlines. A United tem um enorme hangar de manutenção no aeroporto de São Francisco, e um voo de um 747 é uma popular tradição da Fleet Week. Mas infelizmente, a United está quase no fim do processo de aposentar os seus 747s, e explicou para o público que esse seria a última vez que um 747 faria essa voo incrivelmente baixo sobre a Baía entre a cidade e Alcatraz. Mais shows aéreos deveriam demonstrar o tamanho e a elegância dos jatos comerciais, que são fáceis de esquecer do ponto de vista de um passageiro fazendo uma longa viagem.

Sead D. Tucker e seu Oracle Challenger III. (Foto: Bernardo Malfitano / Cavok)

Um outro Pitts vermelho então foi demonstrado, capaz de manobras que poucos aviões no mundo poderiam reproduzir. Pilotando estava Sean D. Tucker, um dos melhores e mais famosos pilotos acrobáticos do mundo (… e que mora em Salinas, não muito longe de São Francisco). Infelizmente, Tucker vai se aposentar no final de 2018, então os californianos fanáticos por aviação aproveitaram uma de suas últimas chances de ver o “mestre” das acrobacias dar mais um show.

Caças F-16 (USAF) e P-51 Mustang realizam o Heritage Flight. (Foto: Bernardo Malfitano / Cavok)

Como sempre, durante a Fleet Week voaram vários jatos militares. Um F-16 da Força Aérea dos EUA (US Air Force) realizou uma demonstração completa, com passes rápidos e lentos, loops e rolls, curvas fechadas com vapor condensando em volta do avião e afterburners a pleno… e no final de todo esse estrondo, um Heritage Flight com um P-51 Mustang da Segunda Guerra.

Equipe de demonstração Snowbirds do Canadá. (Foto: Bernardo Malfitano / Cavok)
Jatos CT-114 Tutor dos Snowbirds. (Foto: Bernardo Malfitano / Cavok)

Jatos L-39 dos Patriots. (Foto: Bernardo Malfitano / Cavok)

É raro um show aéreo com três – sim, TRÊS – equipes de demonstração acrobáticas com jatos. Mas a Fleet Week teve isso. Os Snowbirds, das Forças Armadas Canadenses, os Patriots, uma equipe particular do norte da Califórnia, que voaram seus jatos de treinamento CT-114 e L-39, respectivamente, e um outro esquadrão que falaremos a seguir. Suas grandes e complexas formações em voo, suavemente fazendo loops e rolls, ou até simples curvas de um lado para o outro como se fossem um só enorme avião, exibem o incrível talento e a dedicação e disciplina dos pilotos. Manobras como curvas fechadas, cruzamentos, e rolls rápidos com apenas um ou dois aviões, adicionam uma certa adrenalina ao belo ballet dos jatos.

Demonstração dos F/A-18 Hornets dos Blue Angels da Marinha dos EUA. (Foto: Bernardo Malfitano / Cavok)

Mais a maior dose de adrenalina, é claro, fica para o final. Há décadas, o show aéreo da Fleet Week sempre termina com a terceira equipe de demonstração que comentamos acima: os Blue Anges, o esquadrão de demonstração aérea da US Navy com seus F/A-18 Hornets. O som de seus afterburners, a velocidade aproximando Mach 1, as manobras verticais, a performance apenas igualada por outros caças modernos, são de arrepiar, de tirar o fôlego. Pouco antes das três horas da tarde, quando os Blue Angels chegam para fechar a Fleet Week, a cidade de São Francisco para: todos os que podem, vão para perto da água – ou pelo menos para a rua – ver os F/A-18s voando baixo ao redor dos prédios e morros. Com um dia de céu azul, a água da Baía e os pontos turísticos ao redor da cidade formam um fundo que realça a beleza dos aviões e das manobras.

Há poucas cidades no mundo tão bonitas, tão históricas, tão interessantes, e tão amigáveis quanto São Francisco. Mesmo sem o airshow, é uma viagem que sem dúvida vale a pena. Durante a Fleet Week então, é realmente uma experiência única.

Anúncios

6 COMENTÁRIOS

  1. Sempre achei o Hornet com uma estética feia, mas na pintura dos Blue Angels ele fica lindo demais.

  2. Frecce Tricolore e Blue Angels sao os melhores do mundo, na minha opiniao… e jah sei que ninguem perguntou, mas…. 😛

  3. Sou um saudosista confesso. Meus destaques são o DC-3 e o P-51.

Comments are closed.