Chegada do Boeing 787-9 Dreamliner da Qantas em Sydney, após mais de 19 horas de voo desde NYC. (Foto: James D Morgan / Qantas)

O primeiro voo comercial de longa duração sem escalas de Nova York para Sydney, feito com um 787-9 Dreamliner da companhia aérea australiana Qantas, aterrissou 19 horas e 16 minutos depois. Veja em imagens como foi este voo que serviu para analisar os efeitos sobre os tripulantes e passageiros.

A aeronave que partiu do aeroporto John F. Kennedy, em Nova York, às 21h27min (22h27min no horário de Brasília) de sexta-feira (18) aterrissou no aeroporto Kingsford Smith, em Sydney, às 7h42min de domingo (20) no horário local (18h42min do sábado, 19, no horário de Brasília). Ao todo, o voo percorreu 16.013 quilômetros.

Um total de 49 passageiros e tripulantes estavam no voo, que foi usado para realizar uma série de experimentos para avaliar a saúde e o bem-estar a bordo. Os dados dessas experiências serão utilizados para ajudar a moldar a lista de tripulantes e o atendimento ao cliente dos voos de longo curso da Qantas no futuro – incluindo o Project Sunrise.

Os testes variaram desde o monitoramento de ondas cerebrais dos pilotos, níveis de melatonina e atenção, até aulas de exercícios e alongamento para passageiros.

A iluminação da cabine e as refeições a bordo também foram ajustadas de maneira a ajudar a reduzir o jetlag, de acordo com pesquisadores e cientistas médicos que fizeram parceria com a Qantas.

Chegando em Sydney, o CEO da Qantas Group, Alan Joyce, disse: “Este é realmente um primeiro passo significativo para a aviação. Felizmente, é uma prévia de um serviço regular que acelera a maneira como as pessoas viajam de um lado do globo para o outro.

“Sabemos que os voos de longo curso representam alguns desafios extras, mas isso acontece sempre que a tecnologia nos permite voar mais longe. A pesquisa que estamos fazendo deve nos dar melhores estratégias para melhorar o conforto e o bem-estar ao longo do caminho.

“Os voos noturnos geralmente começam com o jantar e depois as luzes são apagadas. Neste voo, começamos com o almoço e mantivemos as luzes acesas pelas primeiras seis horas, para coincidir com a hora do dia em nosso destino. Isso significa que você começa a reduzir o jetlag imediatamente.

“O que já está claro é quanto tempo você pode economizar. Nosso serviço regular com uma escala, de Nova York para Sydney (QF12), decolou três horas antes do nosso voo direto, mas chegamos alguns minutos à frente, o que significa que economizamos uma quantidade significativa de tempo total de viagem por não ter que parar”, acrescentou Alan Joyce.

O comandante do voo da Qantas, Sean Golding, que liderou os quatro pilotos que operam o serviço, disse: “O voo foi realmente tranquilo. Os ventos contrários aumentaram da noite para o dia, o que nos desacelerou no início, mas isso fazia parte do planejamento do cenário. Dado o tempo em que estávamos no ar, conseguimos otimizar a trajetória de voo para tirar o melhor proveito das condições.

A aeronave operou com uma carga máxima de combustível de aproximadamente 101.000kg. O combustível projetado restante na aterrissagem foi de aproximadamente 6.000 kg, o que se traduz em cerca de 90 minutos de tempo de voo.

“Tínhamos muito interesse dos controladores de tráfego aéreo ao atravessarmos o espaço aéreo diferente devido à singularidade deste voo. Também recebemos um aviso especial e recebemos as boas vindas das torres de controle em Nova York e Sydney, que você não recebe todos os dias.

“No geral, estamos muito felizes com o andamento do voo e é ótimo ter alguns dados necessários para ajudar a avaliar a transformação desse serviço em um serviço regular”, disse o comandante Golding.

O voo foi operado por um novo Boeing 787-9, com o registro VH ZNI, chamado “Kookaburra”. Quatro pilotos estiveram em rotação durante o voo. Dois pilotos adicionais estarão na cabine, depois de voar a aeronave para Nova York. A experiência total de horas de voo na aeronave é de 67.000.

Mais dois voos de pesquisa estão planejados como parte das avaliações do Project Sunrise – Londres para Sydney em novembro e outra Nova York para Sydney em dezembro. O trajeto entre Londres, no Reino Unido, e Sydney deverá ter duração ainda maior, chegando a 20 horas e 30 minutos de percurso.

Espera-se uma decisão sobre o Projeto Sunrise até o final do ano. As emissões de CO2 de todos os voos de pesquisa serão totalmente compensadas.

PROJETO SUNRISE

Os voos diretos de Nova York e Londres para Sydney levarão cerca de 19 horas cada, sujeitos às condições do vento e do tempo. Os dados serão usados ??para informar todo o planejamento de voo do Sunrise, inclusive de Brisbane e Melbourne.

As aeronaves 787-9 Dreamliner se posicionarão a partir da fábrica da Boeing em Seattle, onde serão retiradas da linha de produção pelos pilotos da Qantas e voadas para seus pontos de partida de Nova York (para dois dos vôos) e Londres (para um voo). As cabines serão totalmente equipadas e prontas para entrar no serviço comercial normal.

Os voos ocorrerão em outubro, novembro e dezembro, em linha com as entregas programadas de aeronaves da Boeing.

Os voos terão até 40 pessoas (incluindo tripulação) a bordo e um mínimo de bagagem e serviço de catering para estender o alcance de 787-9.

Além da tripulação, os que estão na cabine serão principalmente funcionários da Qantas que participam dos testes. Nenhum assento será vendido, pois esses voos são apenas para fins de pesquisa.

Após os voos, cada aeronave entrará em serviço regular com a Qantas International – com apenas algumas milhas extras no relógio.

A Qantas opera o maior esquema de compensação de carbono de companhias aéreas do mundo. Esse mesmo programa será usado para compensar todas as emissões de carbono desses três vôos.

Nenhuma companhia aérea comercial já voou diretamente de Nova York para a Austrália. A Qantas já voou sem escalas de Londres para Sydney em 1989 para marcar a entrada em serviço do Boeing 747-400. Esse voo tinha um total de 23 pessoas a bordo e um mínimo de ajuste interno para fornecer o alcance. A aeronave, registrada VH-OJA, foi doada pela Qantas em 2017 para a Sociedade de Restauração de Aeronaves Históricas perto de Wollongong, Nova Gales do Sul.

Anúncios

2 COMENTÁRIOS

  1. Eu prefiro ficar 19h dentro de um avião e ir direto pra Sidney ou NY do que ter que fazer 2 ou 3 escalas levando 2 dias para chegar até o destino.

Comments are closed.