Embora a USAF estude aposentar todos B-2, a Lockheed modernizará sistemas de defesa do bombardeiro furtivo.

A Lockheed Martin recebeu um contrato de US$ 28 milhões para a revisão do sistema de gerenciamento de defesa dos bombardeiros B-2 Spirit, conforme divulgado pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) no dia 10 de julho.

O DoD anunciou na segunda-feira que a Lockheed Martin, de Owego, Nova York, recebeu uma ordem de entrega de preço fixo de US$ 28 milhões para a revisão do sistema de gerenciamento de defesa dos bombardeiros B-2. Detalhes do contrato não foram divulgados, mas sabe-se que o trabalho está previsto para ser concluído até 9 de julho de 2020.

Algumas fontes informaram que as atualizações do sistema de gerenciamento de defesa B-2 incluirão um subsistema de medidas de suporte eletrônico digital (ESM), novas antenas ESM e unidades de processamento de exibição modernas para melhorar os recursos de detecção, identificação e para evitar ameaças radar. Os componentes de software associados integram esses sistemas atualizados aos sistemas aviônicos B-2 existentes para melhorar a conscientização geral sobre as ameaças do piloto, a reação a ameaças e a capacidade de sobrevivência.

“A combinação única de alcance, precisão, carga útil e capacidade de penetrar e operar em ambientes de acesso / negação de área permite que o B-2 identifique, localize, alveje e destrua os alvos inimigos de maior valor”, disse o representante da USAF. “Com as atualizações necessárias, o B-2 pode realizar sua missão independentemente da localização, retornar à base com segurança e permitir liberdade de movimento para as forças subseqüentes, incluindo outras plataformas de ataque de longo alcance.”

O B-2 é a única aeronave dos EUA que combina longa distância, grande capacidade de carga e furtividade em uma única plataforma, dando a capacidade de projetar poder aéreo em qualquer lugar do mundo. Pode voar 6.000 milhas náuticas sem reabastecimento e 10.000 milhas náuticas com apenas um reabastecimento aéreo. Com sua capacidade de transportar mais de 20 toneladas de munições convencionais e nucleares e entregá-las com precisão sob quaisquer condições climáticas, o B-2 também tem a capacidade de alterar o resultado de um conflito com uma única missão.

O B-2 proporcionou aos EUA uma imensa vantagem estratégica no momento de sua entrada em serviço, apesar da frota consistir de apenas 20 aeronaves.

5 COMENTÁRIOS

  1. Só acredito na validade desses 2 bilhões por célula no dia que conseguir "varar" a China ou Rússia de ponta a ponta e sair ileso.
    Fora isso, só serve como plataforma de desenvolvimento de tecnologia pois o B52 vindo logo após alguns caças de superioridade aérea fazem o mesmo serviço em 99.9% dos cenários reais atuais

    • Perdão, mas uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

      O B-2 é projetado para implementar algo chamado 'Paralisia Estratégica'. Levar a destruição ao inimigo de forma inesperada, certeira e decisiva. Destruir instalações chaves para o esforço militar do oponente antes dos combates propriamente ditos. Ataques preventivos que minem o moral!

      Lembro de um infógrafo num artigo que comparava ambas aeronaves. A mesma missão realizada por 2 B-2, seriam necessários, além dos B-52, caças para escoltas, aviões tanques e aeronaves para vigilância e guerra eletrônica. Se somarmos tudo isso, mais os custos de tripulações, a falácia do preço cai por terra.

      Ademais, o mundo não se resume a China e Rússia.