A Índia escolheu o norte americano Boeing AH-64D Apache como novo helicóptero de ataque de sua força aérea.

Através de um comunicado oficial divulgado hoje, o Ministro de Defesa da Índia, AK Anthony confirmou que a Força Aérea Indiana escolheu o Boeing AH-64D Apache Block III como novo helicóptero de ataque. No comunicado emitido pelo Parlamento indiano, também foram informadas as questões sobre peças chinesas em componentes nas aeronaves P-8I e sobre a liberação para o Exército da Índia ter seu próprio helicóptero de ataque, que possivelmente será também o Apache.

No comunicado foi dito que a Força Aérea da Índia está adquirindo os helicópteros de transporte pesado CH-47F Chinook (conforme notícia divulgada aqui) e helicópteros de ataque AH-64D Apache Block III da norte americana Boeing. Nas duas propostas distintas iniciadas pela Força Aérea Indiana para a aquisição de 15 helicópteros de transporte pesados e 22 helicópteros de ataque, a Boeing com seus helicópteros emergiu como fornecedor L1 para as duas competições. A aceitação de custo necessário para os 15 helicópteros Chinooks e 22 Apaches é de US$ 454 milhões e US$ 569 milhões, respectivamente. No entanto, o custo final dos contratos dependem de resultado da negociação com o fornecedor L1.

Sobre a solicitação do Exército da Índia para ter seu próprio helicóptero de ataque, o governo disse que a decisão para futuras aquisições ficará a cargo do próprio exército, baseadas nas necessidades operacionais no campo de batalha. Conforme relatado anteriormente, o exército indiano estaria interessado em adquirir também helicópteros Apache dos EUA.

O ministro da defesa também emitiu uma declaração sobre uma questão se peças defeituosas fabricadas na China teriam sido colocadas em aeronaves de patrulha marítima Boeing P-8I.

A informação passada é que o governo indiano está sendo mantido informado sobre o assunto, e que embora tenham sido encontradas peças em aeronaves P-8A Poseidon da Marinha dos EUA, as aeronaves P-8I da Índia ainda não foram entregues, e adicionou que nas aeronaves C-130J entregues até agora não foram encontradas peças danificadas e/ou falsificadas. Além disso, a Força Aérea Indiana recebeu uma lista de fornecedores do governo dos EUA com relação aos aviões adquiridos dos EUA, e nenhum dos fornecedores foram considerados fabricantes chineses.

As informações são do Ministério da Defesa, via LiveFist.

Agradecemos as contribuições até o momento. Graças à colaboração de algumas pessoas estamos conseguindo manter o site no ar, pois o valor necessário para manter o Cavok no ar é alto. Continuamos pedindo a ajuda de todos com as contribuições, que podem ser de qualquer valor. Se cada um ajudar um pouco, poderemos assim manter esse local como o melhor site de aviação do Brasil. Continuamos também lutando para conseguir um patrocínio, que ajudaria bastante nas despesas mensais do site. Para contribuir, utilize as formas de pagamento online abaixo ou nos botões localizados na barra lateral. Quem quiser também poderá doar através de depósito na conta corrente: Banco do Brasil – Agência: 0181-3 – C/C: 12.742-6 – Favorecido: Fernando Valduga. Desde já meu muito obrigado!




Enhanced by Zemanta
Anúncios

13 COMENTÁRIOS

  1. Oooo vontade de ver o Exército dotado dessas máquinas! Seria fantástico, e pra quem acredita que somos ameaçados por nossos vizinhos, no mínimo intimidador. A Índia acertou na mosca com essa compra.

  2. A Noticia Poderia ser>> Brasil escolheu o norte americano Boeing AH-64D Apache como novo helicóptero de ataque de sua força aérea. Sonho meu…

  3. Os interesses dos Estados Unidos exigem uma relação mais forte com a Índia.
    .
    O interessante é que temos visto de forma bem clara, que a Índia tem se mostrado receptível a isso, talvez devido ao cada vez maior papel [gigantismo ‘militar’] geopolítico da China, em quem a Índia nunca depositou confiança, fato este devido no passado e ainda no presente, a China sempre ter fornecido ao Paquistão muitas armas e, historicamente, pelo menos os indianos são convictos disto, foi pelas mãos da China que o Paquistão desenvolveu seu programa nuclear.
    .
    A Índia continua em busca de hegemonia regional e influencia global. Assim, laços mais fortes com os Estados Unidos contribuiriam para sua ‘estatura’ [poder] como participante da cena mundial. [cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU]
    .
    Creio eu que, ainda está por acontecer que os Estados Unidos desenvolvam uma parceria –‘maior’, que beneficiará ambas as partes, – meta implícita da atual administração dos Estados Unidos e das administrações anteriores ao estenderem a mão à Índia como tem feito ultimamente.
    .
    Como delineado na estratégia de segurança nacional dos Estados Unidos, os Estados Unidos empreenderam uma transformação em suas relações bilaterais com a Índia, baseados na convicção de que os interesses dos Estados Unidos naquela região frente ao gigantismo da China – exige uma relação forte com a Índia.
    .
    Assim, os Estados Unidos fariam bem em fortalecer seus laços com uma Índia mais robusta e já dotada de capacidade nuclear.
    .
    A Índia, que sempre teve na URSS/Rússia, seu maior aliado no fornecimento de armas, passa nitidamente a buscar maior alinhamento comercial militar com os EUA.
    .
    Desta forma, ambos têm seus interesses satisfeitos em relação ao despontar como potencia/ator regional e mundial da China.
    .
    Saudações,
    .
    konner

