Israel vai vender caças F-16A Netz com pacote de atualização. (Foto: IADF)

Normalmente rivais, a Elbit Systems e a Israel Aerospace Industries (IAI) estão cooperando em um pacote de atualização para velhos caças Lockheed Martin F-16A.

Israel aposentou seus caças F-16A “Netz” no início deste ano e agora está procurando vender o inventário de 40 unidades, que seria amplamente modernizado pelos parceiros.

Nenhum detalhe sobre as atualizações foi revelado, mas a Força Aérea Israelense (IAF) já atualizou sua frota de caças F-16C/D sob a iniciativa “Barak 2020“.

As aeronaves ganharam aviônica moderna e aprimoramento do sistema de missão, bem como um reforço estrutural.

As modificações só começarão quando um cliente tiver assinado para a aquisição do caça.

Os caças F-16A Netz estiveram no serviço israelense desde 1980, mas mais recentemente foram empregados como aeronaves agressoras para missões de treinamento.


FONTE: FlightGlobal

Anúncios

18 COMENTÁRIOS

  1. Uns 12 desses no Brasil iria ser legal de se ver ( sim, eu sei que tem a manutenção que nosso orçamento é precário e devem estar só o "pó da rabiola ) se os argentinos não estivessem tão mal das pernas, certamente seria bom negócio para eles.

    • Seria uma boa, afinal faz parte do processo a empresa amiga do comando, enfim, seria um esquema que a fab adora….

  2. Quem comprar tem que fazer como o Chile que contratou a Daedalus que dava manutenção aos F-16 A/B MLU na Holanda e abriu uma filial no Chile em parceria com a Enaer.
    No caso destes F-16 Netz vai precisar de uma parceria com a IAI/Elbit.
    . http://www.f-16.net/f-16-news-article4282.html
    .
    O Cavok publicou sobre esta modernização, mas uma versão da ENAER publicada pelo Jornal El Mercurio omitindo o trabalho da Daedalus holandesa.
    . http://www.cavok.com.br/blog/imagens-primeiro-f-16-modif...

  3. Elbit Systems e a Israel Aerospace Industries ja participam junto de outro projeto, são as proprietárias dos Grob G-120A-I terceirizados usados na instrução primária e básica de Israel.
    Foto deles onde da para ver que usam matrícula civil e o simbolo da Elbit.
    . http://www.airliners.net/photo/Elbit-Systems/Grob

  4. Se modernizarem muito, já fica difícil para os argentinos comprarem. Para quem nada tem, seria um salto gigante, mas jamais os britânicos permitiriam o negócio. Também, ficariam "caros". F-16 modernizados por essa parceria com certeza seriam vetores muito difíceis de serem batidos.
    Por outro lado, seriam perfeitos para Colômbia, Uruguai, Paraguai. Obviamente, não os 40. Mas seria interessante saber quantos bipostos estão disponíveis nesse lote, pois isso pode dizer o quanto ele pode ser dividido.

  5. Mas o questionamento que fica é: quem raios comprou/sinalizou possibilidade de compra para estes aviões? Quantas unidades? Os 40 mesmo?

    Alguém tem algum palpite? Boa noite a todos

  6. O F-16 deveria ter sido o avião da FAB a duas ou três décadas, estaríamos muito bem até hoje!

  7. Eu gosto dos F-16 mas a Força Aérea Israelense usou e abusou desses aviões, será que compensa mesmo investir em um usado tunado?

  8. a FAB recusou o F-16 por esse ter o bocal da turbina sugar tudo na pista se essa não for limpa. Quem tem o F-16 tem que passar um aspirador de detritos na pista no pouso e decolagem. o F-16 é para ricos e Venezuela tem alguns.
    A Modernização para vender usado com tantos anos de serviço é quem for otário. Romênia recebeu os F-16 da Portugal em doação.

    • Os F-16 não são tão problemáticos em relação a este problema de sugar detritos a muito tempo.
      .
      A modernização é acompanhada de grande revisão onde são recuperados qualquer problema maior, Israel aposentou muitos F-16A/B e colocou estes 40 a venda por estarem em condições de serem modernizados.
      .
      A Romenia comprou os F-16 de Portugal e pagou caro, pois foram modernizados para a entrega, diferente dos F-16 MLU que o Chile comprou que tinham modernizações antigas.

    • Se fosse assim nenhum Boeing 737 teria operado no Brasil! Além disso ele é bem alto para os padrões!

  9. Embora essas células devam ter no máximo mais uns 10 anos, na boa, se esses aviões tiverem a capacidade BVR, não gostaria de ver nas mãos dos argentinos.

    • Acho que a Argentina não teria condições, além da Inglaterra fazer uma gritaria ..
      Mas você se refere a questão de a Argentina se aventurar novamente nas Malvinas ou no Brasil?

    • GIO é o contrario nos temos que torcer por uma ARGENTINA FORTE dai talves so talves a cambada da republica de vera cruz acorde e de condições para uma VERDADEIRA FORÇA AERIA com vetores com qualidade e quantidade suficiente para cobrir o PAIS

  10. Alguns desses Netz podem ter voado sobre o vale do Bekaa em 82 e até feito parte da Operação Opera em 81, quando um reator nuclear iraquiano foi atacado pela IDF-AF. Se foram usadas como Agressors realmente devem ter exigido muito da aeronave estruturalmente, ainda mais Israel que dá uma boa ênfase a dogfights.

    Como são modelos A/B, os potenciais compradores devem ser operadores de F-16 com menos recursos. Jordânia tem uma frota de algumas dezenas de modelos A/B e Israel vendeu alguns helicópteros Cobra faz pouco tempo. Romênia comprou alguns F-16 de Portugal e pode querer expandir a frota. Colômbia pela experiência com o Kfir

Comments are closed.