Aeronave envolvida no acidente, prefixo PK-LQP. (Foto: CanAmJetz/Flickr)

A agência de busca e resgate da Indonésia (BASARNAS) informou pouco antes da meia-noite (horário de Brasília), que o voo JT610 da Lion Air, um Boeing 737 MAX 8 que havia decolado de Jacarta por volta das 6h10, horário local, na segunda-feira, 29 de outubro (às 23:10 de domingo, 28 de outubro UTC) caiu no mar, 13 minutos após a decolagem. A agência confirmou que 188 pessoas estavam a bordo.

Foi confirmado que ele caiu“, disse Yusuf Latif, porta-voz da agência para agência Reuters, quando questionado sobre o destino do avião da Lion Air. O contato do radar com a aeronave transportando 178 passageiros, dois bebês e uma criança, bem como dois pilotos e cinco comissários de bordo foi perdido a cerca de 35 milhas náuticas a nordeste de Jacarta sobre o Mar de Java.

O avião estava programado para chegar ao Aeroporto Depati Amir, na cidade de Pangkal Pinang, Indonésia, às 7h20min (hora local). No entanto, a aeronave perdeu o contato logo após decolar, de acordo com relatos da mídia local, com um funcionário da companhia acrescentando que um barco rebocador deixando o porto da capital viu a aeronave cair. O jato era um Boeing 737 MAX 8, prefixo PK-LQP, de acordo com o Flightradar 24. 

Não podemos dar nenhum comentário neste momento“, disse Edward Sirait, diretor executivo do Lion Air Group. “Estamos tentando coletar todas as informações e dados.” A companhia ainda não divulgou uma nota oficial.

Os primeiros barcos de resgate já estão no local do acidente e os primeiros destroços já foram localizados.

Podemos confirmar que um de nossos voos perdeu contato”, disse o porta-voz da Lion Air, Danang Mandala Prihantoro. “Sua posição não pode ser determinada ainda.”

A aeronave Boeing 737 MAX 8 “PK-LQP” voou pela primeira vez em 30 de julho e foi entregue à Lion Air em agosto deste ano. A Lion Air opera 11 aeronaves 737 MAX 8s. A Boeing informou que recebeu as informações do acidente e está acompanhando a situação.

O Lion Air Group foi estabelecido em novembro de 1999 e começou a operar em junho de 2000, com voos de Jacarta para Pontianak. O grupo cresceu rapidamente e agora opera cerca de 183 rotas e mais de 100 aeronaves. A maioria de seus aviões de corredor único são 737NGs, mas começou a receber 737 MAXs re-motorizados. A empresa fez grandes encomendas de MAX 8s e -9s e também foi um cliente inicial do MAX 10. O Grupo também fez grandes encomendas de aeronaves da família Airbus A320neo.

Anúncios

17 COMENTÁRIOS

  1. Uma aeronave novíssima e já possivelmente caiu por problemas técnicos. Meus sentimentos aos familiares pela perca de seus entes queridos que são mais importantes quê qualquer avião.

    • Você já investigou o acidente para saber se foi por problemas técnicos? Obvio que não!

      Tudo isso é recalque porque o SSJ-100 não vende?

      • Primeiramente na Rússia eles visam o mercado interno e se for pra eles produzirem uma aeronave 100% russa eles vão fazer e essa meta que tão em busca para não depender de ninguém é fugir de sanções e embargos. É só uma questão de tempo até eles conseguirem ter todos os componentes de seus aviões e helicópteros e estão investindo na sua indústria para terem a auto-suficiência no setor aeronáutico e com isso venderem suas aeronaves para países embargados pelo império de Hollywood. Todos estão falando de um possível problema técnico que pode ter sido a causa desse acidente.

        • Por isso é que não dá certo, não há dinheiro para pesquisa e as aeronaves russas são inferiores. Tudo nacional, mas 20 anos atrasado.

          • Não a dinheiro pra investimentos no setor aeronáutico russo?? O projeto MC-21 está em pleno andamento e o motor PD-41 e o PD-35 para aeronaves de médio e longo alcance. 2 protótipos da iliushin estão sendo construídos e devem voar ano que vem. O Superjet 100 continua sendo aperfeiçoado e em breve terão uma aeronave totalmente com componentes russos.

            • E quem vai comprar o MC-21, os motores PD-14 e PD-35 e o SSJ-100 fora da Rússia? Fora o Irã e os países xexelentos ninguém…

            • Isso mesmo. O estado coloca uma merreca. Não vende. O estado coloca uma merreca. Não vende. Um ciclo sem fim.

        • "Todos" resume-se a Sputnik e afins, que distorceram uma declaração da empresa segundo a qual o aparelho teria tido na semana anterior um problema mecânico mas que o mesmo teria sido resolvido.

          No mais, os países que sofrem embargo de Washington ou são fascistas (Irã) ou xexelentos mesmo. Ou seja, o mercado é bem restrito.

            • Ninguém viu o Rei saudita até hoje apregoar que um país deve ser “riscado do mapa” e tampouco um ministro da defesa da Casa de Saud estar no alerta vermelho da Interpol…

            • Um problema só dos sauditas.O problema da ditadura russa é a exportação fascista.

  2. estranho esse gráfico, perdeu altitude com 8min e depois ganhou velocidade , dai entrou em queda.

    será que entrou em stall ? mas com 300kts relativo ao solo… só se estivesse pesado e tivesse muito vento, como estavam as condições climáticas ?

    será mesmo problema do airbus do controle do leme travado ?

  3. No dia anterior a aeronave atrasou 3 horas para sair de Denpasar (DPS), o aparelho sempre estava atrasado.

    estranho que no último voo a areonave teve algum problema com os motores, podem ver , nessa mesma altitude..

  4. Se não me engano, ano passado houve uma ordem da Boeing de todos 737 Max serem groundeados por problemas nos motores.
    Pena pelas vidas perdidas.

  5. Ta feio o negocio pra essas bandas, só avião caindo. Deve ser falta gente capacitada, pilotos, mecanicos, etc.

    • Coincidência ou não a empresa esteve impedida durante muito tempo de voar para a Europa e também sofreu punições na própria Indonésia.

Comments are closed.