    • Verdade. Ótimo comentário. A India vem crescendo e desenvolvendo sua industria bélica a ponto de ser um dos únicos paises da região com capacidade para bater de frente com os chineses. Além disso, ao contrario da China que tem aumentado as desavenças com seus vizinhos, os EUA tem investido nas alianças com esses mesmos países “cercando” os chineses.

  4. Bem, depois do todo poderoso Mi-26 ter perdido a competição de helicópteros pesados para o CH-47F, parece que agora é a vez do todo poderoso Mi-28N perder mais uma – confirmada oficialmente. E o mais interessante é que os desmentidos da Rosoboroexport – contra a Imprensa mundial! – não têm servido de nada.

  5. Cuidado Afonso, muito cuidado, ou as brigadas "Trotskistas" vão querer te mandar para o gulag. Isot deve ter sido mais uma manobra do PIG e "duzamericanu" para defenestrar os produtos da "Mãe Russia"

    Grande abraço

    • mas diz aí, agora, os Indianos sabem ou não sabem o que querem? sim, pois a cantilena dos antifrancos, quando da escolha do Rafale no MMRCA era: "corrupção", "os indianos não sabem o que querem"… só detonação dos caras… e agora que escolheram outro Boeing? sim, teve o C-17… vão falar o quê!?… e tem gente, pela má fé, que deveria "tirar umas férias" nos gulags, e como tem…

  6. Enquanto eu vejo países modernizando Suas Forças aéreas pelo mundo a fora , comprando novos caças, helicópteros…tudo em grande numero, e olha que tem pais que não tem nem 10% do tamanho do nosso Território, muito menos o tamanho nosso PIB, mais eles compram porque sabem que hoje amigos….amanha INIMIGOS, realidade é essa… O Mundo vive numa instabilidade total, prova disso são essas guerras que do nada acontecem…Como relatado em reportagens anteriores, não temos meios de defesa nem para um dia de guerra… e nem vem me dizer que a América Latina é Pacifica!. Longe disso! ..Em resumo, não temos nem metade do que realmente deveríamos ter para nossa defesa Básica! #minha opinião.

    • FoxDelta não se tenha assim em tão grande conta nem a Índia em tão pouca.

      A Índia tem pouco mais de 3,2 milhões de quilómetros quadrados e o Brasil 8,5. Assim como tem um PIB de 1.8 biliões (triliões na nomenclatura brasileira) face aos 2.2 do Brasil. Mas isto são valores absolutos e eles valem o que valem. Como por exemplo a Índia ter a maior classe média do Mundo…

      Se a Índia tivesse os mesmos 11 mil dólares de PIB per capita do Brasil, com a sua população de 1,2 mil milhões, há muito que a economia indiana tinha passado a do Brasil, na lista de países com as maiores economias (valores globais). Aliás, no futuro, é o que vai acontecer, com a Índia a crescer actualmente a taxas superiores a 6%, e o Brasil a abrandar para 2%.

      • Não Falo nem tanto pela comparação do PIB, falo pela falta de consideração que nossos governantes tem pela nossas FORÇAS ARMADAS.
        E o que faz o Brasil ficar com essa economia tão estagnada e com ritmo de crescimento tão lento, são os altos impostos que pagamos.

        • Não creio que sejam os volume dos impostos, mas o mau uso dos impostos e a péssima infraestrutura, que dificulta a exportação.

          Além do chamado "Lucro Brasil", em que um carro produzido aqui por R$ 11.000,00 (já com impostos) é vendido a R$ 28.000,00 aqui e apenas R$ 15.000,00 na Argentina.

          Redução de impostos é muito legal na teoria. Na prática, vai ter empresário (quase todos) usando a diferença pra aumentar os lucros (maior Lucro Brasil). Em contrapartida os serviços prestados pelo governo à população vão sofrer cortes pesados, pois a arrecadação vai ser menor.

  7. Como anda o placar entre Russia X EUA X França na Índia nos últimos anos em relação a venda de material militar??!!

Comments are closed.