A proposta do Flying-V criado pela TU Delft em parceria com a KLM.

A KLM e a Faculdade de Engenharia Aeroespacial da Universidade de Tecnologia de Delft (TU Delft) assinaram hoje um novo acordo de cooperação para tornar a aviação mais sustentável, durante a Reunião Geral Anual da IATA em Seul, Coreia do Sul.

No momento da assinatura estava presente o Presidente e CEO da KLM, Pieter Elbers e Henri Werij, decano da TU Delft. A KLM contribuirá para a pesquisa da TU Delft sobre um conceito de voo inovador conhecido como “Flying-V”, que abrange uma abordagem totalmente diferente do projeto de aeronaves, na expectativa e suporte de voos de longa distância sustentáveis ??no futuro.

O design em forma de V da aeronave integrará a cabine de passageiros, o porão de carga e os tanques de combustível nas asas. Sua forma aerodinâmica aprimorada e peso reduzido significam que ele consome 20% menos combustível do que o Airbus A350, a aeronave mais avançada da atualidade. Um modelo em escala voadora e uma seção em tamanho real do interior do Flying-V serão oficialmente apresentados no KLM Experience Days no Aeroporto Schiphol de Amsterdã em outubro, por ocasião do 100º aniversário da KLM.

A aeronave foi originalmente concebida como um projeto de aeronave em potencial para o futuro, mas pode ser comparada à aeronave mais avançada de hoje, o Airbus A350. Embora o avião não seja tão longo quanto o A350, ele tem a mesma envergadura. Isso permitirá que o Flying-V use a infraestrutura existente em aeroportos, como portões e pistas de pouso, sem dificuldade, e a aeronave também se encaixará no mesmo hangar que o A350. Além disso, o Flying-V terá o mesmo número de passageiros – 314 na configuração padrão – e o mesmo volume de carga, 160m3. O Flying-V será menor que o A350, dando-lhe menos resistência aerodinâmica.

O Presidente e CEO da KLM, Pieter Elbers: “Nos últimos anos, a KLM se desenvolveu como pioneira em sustentabilidade no setor de aviação. O desenvolvimento da aviação deu muito ao mundo, oferecendo-nos a oportunidade de conectar pessoas. Este privilégio está associado a uma enorme responsabilidade pelo nosso planeta. A KLM leva isso muito a sério e, portanto, vem investindo em sustentabilidade em diferentes níveis há muitos anos, permitindo que desenvolva um amplo espectro de iniciativas de sustentabilidade. Estamos orgulhosos do nosso relacionamento cooperativo progressivo com a TU Delft, que se encaixa bem com a estratégia da KLM e serve como um marco importante para nós no caminho para ampliar a aviação sustentável”.

O decano da Faculdade de Engenharia Aeroespacial da TU Delft, Professor Henri Werij, disse: “Estamos muito satisfeitos em poder cooperar com nosso parceiro de confiança KLM em nossa missão combinada de tornar a aviação mais sustentável. Projetos de aeronaves radicalmente novos e altamente eficientes em termos energéticos, como o Flying-V, são importantes nesse aspecto, assim como as novas formas de propulsão. Nosso objetivo final é um dos voos livres de emissão. Nossa cooperação com a KLM oferece uma tremenda oportunidade para trazer uma mudança real”.

O Flying-V também oferece aos pesquisadores uma oportunidade única de melhorar a experiência do passageiro em aeronaves, desde o layout dos assentos nas asas até o design dos assentos e banheiros. Tudo tem que ser o mais leve possível para maximizar o ganho de eficiência que o novo formato de aeronave proporciona. O conforto do passageiro também é levado em conta.

O Flying-V é impulsionado pelos motores turbofan mais eficientes em termos de combustível que existem atualmente. Em seu design atual, ele ainda voa em querosene, mas pode ser facilmente adaptado para usar inovações no sistema de propulsão – usando turbofans impulsionados eletricamente, por exemplo.

Anúncios

7 COMENTÁRIOS

  1. Conceito muito interessante, se entregar o que promete vai ter futuro na aviação, onde a economia de combustível é um fator determinante sobre qualquer novo projeto.

  2. Uma pena que toda inovação tenha contrapartidas… Neste caso podemos citar algumas como por exemplo a altura dos motores que devem apavorar qualquer mecânico, problemas para evacuar a aeronave em um acidente pois diferente das aeronaves convencionais, este conceito impede a saída pelos dois lados. Um outro detalhe é que não dá pra fabricar um bicho desse em partes e em outras unidades fabris, os Belugas da vida não vão conseguir carregar grandes seções desta coisa.

  3. Tem que ter fé e acreditar na inovação e na capacidade da boa engenharia encontrar os melhores caminhos, caso contrário contrate uma empreiteira brasileira que ela resolve. Qualquer coisa…

  4. Faz crer que seja mais um 'aborto' aeronáutico. A história está repleta de idéias mirabolantes, revolucionárias mas que não passam de idéias. Essa deve ser mais uma.

Comments are closed.