O Embraer E195-E2 “Profit Hunter” que estará presente no Paris Air Show desse ano.

O maior avião de passageiros já construído pela Embraer pode se tornar seu modelo campeão de vendas, emergindo das sombras de aeronaves menores e apresentando assentos extras e asas grandes que mudaram seu modelo econômico, disse um alto executivo da fabricante.

A primeira geração do E195, de 116 lugares, recebeu três vezes menos encomendas do que o E190, de 100 assentos. Mas uma versão maior, com novo motor, que entrará em atividade no começo de 2019 (parte da linha chamada E2) tem atraído um novo patamar de interesse.

“É justo dizer que o E195 aparece em peso em quase todas as conversas sobre a família E2”, disse o vice-presidente do negócio de aviação comercial da Embraer, John Slattery, em entrevista na noite de segunda-feira (5) durante um encontro anual do setor de transporte aéreo no México. “Há uma real possibilidade para a E2 de que o E195 vá superar as vendas do E190.”

A possível reviravolta salienta como três fileiras adicionais de assentos, além de asas mais largas, forçaram muitas companhias aéreas a reconsiderarem o maior modelo da empresa brasileira, que agora busca concorrer diretamente com a nova CSeries da Bombardier.

Para a Embraer, terceira maior fabricante de aviões do mundo, depois da Airbus e da Boeing, o E195 representa a maior mudança na família E2, a qual tem se concentrado em mercados de aviação regional, em um momento no qual a Bombardier entra em brigas maiores.

Embora a Bombardier venda aeronaves maiores na CSeries, competindo com versões menores fabricadas por Boeing e Airbus, a Embraer tem reafirmado que não há planos para aviões de passageiros maiores do que o novo E195.

Na semana passada, a Embraer ampliou a autonomia do E195-E2 para cerca de 4.200 quilômetros, ante cerca de 4.000 anteriormente, por conta de melhorias na aerodinâmica de um protótipo que começou a voar em março. O CS100 da Bombardier, em comparação, tem uma autonomia máxima de cerca de 5.000 quilômetros.

Slattery disse que o verdadeiro ponto de venda do novo E195 é seu custo operacional, que concorre com o de aeronaves de um corredor das rivais Airbus e Boeing, ao passo que custa 20% menos por viagem. Assentos extras e asas mais finas tornaram a nova aeronave uma “caçadora de lucros”, disse o executivo.


Fonte: Reuters – Brad Haynes e Tim Hepher

Anúncios

1 COMENTÁRIO

  1. Eu tinha citado essa matéria no post do motor PW1900G, então transfiro a minha pergunta p/ cá : a Embraer conseguiu aumentar a autonomia em 200 km ( agora 4.200 ) por melhorias na aerodinâmica do protótipo. Alguém sabe dizer do que se trata ? Lembrando que devido aos avanços no fly-by-wire desta geração, a Embraer conseguiu reduzir o tamanho do leme ( salvo engano em 20% ), reduzindo c/ isso peso e arrasto aerodinâmico.

Comments are closed.