USAF alega que o F-35A tem custo maior que o F-15EX.

A Lockheed Martin, que tenta dar uma vantagem a seu F-35 contra um caça rival F-15EX oferecido pela Boeing, está reduzindo drasticamente o preço do F-35A para o próximo lote de jatos que venderá o Pentágono.

A empresa aeroespacial está oferecendo o modelo básico da quinta geração do F-35A por US$ 80 milhões cada em negociações com o Pentágono, de acordo com uma reportagem do site DefenseOne. Isso é uma redução de 11% em relação ao preço de US$ 90 milhões em setembro passado, quando a última parcela dos caças foi encomendada.

O F-35 foi prejudicado por longos atrasos de desenvolvimento e excesso de custos, mas o avião agora está operacional e está se tornando uma parte fundamental do arsenal dos EUA. Espera-se que o Pentágono finalize seu próximo pedido para o caça neste verão. Os analistas esperavam que cada lote fosse mais barato do que o anterior, mas o montante dessa redução mais recente provavelmente pegará alguns de surpresa.

Novo pelo preço de antigo

A Lockheed Martin tem estado sob pressão constante para reduzir o custo do F-35, mas a urgência aumentou desde que o Pentágono inverteu o curso e decidiu comprar novos Boeing F-15 pela primeira vez em duas décadas. O F-15EX modernizado é significativamente melhorado em comparação com o avião original dos anos 60, com um sofisticado conjunto de eletrônicos, mas ainda é uma tecnologia de última geração que, até recentemente, era de pouco interesse para os oficiais de compras militares.

A decisão de comprar os F-15, de acordo com o resumo de aquisições do Pentágono, “reflete a estratégia do Departamento de captar a capacidade de lidar com diferentes situações de ameaça”. O governo está comprando os F-35s “para atender aeronaves avançadas de tecnologia que estão sendo implantadas pela Rússia e pela China”, diz o relatório. Mas para derrotar as plataformas de baixa tecnologia, ela quer usar projetos mais antigos “que nominalmente têm custos operacionais mais baixos quando comparados aos jatos de combate de quinta geração”, como o F-35.

Custo é a chave. A decisão do F-15 foi dada ao Pentágono querendo tirar o máximo possível de recursos militares do financiamento limitado, e em um momento em que os militares têm uma longa lista de desejos por novos equipamentos.

Com US$ 80 milhões por unidade, o F-35 está dentro do alcance de um F-15. O argumento de venda da Lockheed para o governo é que não há motivo lógico para comprar tecnologia de última geração quando você pode obter vantagens por aproximadamente o mesmo preço.

Mais do que apenas o preço da etiqueta

Embora a Lockheed Martin tenha feito um progresso constante ao reduzir o preço informado na etiqueta, outros custos permanecem a favor da Boeing. O Pentágono espera reduzir o custo operacional de um F-35 para US$ 25.000 por hora no ano fiscal de 2025, contra cerca de US$ 44.000 por hora no ano fiscal de 2018, mas as autoridades de defesa não têm certeza de que a meta seja alcançável.

Robert B. Daigle, diretor do escritório de Avaliação de Custos e Avaliação de Programas do Pentágono, durante uma reunião do subcomitê de Serviços Armados da Câmara no início de maio disse que o número de 25.000 dólares é “uma meta e não é nossa projeção para onde estaremos realmente”.

O F-15, por comparação, é significativamente mais acessível para operar com um custo estimado de menos de US$ 30.000 por hora. Daigle disse que o Pentágono estima que o custo total de propriedade de um F-35 durante um período de 10 anos seja US$ 47 milhões a mais por aeronave do que o de um F-15 operado por um período similar de tempo.

“Esses caças de 4ª geração são a maneira mais econômica de atender às demandas de missões de baixo custo, o que garante que nossos caças de 5ª geração estejam disponíveis para lutas de alto nível”, disse Daigle em seu depoimento preparado.

