Uma aeronave Grumman F4F-3 Wildcat do VF-3 encontrada junto ao USS Lexington no fundo do mar. (Foto: Paul G Allen)

Um grupo de exploradores liderado pelo cofundador da Microsoft Paul Allen localizou o exato local do naufrágio do USS Lexington (CV-16), o primeiro porta-aviões que afundou na Segunda Guerra Mundial 76 anos atrás, em uma profundidade de cerca de 3 mil metros e a 800 km da costa oriental da Austrália, durante a primeira batalha entre porta-aviões.

Destroços do USS Lexington, um porta-aviões dos EUA que afundou durante a Segunda Guerra Mundial, encontrado no Mar do Coral (Foto: STR / PAUL G. ALLEN / AFP Photo)

O Lexington foi gravemente danificado pelas forças japonesas durante a Batalha do Mar de Coral no dia 8 de maio de 1942, e a Marinha dos Estados Unidos foi forçada a abandonar o navio.

Torpedeiro Douglas TBD-1 Devastador do Esquqadrão VT-2.

O naufrágio do navio foi localizado no domingo pelo navio de pesquisa Petrel, que pertence ao bilionário explorador Paul G. Allen. Foram encontrados ainda cerca de 11 aeronaves, incluindo um Douglas TBD-1 Devastator, três Douglas SBD Dauntless e um Grumman F4F-3 Wildcat .

As primeiras imagens divulgadas pelos pesquisadores mostram uma embarcação com características incrivelmente intactas, incluindo uma arma de 5 polegadas. O nome do navio permanece visível em várias áreas, e é possível ver vários aviões ainda com a insígnia da estrela de cinco pontas da Marinha Americana e até o desenho do Gato Felix do Esquadrão VF-3 e de quatro pequenas bandeiras japonesas na fuselagem de um F4F-3 Wildcat , mostrando o número de aviões inimigos abatidos.

“O USS Lexington estava na nossa lista de prioridades, porque ele era um dos capitais que foram perdidos durante a Segunda Guerra Mundial”, disse Robert Kraft, diretor de operações submarinas para Allen, em um comunicado. “Com base na geografia, época do ano e outros fatores, trabalho com Paul Allen para determinar quais as missões devemos realizar. Nós planejamos localizar o Lexington por cerca de seis meses e tivemos um bom resultado”.

O almirante Harry Harris, comandante do Comando do Pacífico dos EUA, cujo pai serviu no Lexington e sobreviveu ao ataque, anunciou o achado.

“Como o filho de um sobrevivente do USS Lexington, ofereço meus parabéns a Paul Allen e à equipe de expedição do Research Vessel (R/V) Petrel por localizar o ‘Lady Lex’, que afundou há quase 76 anos atrás na Batalha do Mar de Coral”, disse Harris em um comunicado emitido na Austrália, onde ele estava se encontrando com os líderes militares desse país.

“A força da nossa Marinha vem daqueles que lutaram antes”, disse ele. “Esta é a nossa herança. A força da nossa Marinha vem daqueles que servem agora”.

Após uma série de sucessos iniciais no Pacífico – incluindo o ataque surpresa em Pearl Harbor no dia 7 de dezembro de 1941 – o Japão imperial experimentou seu primeiro revés militar durante a Batalha do Mar de Coral.

O Lexington, foi lançado em 1925 como um dos primeiros porta-aviões da América, e tinha 35 aviões a bordo. Morreram 216 membros da equipe na batalha, quando o Lexington e o USS Yorktown enfrentaram três porta-aviões japoneses durante a Batalha do Mar de Coral, que ocorreu entre os dias 4 e 8 de maio.

O Lexington foi atingido por múltiplos torpedos e bombas, e durante o último dia da batalha (8/5), um incêndio incontrolável no navio obrigou a equipe a abandoná-lo. O USS Phelps afundou o Lexington disparando torpedos, dando-lhe a duvidosa distinção de ser o primeiro porta-aviões a afundar durante a guerra.

O USS Lexington foi gravemente danificado pelas forças japonesas durante a Batalha do Mar de Coral em 8 de maio de 1942. (Foto: U.S. Navy)

Os 2.770 membros da tripulação do Lexington foram levados para outros navios próximos da frota dos EUA.

Na batalha, os Estados Unidos também perderam os navios USS Sims e USS Neosho, com o USS Yorktown sofrendo grandes danos. Já os japoneses perderam um porta-aviões leve, o Shoho, e um outro dos seus porta-aviões da frota ficou gravemente danificado.

A Batalha do Mar de Coral marcou uma nova era de guerra da Marinha, onde muitas vezes as batalhas eram travadas entre os aviões lançados por porta-aviões, com os navios que nem sequer viam um ao outro.

Juntamente com a Batalha de Midway, um mês depois, a Batalha do Mar de Coral acabou com o avanço do Japão no Pacífico.

Desde a implantação em 2017, o Petrel realizou várias descobertas de navios militares no mar filipino, incluindo os destroços do USS Ward, que disparou o primeiro tiro da Segunda Guerra Mundial em Pearl Harbor.


Dica do leitor Tiago Fetzer Baptista. Obrigado!

13 COMENTÁRIOS

  1. Isso demonstra algo que os EUA sabem fazer muito bem: preservar a História.

Comments are closed.