Tempest Italy - Itália decide participar do programa do futuro caça Tempest
A Itália também busca uma solução de caça para renovar sua frota na década de 2030, e o Tempest é a solução pensada no momento.

Durante a mostra de defesa DSEI em Londres, as principais empresas de defesa do Reino Unido (BAE Systems, Leonardo UK, Rolls Royce e MBDA UK), juntamente com os principais players da indústria italiana (Leonardo Itália, Elettronica, Avio Aero e MBDA Itália) anunciaram sua intenção de parceria no programa Tempest pela assinatura de uma declaração de intenções.

Isso permitirá que as partes trabalhem juntas para definir um conceito inovador e um modelo de parceria que incluirá compartilhamento de conhecimento, definição de produto e desenvolvimento de tecnologia para o desenvolvimento conjunto de futuros sistemas aéreos de combate.

A assinatura da declaração de intenções segue um compromisso dos governos do Reino Unido e da Itália de trabalharem estreitamente nas capacidades de combate aéreo, incluindo sistemas como o Typhoon e o F-35, bem como no Tempest, o sistema aéreo de combate de próxima geração iniciado pelo Reino Unido. Ambos os governos confirmaram um desejo comum de manter bases industriais fortes, a fim de acessar as principais capacidades e garantir a prosperidade para ambas as nações. A Itália e o Reino Unido têm uma longa e bem-sucedida história trabalhando juntos em programas internacionais como Tornado, Typhoon e F-35.

Antes da assinatura da declaração, o Reino Unido e a indústria Italiana trabalharam conjuntamente em um estudo inicial para avaliar a viabilidade de uma abordagem comum aos futuros sistemas de combate aéreo. Muitas áreas de potencial colaboração foram identificadas, incluindo onde empresas industriais compartilhadas, como Leonardo e MBDA, já veem uma estreita integração entre as duas nações.

Além disso, um estudo conjunto de viabilidade do governo também concluiu que o Reino Unido e a Itália são parceiros naturais no setor de combate aéreo, com as duas Forças Aéreas operando a mesma frota mista das aeronaves Eurofighter Typhoon e F-35. As indústrias italiana e britânica compartilham o interesse em uma atividade conjunta em potencial para atender aos requisitos nacionais e internacionais.

1434635317012 - Itália decide participar do programa do futuro caça TempestCharles Woodburn, CEO do Grupo BAE Systems, disse: “Nosso histórico comprovado de colaboração bem-sucedida com a indústria italiana nos garante que esta parceria entre nossas duas nações é uma forte opção para a Tempest e demonstra o impulso crescente por trás desse importante empreendimento internacional. O anúncio de hoje expandirá as parcerias existentes com a MBDA e a Leonardo, que são fundamentais para o nosso trabalho em liberar todo o potencial do Typhoon, pois juntos desenvolvemos futuras tecnologias aéreas de combate em benefício de ambas as nações”.

Alessandro Profumo, CEO, Leonardo, disse: “O acordo de hoje é um próximo passo essencial para este programa emocionante e estrategicamente importante. Como CEO da Leonardo, estou confiante nessa colaboração, pois todos os dias vejo como os engenheiros do Reino Unido e da Itália, trabalhando juntos, conseguem coisas incríveis. Nossas duas nações têm uma longa e compartilhada história de sucesso em programas internacionais e acreditamos que o trabalho conjunto na Tempest fortalecerá ainda mais a base tecnológica, industrial e de habilidades de cada país para garantir a prosperidade nas próximas décadas.

O anúncio foi feito na DSEI, acompanhado por discursos de Charles Woodburn, representando BAE Systems, Leonardo UK, Rolls Royce e MBDA UK e Alessandro Profumo, representando Leonardo Itália, Elettronica, Avio Aero e MBDA Itália.

A Suécia já aderiu ao programa Tempest, enquanto França, Alemanha e Espanha lançaram um programa alternativo, o FCAS, liderado pela Dassault e pela Airbus.

A aeronave Tempest deve substituir todos os Tornados existentes e também o Eurofighter Typhoon até 2035, integrando-se aos F-35.

Anúncios

1 COMENTÁRIO

  1. "A Itália também busca uma solução de caça para renovar sua frota na década de 2030…"

    Em 2030 provavelmente a fab não terá os 36 Gripens, a cerca de uma década o orçamento brasileiro é semelhante ao italiano, inclusive teve anos que o brasileiro foi maior, olha o que eles tem e o que nós temos.

    O povo brasileiro é tão mas tão azarado que nem a classe qual eles acreditam ser exemplo de moralidade, nem eles salvam, são tão sujos quanto a elite dos outros três poderes.

Comments are closed.