O novo jato de treinamento IA-63 Pampa III da FAdeA.

A Índia e a Argentina assinaram um Memorando de Entendimento (MoU) para a Cooperação em Defesa entre os dois países no final das negociações bilaterais entre o Primeiro Ministro Narendra Modi e o Presidente da Argentina, Mauricio Macri. O jato de treinamento IA-63 Pampa está entre os planos de cooperação entre os dois países.

Sob o MoU, espera-se que os ministérios de ambos os lados explorem as vias de trabalho em conjunto. A Argentina está procurando incentivos para restaurar suas forças militares. Com um pouco de pensamento inovador, ambos os países podem cooperar para o benefício mútuo. O jornal indiano Financial Express disse que ambos os países poderiam explorar aeronaves de treinamento em desenvolvimento para suas Forças Aéreas sob este esquema.

Fontes que uma delegação de alto nível do Ministério da Defesa da Índia deverá visitar Buenos Aires no próximo mês para explorar as possibilidades de cooperação nesse setor.

A Argentina tem o jato de treinamento IA-63 Pampa, e isso poderia oferecer uma oportunidade para ambos os lados trabalharem juntos, disse o ministro.

O memorando na área de defesa tem uma natureza muito ampla e cobrirá questões relacionadas ao intercâmbio de funcionários, treinamento do pessoal das Forças Armadas e cooperação em joint ventures para equipamentos militares e operações de manutenção da paz.

As empresas comerciais foram encorajadas a entrar em arranjos para co-desenvolvimento e co-produção de equipamentos de defesa na Índia, incluindo a transferência de know-how e tecnologias.

Como foi relatado anteriormente, ambos os países têm uma base industrial de defesa nacional bem desenvolvida e há espaço significativo para oportunidades de ambos os lados trabalharem com aeronaves de treinamento, aviões de transporte, submarinos e armas de pequeno porte.

As empresas de defesa da Argentina, incluindo a Fabrica Argentina de Aviones (FAdeA), a Astillero Ro Santiago, a CITEDEF, a INVAP SE, a Tandanor e a Direccion General de Fabricaciones Militares estão interessadas em explorar o mercado indiano.

Ao longo das décadas, através de uma combinação de produção licenciada de desenhos estrangeiros e algumas pesquisas e desenvolvimento nacionais, essas empresas produziram o tanque médio TAM, o avião de combate Pucara, o jato de treinamento Pampa e a corveta MEKO 140A16.

Existe um enorme espaço para a produção conjunta, desenvolvimento conjunto e suporte de manutenção e capacidades de revisão. A Argentina precisa desesperadamente de reformas e modernização da defesa. Este é particularmente o caso de sua Força Aérea.

Os caças Mirage da Argentina foram desativados em 2015, criando uma lacuna para novos aviões de combate. a Força Aérea Argentina manifestou interesse em encomendar 20 aeronaves JF-17/FC-10 Thunder, enquanto a Marinha planeja adquirir cinco unidades de corvetas P18 chinesas. Com o país enfrentando turbulência econômica, a decisão de compra foi adiada, aparentemente sem data futura.


Fonte: Financial Express – Edição: Cavok

Anúncios

17 COMENTÁRIOS

  1. "Usargentinos" doidos por ter uma aviação de caça e levando porta na cara… Já imaginaram eles aparecerem com 1 ou 2 esquadrões de Hal Tejas ? Pampa III ajudando a obter dos indianos alguns lotes… Não vi componentes britânicos no caça que poderiam embargar alguma compra pelos argentinos do caças leves dos indianos. Se souberem de algo me corrijam por favor.

    • Tejas tem uma miscelânea de tecnologias ocidentais, fora isso você tem a Índia fazendo o possível para ter todo o apoio possível do ocidente por conta da China e Paquistão….por último temos os cofres vazios dos argie que sacramenta a questão ….

  2. Imaginem uma argentina apinhada de Tejas Mk.1 … 😀

    Pelo menos a Índia poderá fazer uso de um genérico do Alpha Jet — no lugar do Sitara.

  3. Parece viável, pois com os problemas do HAL HJT-36 Sitara a India necessita de um jato com relativa urgencia para substituir os HAL HJT-16 Kiran.
    Como eles já compraram mais de 20 motores Saturn/UMPO AL-55I non-afterburning turbofan, 21.6 kN (4,900 lbf) para os Sitara é bem possível que se aproveite o Pampa "make in India" com motores russos no lugar do Honeywell americano.
    .
    Kiran: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/
    .
    Sitara: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/th

  4. Espero que não seja mais uma daquelas cartas assinadas que tem efeito prático = zero, ou seja, desperdício de papel e tempo e excesso de marketing e palavras ao vento.

  5. Pois é, parece que a Argentina acusou o golpe e jogou a toalha. Já era.

      • Na desídia do governo Macri e seus Generais em direcionar os seus esforços para comprar ums caças de primeira linha. Assim, continua um país sem força aérea e sem perspectiva de proteção de aviação de caça no
        seu território. Totalmente inepto igual aos desgovernos anteriores, digo no âmbito de força aérea.

  6. Não tem outra opção na mesa para Argentina, incrível como um país que já foi considerado um pedaço da Europa na América do sul chegou a esse ponto. Tudo por conta dos políticos populistas.

    • Pensei exatamente a mesma coisa. E pra Argentina seria melhor que nada.

  7. A Argentina não tem nada para oferecer para a India. O Pampa e uma aeronave ultrapassada. Seu projeto tem mais de 40 anos. Não teve atualizações. Sua avionica e obsoleta. Nenhum país do mundo comprou o Pampa. Mesmo para as forças armadas argentinas foram fabricados poucos. Não tem nada no Pampa que a India não saiba fazer. Para mim isso e como a construção do trem bala no Brasil. Da manchetes em jornal, fica na midia uns 30 dias e depois nunca mais aparece.

    • O Pampa está na terceira atualização de aviônica, agora com pacote Elbit atual e o segundo motor, um Honeywell mais atual com melhor manutenção e maior TBO.
      Como tem 40 anos sem atualização???
      E é exatamente o que a India precisa para substituir seus velhos HAL HJT-16 Kiran, um jato para usar na sequencia do Pilatus PC-7 mk2.

      • Que tipo de atualização foi feito nesses 40 anos??? Foi mais cosmetica do que outra coisa. O Pampa teve muita midia mas de efetivo quase nada foi feito. So trocou de motor pq o que usava saiu de linha de produção. Em quantos Pampas o novo cockpit foi colocado?

Comments are closed.