KC 390 em Gavião Peixoto São Paulo Foto – Sgt Batista Força Aérea Brasileira 3 600x400 - KC-390 para a Nova Zelândia?

A Embraer respondeu a um recente pedido de informação (RFI) da Nova Zelândia para uma Capacidade de Mobilidade Aérea Futura (FAMC), com uma oferta para cinco aeronaves de transporte multi-missão KC-390.

O KC-390 está sobre desenvolvimento com um contrato de 28 aeronaves para substituir a frota de aeronaves C-130H Hercules da Força Aérea Brasileira (FAB), com as primeiras entregas a partir de 2018. A Embraer disse que também mantém cartas de intenção, de possíveis 32 Aeronaves, de cinco países diferentes e está ativamente comercializando o avião para potenciais clientes na Europa, Oriente Médio e América Latina.

A proposta da Nova Zelândia marca a primeira oportunidade da Embraer na região da Oceania, e a oferta é apoiada pela divisão de produtos de defesa da Boeing sob os termos de um acordo de parceria anunciado no show aéreo internacional de Farnborough em julho.

O programa FAMC da Força Aérea Real Neozelandesa busca adquirir cinco aeronaves de transporte de asa fixa para substituir os cinco C-130H Hercules do país, e dois Boeing 757s, com duas novas aeronaves ou um único tipo capaz de atender aos requisitos essenciais no transporte aéreo estratégico e funções táticas.

A entrega da primeira aeronave é requerida para fevereiro de 2020 e a capacidade operacional inicial (IOC) deve ser adotada em fevereiro de 2021. A capacidade operacional final (FOC) será exigida até fevereiro de 2024. A primeira aeronave de substituição para a frota 757 deve chegar Na Nova Zelândia antes de 1 de fevereiro de 2025, e o IOC declarado até 1 de fevereiro de 2026.

Nós somos muito positivos que nós podemos fornecer a melhor solução para a Nova Zelândia para os requisitos de missão que eles nos apresentaram, eu acho que eles estão muito interessados no KC-390. Mas nós compreendemos e respeitamos que esta é uma competição e vamos cumprir todas as etapas necessárias do processo“, disse o presidente e CEO da Embraer Defesa e Segurança, Jackson Schneider, na sede da empresa na cidade de São Paulo, na semana passada.

Estamos em negociações avançadas com a Nova Zelândia, mas não estamos negociando contratos no momento atual. O processo está avançado, mas é uma competição e nós não somos o único licitante“, disse ele.

Schneider disse que o único outro fabricante com um produto na mesma classe que o KC-390 atualmente em produção é o C-130J Super Hercules, da Lockheed Martin.

Ele também revelou que a Embraer está negociando com o que considera um cliente global civil para a KC-390, que será certificado para os requisitos de aeronavegabilidade da Agência Federal de Aviação Federal (FAA), e na Agência Européia de Segurança Aérea, mas se recusou a fornecer detalhes específicos.

Há uma discussão específica com uma empresa global para uma aplicação totalmente civil. Não vai exigir muita personalização para a missão específica que eles estão falando conosco sobre“, disse ele.

26030646161 27445b86a3 b 600x400 - KC-390 para a Nova Zelândia?

Um outro executivo sênior da Embraer também revelou que o fabricante está considerando o desenvolvimento de uma versão de patrulha marítima de seu novo avião comercial E190-E2 a convite do governo da Nova Zelândia para atender um próximo RFI para uma futura Capacidade de Vigilância Aérea Marítima.

O RFI apresentará propostas para substituir a aeronave de patrulha marítima Lockheed P-3K2 Orion da Força Aérea Real Neozelandesa, em meados dos anos 2020, para um FOC planejado entre 2023 e 2025.

Fernando Ribeiro de Queiroz, vice-presidente comercial da Embraer Defesa & Segurança, afirmou que a empresa desenvolverá uma versão de patrulha marítima do E190-E2, a mais recente versão de sua bem sucedida família de jatos comerciais “E”, se solicitado pelo cliente, mas ele Também sugeriu que um KC-390 configurado para a função de patrulha marítima poderia proporcionar maior sinergia com a resposta da FAMC se os requisitos da Nova Zelândia não são inflexíveis.

Estamos respondendo à exigência de patrulha marítima com o E190-E2, porque os requisitos que a Nova Zelândia pediu se encaixa melhor com essa plataforma. Mas a nossa proposta para o concurso é que, se eles são capazes de ajustar alguns dos requisitos um pouco, podemos apoiá-lo com o KC-390“, disse ele.

