Já operando com a aeronave A320neo, a Lufthansa estuda adquirir mais de 100 aeronaves A320neo ou 737 MAX.

O Grupo Lufthansa está se preparando para colocar uma mega encomenda para a renovação de sua frota de aeronaves de corredor único de menor porte. O grupo alemão avalia tanto o Boeing 737 MAX como o Airbus A320neo para as encomendas que devem ser colocadas no próximo ano.

Ainda não está claro quantas aeronaves serão encomendadas, mas será um número de três dígitos, segundo o CEO Carsten Spohr. A próxima fase da modernização da frota no Grupo Lufthansa envolve cerca de 150 aeronaves, incluindo os Airbus A319 (115 unidades) e os Bombardier’s CRJs (35 unidades).

Os acidentes com as duas aeronaves 737 MAX da Ethiopian Airlines e da Lion Air não são motivo para Spohr excluir os jatos 737 MAX.

“Não perdemos nossa confiança na Boeing. Eles construíram grandes aviões nas últimas décadas e tenho certeza de que resolverão esse problema”, disse o CEO do Grupo.

A Lufthansa se despediu do seu último 737 em 2016.

O Grupo Lufthansa já encomendou 149 exemplares do Airbus A320neo. Dezessete unidades já foram entregues às companhias aéreas do Grupo, portanto, um pedido adicional para este modelo é o mais provável. O grupo alemão de aviação ainda não fez qualquer pedido para os jatos da série MAX da Boeing.

Para a frota de longa distância, a Lufthansa se preparou com um pedido mix entre a Airbus e a Boeing em fevereiro. O grupo planeja receber 45 aeronaves A350-900 até o final de 2027. A empresa também encomendou pela primeira vez 20 aeronaves Boeing 787-9 Dreamliners, que serão distribuídas às companhias aéreas do Grupo entre 2022 e 2027.

A Lufthansa foi o primeiro cliente do programa 737 em 1965 com um pedido de 21 737-100. No final de 2016, o grupo eliminou todos os seus Boeing 737.

Além da companhia aérea de bandeira com o mesmo nome, o Grupo Lufthansa também é proprietário da Austrian, da SWISS, da Lufthansa Cityline, da Eurowings e da Brussels Airlines.

Anúncios

6 COMENTÁRIOS

  1. Acho que vão de 737, se tiver um groundeamento a frota toda não fica no chão.

  2. Ao invés de terem comprado os A-319 não seriam melhor comprar os Embraer 195 E2 por questão de economia de combustível e também de dinheiro já que em preço de lista cada 195 custa 24 milhões a menos ???

    • Olha, não sei se é impressão minha, mas sempre me pareceu que a Lufthansa tem um certo preconceito com a Embraer. Pois sempre que tiveram de optar entre Embraer e algum outro concorrente, a segunda opção venceu. Foi assim quando teve de decidir entre Embraer x bombardier , Embraer x dornier e etc. Mas pode ser só impressão minha. Até porque , que fique claro, não "torço" pra A ou B. E no caso da Embraer, sempre vem aquele argumento de que "é uma empresa privada, não é brasileira, pertence aos acionistas, é uma empresa mundial, tem ações na bolsa….." o que acaba, ao menos em relação a mim, a aliviar a minha consciência de não "torcer" por ela.

        • Porque não havia nada equivalente na concorrência. Onde havia produto similar na concorrência, ela o escolhia. Mas só acho né…

  3. A Lufthansa, em suas coligadas, já usou o EMB-120 Brasília, o ERJ-145 e ainda usa muitos E190 e E195. Não vi nenhum padrão contra os produtos Embraer…

Comments are closed.