Embora a USAF estude aposentar todos B-2, a Lockheed modernizará sistemas de defesa do bombardeiro furtivo.

A Lockheed Martin recebeu um contrato de US$ 28 milhões para a revisão do sistema de gerenciamento de defesa dos bombardeiros B-2 Spirit, conforme divulgado pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) no dia 10 de julho.

O DoD anunciou na segunda-feira que a Lockheed Martin, de Owego, Nova York, recebeu uma ordem de entrega de preço fixo de US$ 28 milhões para a revisão do sistema de gerenciamento de defesa dos bombardeiros B-2. Detalhes do contrato não foram divulgados, mas sabe-se que o trabalho está previsto para ser concluído até 9 de julho de 2020.

Algumas fontes informaram que as atualizações do sistema de gerenciamento de defesa B-2 incluirão um subsistema de medidas de suporte eletrônico digital (ESM), novas antenas ESM e unidades de processamento de exibição modernas para melhorar os recursos de detecção, identificação e para evitar ameaças radar. Os componentes de software associados integram esses sistemas atualizados aos sistemas aviônicos B-2 existentes para melhorar a conscientização geral sobre as ameaças do piloto, a reação a ameaças e a capacidade de sobrevivência.

“A combinação única de alcance, precisão, carga útil e capacidade de penetrar e operar em ambientes de acesso / negação de área permite que o B-2 identifique, localize, alveje e destrua os alvos inimigos de maior valor”, disse o representante da USAF. “Com as atualizações necessárias, o B-2 pode realizar sua missão independentemente da localização, retornar à base com segurança e permitir liberdade de movimento para as forças subseqüentes, incluindo outras plataformas de ataque de longo alcance.”

O B-2 é a única aeronave dos EUA que combina longa distância, grande capacidade de carga e furtividade em uma única plataforma, dando a capacidade de projetar poder aéreo em qualquer lugar do mundo. Pode voar 6.000 milhas náuticas sem reabastecimento e 10.000 milhas náuticas com apenas um reabastecimento aéreo. Com sua capacidade de transportar mais de 20 toneladas de munições convencionais e nucleares e entregá-las com precisão sob quaisquer condições climáticas, o B-2 também tem a capacidade de alterar o resultado de um conflito com uma única missão.

O B-2 proporcionou aos EUA uma imensa vantagem estratégica no momento de sua entrada em serviço, apesar da frota consistir de apenas 20 aeronaves.

8 COMENTÁRIOS

  1. Só acredito na validade desses 2 bilhões por célula no dia que conseguir "varar" a China ou Rússia de ponta a ponta e sair ileso.
    Fora isso, só serve como plataforma de desenvolvimento de tecnologia pois o B52 vindo logo após alguns caças de superioridade aérea fazem o mesmo serviço em 99.9% dos cenários reais atuais

    • Amigo ele foi projetado para isso…. se em 2018 ele continua tão eficaz quanto da sua entrada em operação é outra história mas não duvido que ele tenha feito isso é nos não saibamos

    • Não existe isso de varar a Rússia e China de ponta a ponta.

      A missão dele é se aproximar do alvo e lançar bombas, coisa que conseguirá fazer na maioria das situações.

    • Perdão, mas uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

      O B-2 é projetado para implementar algo chamado 'Paralisia Estratégica'. Levar a destruição ao inimigo de forma inesperada, certeira e decisiva. Destruir instalações chaves para o esforço militar do oponente antes dos combates propriamente ditos. Ataques preventivos que minem o moral!

      Lembro de um infógrafo num artigo que comparava ambas aeronaves. A mesma missão realizada por 2 B-2, seriam necessários, além dos B-52, caças para escoltas, aviões tanques e aeronaves para vigilância e guerra eletrônica. Se somarmos tudo isso, mais os custos de tripulações, a falácia do preço cai por terra.

      Ademais, o mundo não se resume a China e Rússia.

      • Não sei não, numa guerra 20 desses não resolvem não, os satélites russos e chineses vigiam as bases desses aviões dia e noite toda vez que decolam ficam alertas. Detonam uma bomba em Moscou e os sub russos destroem Nov York , Los Angeles, whasingtom numa única salva. Quem tem coragem de dar o primeiro golpe e pagar um custo destes.

  2. https://istoe.com.br/mais-de-80-combatentes-do-es
    Um fato que vale mais do que mil palavras. Esse bombardeio custou o valor de toda força aérea brasileira.
    Uma infinidade de aviões de reabastecimento, bombas milionárias, aviões que a hora de voo custa quase o mesmo que uma nave espacial.
    Se fosse no Brasil era motivo de choro por uma década

  3. No meu humilde entender, esse avião rosna mais do que morde, tudo gira em torno do dinheiro. Um avião desses provavelmente nunca entrará no combate para o qual " dizem que foi projetado" serve muito mais como um marketing bem elaborado do poderio e nível de sofisticação da indústria bélica americana, esse avião ajuda a vender c130, F18, F16 e por aí vai, é como uma top model do Pentágono. Agora se pararam a produção do F22, sofreram horrores para colocar o F35 em serviço, produziram só 20 desses aviões e já estão modernizando talvez seja porquê a tecnologia de radares e outros meios de detecção já tenham tornado esses aviões pouco eficientes. Submarino mísseis balísticos e mísseis hipersonicos é que mandam atualmente.

    • Apresente evidências de que, como diz, "rosna mais que morde". Verdadeiramente ninguém fora do meio de operações da aeronave sabe sobre suas reais capacidades. Sua opinião não passa de achismos mirabolantes sem qualquer base na realidade. Dizer que ele ajuda a vender F-18, C-130 é no mínimo hilário. Comentário típico de fanboyski invejoso.

Comments are closed.