O governo do Kuwait suspendeu a licença da Wataniya Airways por 90 dias, alertando que a falha em resolver os “problemas” operacionais que levaram a cancelamentos de vôos em agosto, deixando 1.500 passageiros retidos em capitais estrangeiras, significaria que as autoridades revogariam permanentemente a permissão da companhia para operar.

O Ministro de Estado para Assuntos de Serviços, Dr. Jenan Boushehri, anunciou que a Direção Geral de Aviação Civil (DGCA) decidiu suspender a permissão para a companhia por três meses”, segundo um comunicado emitido no dia 5 de setembro na Agência de notícias oficial KUNA.

Em um relatório referindo-se a um ultimato emitido a Wataniya no dia 25 de agosto para resolver os atrasos de vôos que não foram atendidos, a KUNA citou a advertência da DGCA de que se a companhia aérea não resolvesse seus problemas, perderia sua licença permanentemente.

Ao retirar temporariamente sua licença, Boushehri disse que Wataniya não fez uma revisão tangível de seus serviços nem introduziu reformas imediatas nas operações, afetando negativamente o setor de aviação nacional e a imagem do Kuwait no exterior, e prejudicando os interesses dos passageiros.

Segundo a KUNA, o presidente do conselho da Wataniya, Ali Al-Fozan disse no dia 3 de setembro que a companhia aérea planejava operar seis aeronaves a partir de 12 de agosto, mas que “a empresa enfrentou inesperadamente um grande problema quando três aviões de sua frota saíram de serviço.”

Um A320 da Wataniya sofreu uma falha de motor, e a tentativa da empresa de substituí-lo por aeronaves da Olympus Airways, da Grécia, fracassou quando a DGCA se recusou a registrá-las devido a reservas sobre o histórico de manutenção da companhia aérea grega.

Aparentemente, referindo-se à falha do motor A320, a Wataniya admitiu no dia 17 de julho que ocorreu um “erro técnico…em nosso voo de Beirute para Kuwait em 16 de julho de 2018, que exigiu o pouso do avião no Aeroporto Jordão de Aqaba“.

A KUNA informou que os passageiros da Wataniya, que estavam em dificuldades para embarcar em vários outros vôos, foram aconselhados a entrar em contato com autoridades do Ministério das Relações Exteriores em Beirute, Istambul, Tbilisi, Baku, Sarajevo, Málaga e Atenas.

Em 2003, o governo do Kuwait concedeu novas licenças ao setor privado para estabelecer companhias aéreas comerciais, incluindo a Wataniya Airlines e a Jazeera Airways. Em 2009, a Wataniya iniciou o serviço, que suspendeu em 2011. A companhia aérea retomou as operações em julho de 2017 e operou uma frota de quatro aeronaves da família A320 que atendem destinos no Oriente Médio, Europa, África e Ásia.

Ainda não está claro o que acontecerá agora com os pedidos de aeronaves que a Wataniya anunciou durante o airshow de Farnborough. Durante o show, a companhia aérea fez um pedido firme para 10 Embraer E195-E2 e 25 Airbus A320neo.

O contrato da Embraer, avaliado em cerca de US$ 650 milhões, inclui direitos de compra de outros 10 do mesmo modelo, aumentando potencialmente seu valor para US$ 1,3 bilhão.

A Wataniya – cliente de lançamento do modelo para o Oriente Médio da Embraer – planejava receber seu primeiro avião em 2020.


FONTE: AINonline

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.