Por exemplo, a Nova Zelândia quer que o avião atinja mach 0.82, mas se essa velocidade não for um requisito forte, podemos apoiá-los com o KC-390, que é capaz de mach 0.80“, acrescentou Fernando.

KC 390 F 5 600x400 - KC-390 para a Nova Zelândia?

A Embraer propõe modificar o KC-390 com um radar de busca de 360 graus instalado no nariz, semelhante à configuração oferecida ao Canadá na competição de busca e salvamento de longo alcance, juntamente com um sistema paletizado de missão de patrulha marítima .

Um sistema de missão paletizado e equipamento de radar no nariz e outros equipamentos preencheria os requisitos para a patrulha marítima, mas não compromete as outras missões que a aeronave já é capaz de realizar”, explicou Fernando.

“Você pode retirar o sistema de missão e voar com carga, passageiros, evacuação, etc, por isso seria uma única frota com talvez dois aviões capazes de ser configurado para a patrulha marítima e cinco dedicados à mobilidade aérea. É como podemos mostrar sinergia entre os dois projetos, mas ao mesmo tempo temos uma solução 100% dedicada à patrulha marítima com o E190-E2” completou Fernando.

Fonte: DefenseNews


NOTA DO EDITOR: é uma notícia realmente muito boa, fico muito feliz de saber que a Embraer quer desenvolver uma versão de patrulha marítima do E-190 E2, ainda mais feliz de saber que as negociações do KC-390 estão ativas.

Anúncios

19 COMENTÁRIOS

  1. Amigos, além da notícia da negociação c/ a Nova Zelandia, o que mais me chamou a atenção foram 2 pontos : a negociação do KC-390 c/ uma empresa global civil ( quem sabe Fedex ou DHL, na minha humilde opinião ) e uma versão 'Combi' do KC ( patrulha / cargueiro ) utilizando-se de sistema de missão paletizado unificando e flexibillzando a frota ( eu nunca tinha ouvido falar nessa possibilidade ).
    Abs.

  2. Que notícia boa mesmo, conforme a nota do editor.
    Se o KC-390 for configurado também para patrulha marítima estão aí nossos P-390. Também acredito que 0,2 mach de diferença na velocidade nem faça falta, sem contar da capacidade de reabastecimento aéreo que os KC-390 já demonstram possuir.

  3. Eu acho os caras da Embraer muito inteligentes. Eles sabem produzir aviões que vendem, que atendem as necessidades dos clientes.
    Só não gosto quando vai verba púbica pra financiar venda a país de terceiro mundo, de resto estão de parabéns.

  4. Bastante interessante a notícia do desenvolvimento de uma variante militar do E-190. Há tempos que vários foristas vinham cantando essa bola…! Estava até estranho a própria Embraer não ter proposto nada para suas novas plataformas E-Jets…

    Isso poderia ser de grande interesse da FAB ou da Marinha, no que tange a substituição dos P-3BR ( o que deverá ocorrer, de uma forma ou de outra, na década que vem ).

    • Eu acho que esta notícia confirma que a Embraer sempre pensou em uma versão militar para o E-190. Só nunca foi divulgado por causa dos problemas de nossas próprias Forças Armadas e da falta de dinheiro.

  5. Essa parceria firmada coma Boeing, só tende a trazer bons frutos para a Embraer.! Que boa notícia, e que venham mais, afinal existem muitos C130 para substituir ao redor do globo. hehe.

  6. Excelente notícia, e uma versão patrulha é com certeza uma boa para o programa.

  7. A Embraer tem parceria c/ a Boeing, mas essa tem o P-8 Poseidon, e aí como é que fica a situação ?

    • Acho que o KC-390 pode fazer o mesmo trabalho, sem exigir pistas sofisticadas para operar e deve custar bem menos que o Poseidon.

    • Não creio que seja muito difícil, o porão que leva a carga / bagagens pode levar um grande tanque extra. Se serve como exemplo, temos a diferença de alcance entre os Legacy 600/650 mais do que o dobro em relação c/ o EMB-135 que serviu de base p/ eles.

    • Normalmente, vão diminuir a capacidade de carga para levar mais combustível, mas continua curto.

      Nesse ponto, o hercules leva vantagem, pois pode desligar dois motores e estender o tempo no ar.

      Persistência é mais importante que velocidade em patrulha.

      A LM está oferecendo o hercules como sucessor do P3 e deve ser a saída pra quem não pode pagar um P8.
      http://www.lockheedmartin.com/content/dam/lockhee

Comments are closed.