Aeronave Custo de Aquisição por Aeronave Custo Operacional por Aeronave no prazo de 10 anos Custo de Propriedade em 10 ano
F-35A US$100 milhões US$110 milhões US$210 milhões
F-15EX US$90 milhões US$73 milhões US$163 milhões

Fonte de dados: Gabinete do Pentágono de Avaliação de Custos e Avaliação de Programas. Todos os números no ano fiscal de 2020. Custos de aquisição são custos unitários totais.

A Lockheed Martin, por sua vez, é consideravelmente mais otimista de que pode atingir a meta de US$ 25.000, observando que a empresa reduziu sua porção do custo por hora de voo em 15% desde 2015. A esperança é que, à medida que a produção de jatos suba, a produção dos widgets e componentes que entram no jato subam na mesma proporção, reduzindo o custo total das peças de reposição. Os custos de manutenção também devem diminuir à medida que o Pentágono ganha mais experiência trabalhando no F-35.

A Lockheed é a vencedora a longo prazo

É improvável que os esforços de corte de custos da Lockheed Martin parem a compra dos F-15, mas eles são um passo importante na direção certa para a empresa, independentemente. A Lockheed parece estar no caminho certo para atingir seu objetivo de reduzir o custo do F-35 para US$ 80 milhões até 2020, o que deve ajudar a garantir um fluxo constante de pedidos nos EUA e aliados. O F-35 está no caminho de ser um avião de guerra de trilhões de dólares para a empresa e seus principais fornecedores.

A Lockheed Martin é a melhor compra entre os contratados de defesa por causa da diversidade de suas ofertas, mas mesmo com esse amplo portfólio, o F-35 continua sendo um fator crítico no sucesso de longo prazo da empresa. Não importa o que a Força Aérea dos EUA decida fazer com o F-15, parece certo que o Pentágono vai comprar muitos F-35s em um futuro previsível.

Não importa como terminará essa batalha, a Lockheed Martin está vencendo a guerra.


Fonte: Motley Fool, via Yahoo Finance

Anúncios

14 COMENTÁRIOS

  1. Qual lição aprendemos hoje?
    A importancia de se ter concorrência ?

  2. Na época do Obanana, pintava e bordava. Presidente Trump botou ordem na casa, cobrando redução de custos e recolocando a Boeing no mercado.

  3. trump chegou dando as cartas cortando o financiamento do air force one

  4. Esse F-15 com as asas pintadas de vermelho acabou me lembrando o F-15 Pixy do Ace Combat. ta certo que o Pixy só tem uma asa pintada de vermelho… mas ainda assim me lembrou

  5. Livre mercado eu te amo!!
    Concorrência faz bem pra qualquer mercadoria, de bananas a caças!!
    Concordo com o amigo Eduardo. Trump tá botando ordem na casa!!
    Agora tentar comparar o "novo" Eagle com o F-35 não dá! São caças diferentes, com maior ênfase em missões diferentes.
    Me corrijam se eu estiver errado. Aprendo muito com vocês.
    Um grande abraço.

    • Isso Eng_batista. F-15 é claramente para superioridade aérea, carregando mais armas. Já F-35 é para combate BVR (fora do alcance da visão). Na minha opinião, as duas aeronaves se completam em combate.
      Abraços amigos

  6. São aeronaves diferentes com propósitos diferentes. Não vejo onde uma não possa complementar a outra. O F-15 ainda tem bastante lenha para queimar com o advento das armas stand-off.

  7. Lei de Mercado, tão presente quanto a Lei Gravidade!!! Só em Brazulândia que ainda se discute isso e pagando quatro vezes mais por ToT

  8. É, quando a água sobe e chega logo ali embaixo da coluna vertebral, a turma aprende a nadar rapidinho……. Viva a concorrência !

  9. concordo com os colegas, são caças diferentes com propósitos diferentes. Os EUA precisam tanto do F-35 quanto do F-15. E ao mesmo tempo, comprando os novos modelos de F-15, e mantendo a linha ativa, também impulsionam as vendas no exterior.

Comments are closed.