A aeronave A330 MRTT nas cores da RAAF durante testes de voo em Sevilha. (Foto: Airbus Military)
A aeronave A330 MRTT nas cores da RAAF durante testes de voo em Sevilha. (Foto: Airbus Military)

A Índia confirmou a escolha da aeronave de reabastecimento em voo Airbus A330 MRTT sobre a russa Ilyushin Il-78 num contrato de aproximadamente US$ 1,55 bilhão para seis novas aeronaves. A EADS (European Aeronautics Defence and Space Company) agora está sendo chamada para participar das negociações comerciais finais com o Ministério de Defesa indiano.

O contrato atual prevê a assinatura dentro do ano fiscal 2013-14, já que as negociações comerciais com a EADS ainda deve durar um certo tempo. Além disso, houve um corte massivo de US$ 1,82 bilhão no orçamento de defesa indiano para o ano fiscal em curso.

As duas aeronaves de reabastecimento em voo, a russa IL-78 e o A330 MRTT tinham passado nos testes de avaliação realizados pela Força Aérea da Índia, mas o avião europeu surgiu a opção mais barata na avaliação comercial feita na sequência. A aeronave A330 MRTT saiu como melhor proposta (L1) por conta do custo menor de ciclo de vida.

A Força Aérea da Índia atualmente opera seis aeronaves IL-78s, desde 2003-04, e está visando implantar mais seis novas aeronaves tanques a partir de 2017 para aumentar ainda mais suas capacidades de “alcance estratégico”.

As aeronaves devem ser implantadas em Panagarh, Bengala Ocidental, para ampliar o alcance impressionante de seus jatos de combate mobilizados ao longo da fronteira nordeste com a China. Com reabastecimento, os caças Su-30MKI, baseados em Tezpur e Chabua, em Assam, podem atingir alvos no coração da China.

Um concurso anterior para a aquisição destas aeronaves foi desfeito em 2010, após o Ministério da Fazenda levantar dúvidas sobre o procedimento de aquisição.

Iniciamos o ano de 2013, e eu gostaria de desejar um maravilhoso ano para nossos leitores e amigos. Aproveito para solicitar mais uma vez a ajuda de todos com as contribuições para o site, que ajudam muito nas despesas de hospedagem. Para contribuir, utilize as formas de pagamento online abaixo ou nos botões localizados na barra lateral. Quem quiser também poderá doar através de depósito na conta corrente: Banco do Brasil – Agência: 0181-3 – C/C: 12.742-6 – Favorecido: Fernando Valduga. Desde já meu muito obrigado!




Enhanced by Zemanta
Anúncios

11 COMENTÁRIOS

  1. Os russos vem tomando ferro, concorrência após concorrência na Índia..

    Daqui a pouco vem o Rustam dizer que é mentira, que o PIGski quer prejudicar os russos, que os russos venceram e bla bla bla bla bla

    No fim virá a confirmação oficial de mais um fiasco.

    • O que os indianos querem é nao serem dependentes de um só fornecedor, isso é bem conhecido. A Rússia ainda é o maior exportador de armas para a índia e eles sao parceiros em vários projectos.

      • Eu disse o contrário ?

        Somente estão tomando ferro em todas as concorrências que fazem contra material ocidental..

        • Caro Senhores,
          .
          Comprar armas também é fazer política.
          .
          Ao avaliarem estes contratos de armas pela Índia, não deixem de levar em conta o atual cenário geopolítico na região.
          .
          Se a Rússia ainda é o maior fornecedor de armas para Índia, também ô é para a China.
          .
          Militarmente a China esta se tornando o que é grassa a quem?
          .
          Pois bem, Todos nos sabemos das rivalidades entre China e Índia.
          .
          O que a Índia tem feito nos últimos contratos é mandar um recado para Rússia.
          .
          Em política internacional, enviar mensagens como a destas últimas concorrências é uma atitude bastante contundente, principalmente em se tratando do seu maior fornecedor de armas.
          .
          Não é sem causa que em 24/12 o Presidente Vladimir Putin deu início, a uma visita oficial à Índia tendo como pauta os laços econômicos, a política energética e – ‘multibilionários projetos conjuntos de defesa’ — entre a Rússia e o Estado indiano.
          .
          Engana-se quem olha estes contratos de uma perspectiva puramente técnica.
          .
          A Índia esta é jogando, e diga-se “en passant”, com muita astucia.
          .
          Saudações,
          .
          konner

      • "O que os indianos querem é nao serem dependentes de um só fornecedor"

        Acho que é mais do que isso.
        Em todas as concorrências que os ocidentais venceram como P-8, C-17, C-130, Apache, Rafale, Chinook e o A-330 ficou bem claro que as escolhas foram por motivos técnicos.
        Os ocidentais, mesmo com produtos muito mais caros, superaram as ofertas russas oferecendo aeronaves com mais qualidade, eficiência e até economia.

          • Fabrizio
            Joao Paulo caruzo = JPC
            so ven nese blog pra flar coisa contra Mae Russia
            comentario como ese dele nao de asusta
            tao pouco a Desnformacao dele

  2. Nossa que salada de fruta é essa India, essa conversa de que a índia não quer se comprometer com um só fornecedor não cola pra mim não, pra mim, leva é que faz forte lobby e pra quê eles vão fechar as portas pra um futuro lobby?

    Lá a corrupção deve ser até maior que aqui.

    Por falar em reabastecedor, e os da fab?? ahahahaha

  3. E o nosso RFP para dois abastecedores continua ON HOLD…

    No limbo….

    Foi publicado e nunca mais houve nenhuma notícia dele…

Comments are closed.