Caças F-15I “Ra’am” da Força Aérea de Israel.

A Força Aérea de Israel (IAF) deve decidir nos próximos três a seis meses entre a compra de um terceiro esquadrão de jatos F-35I “Adir” ou adquirir mais um esquadrão de F-15I “Ra’am” da Boeing.

De acordo com o The Jerusalem Post, com a maior parte dos aviões de Israel com mais de 30 anos, a IAF está modernizando seus esquadrões de caças e helicópteros antigos para se manter à frente do aumento das ameaças no Oriente Médio.

A Força Aérea de Israel já recebeu 12 jatos furtivos F-35I “Adir” construídos pela Lockheed Martin e deverá receber um total de 50 para criar dois esquadrões completos até 2024.

Embora a carta de intenções original assinada entre Israel e a Lockheed Martin fosse para 75 aeronaves, a IAF está atualmente decidindo se deve comprar mais 25 F-35 ou se comprará um esquadrão de avançados jatos F-15I construídos pela Boeing.

No primeiro acordo, Israel comprou 19 F-35s a um custo de US$ 125 milhões por avião, e uma segunda transação de 14 jatos viu Jerusalém pagar US$ 112 milhões. cada. O custo do avião deve cair para cerca de US$ 80 milhões até 2020.

“O plano é reduzir os custos de jatos de quarta geração para um avião de quinta geração”, disse Orlando P. Carvalho, vice-presidente executivo da divisão de Aeronáutica da Lockheed Martin na segunda-feira.

De acordo com Carvalho, enquanto nada ainda foi assinado ou oficialmente encomendado por Israel, a frota final poderia incluir derivados do F-35B que é pilotado pelo Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA.

Israel manifestou interesse no passado em adquirir o F-35B, que é capaz de pousar e decolar verticalmente, uma opção que permite que o jato pouse em pistas mais curtas se as bases da IAF forem atacadas por jatos iranianos ou mísseis do Hezbollah.

“Israel sempre comprou recursos de ponta”, disse ele, acrescentando que a Lockheed Martin está sempre olhando para onde pode aumentar as capacidades do F-35, como novos sensores e sistemas de armas como a bomba guiada de precisão SPICE de Rafael.

Israel também é o único país fora dos Estados Unidos que conseguiu garantir os direitos de operar o cérebro do avião – o Sistema Autônomo de Informações de Logística (ALIS) – e adicionar seu próprio software a ele.

A IAF também está preparada para receber um F-35 adicional em 2020, que está sendo fabricado de acordo com as especificações israelenses, tendo um conjunto especial de instrumentação de teste a ser usado para melhorar as capacidades do esquadrão durante as operações. O jato deve funcionar como uma aeronave de teste para as modificações que Israel faria no avião.

Embora seja considerado um dos jatos de combate mais avançados do mundo, a aeronave furtiva é limitada nas armas que pode carregar, já que elas precisam ser armazenadas em compartimentos internos para manter uma baixa assinatura radar.

O modelo F-15 que Israel está interessado em comprar é capaz de transportar grandes quantidades de vários tipos de munições, sistemas de radar avançados e várias outras atualizações para os modelos anteriores. Como não é um avião furtivo, a Boeing projetou suas asas para poder carregar bombas e mísseis adicionais.

O F-15 da Boeing também deve ser mais caro do que o atualmente caro F-35 da Lockheed, que custa cerca de US$ 110 milhões por avião.
Além dos jatos de combate, a IAF também está atualmente decidindo entre os helicópteros pesados ??Boeing CH-47 Chinook e Lockheed Martin CH-53K King Stallion.


Fonte: The Jerusalem Post

Anúncios

13 COMENTÁRIOS

  1. É estranho, com um avião de 5 geração operacional e a cada dia aumentando as capacidades, eles estão investindo pesado em um de 4 geração( F15L) que, ainda por cima custará mais caro. Aí fica a pergunta: Será que estes aviões furtivos são essa maravilha toda, ou são como carros de F1, que só servem para correr em autódromos preparados?

    • Capacidades complementares amigo….

      O F-35 oferece a furtividade, a consciência situacional e sensores de capacidade de ataque com maior precisão. Por outro lado o F-15I oferece grande capacidade de carga bélica a grande alcance.

    • O problema é que o F-35, mesmo com armamento externo não consegue carregar a mesma quantidade de armas que um F-15.

    • Como diz no antepenúltimo parágrafo, logo acima da última foto, o F-35 leva uma quantidade limitada de armas nos compartimentos internos. O F-15 levando muito mais armas pode ter uma atuação complementar depois do F-35 limpar a área de ameaças como SAMs, ou pode atuar com toda a sua grande capacidade ofensiva em cenários nos quais um caça furtivo não seja necessário.

  2. Bratels.
    Duas questões:
    1) Essa tecnologia não é isso tudo,
    2) Para Israel, o preço tanto faz como tanto fez.

    • Xings,
      Duas questões:
      1) Todo mundo quer.
      2) Vc não sabe como isso funciona.

    • Tudo isso que você está sentindo Xings é dor de cotovelo afinal:

      – Israel voa com seus F-35 e F-15 impunemente sobre a Síria matando os prepostos da teocracia fascista de Teerã e;

      – o Su-57 empaca e o J-20 sequer tem motores definitivos.

      Mas tome cuidado, esse sentimento faz mal ao coração…rs!

    • "essa tecnologia não é isso tudo"

      Na opinião de quem?

      Deve ser por isso que o mundo inteiro copia, inclusive os russos e principalmente os chineses.

    • "Essa tecnologia não é isso tudo"
      Tem razão, bom mesmo é o Kowsar-88 do seu país preferido.

  3. Minha opinião: A IAI vai formar esquadrões mistos, com 6 a 8 F-35 o restante com F-15, assim cada unidade terá condições furtivas de penetrar em espaço hostil, anular as defesas antiaéreas e postos de comando, então as outras unidades, com mais armamento vão para o ataque total.
    Vai dar mais trabalho a manutenção de esquadrões mistos ? Sim, claro, mas cada unidade poderá agir independentemente, anulando o inimigo com mais capacidades.

  4. Novos F-15 podem ser até mais caros, mais a manutenção será mais barata e a disponibilidade maior que o F-35. Sendo que o fator de disponibilidade e mais carga pesam a favor do F-15. Apesar que dinheiro não é problema pro Tio Jacob. Mais a tática de Israel será usar o F-35 como uma plataforma de ataque as defesas aéreas e abrir espaço para o F-15 detonar geral com o armamentos ou combustíveis extras que carrega.

  5. F35 não caça para dogfight e IAF sabe disso. Tem que ter um caça para isso e do ocidente esse é o melhor. Podia ser um F-15SE para saber o grau de stealth deste

Comments are closed.