Cancelamento de pedido para 8 quadrimotores A380 pela Qantas pode fechar a produção da aeronave mais cedo do que previsto.

No dia 6 de fevereiro, a Qantas anunciou que cancelaria um pedido de oito aeronaves Airbus A380. A companhia aérea australiana disse que os superjumbos da Airbus não se encaixam nos planos de frota da empresa.

Após negociações com a fabricante de aviões, foi decidido que a encomenda de oito Airbus A380 feita em 2006 seria cancelada, disse um porta-voz da Qantas à agência de notícias Reuters.

“Essas aeronaves não fazem parte da frota e dos planos de rede da companhia aérea há algum tempo”, disse o porta-voz da Qantas.

Além da Qantas, a Emirates também estuda cancelar pedidos de aeronaves A380. (Foto: Bernard Proctor)

No início deste mês, outro grande cliente do Airbus A380, a Emirates, anunciou que estava considerando substituir os demais pedidos do A380 pelos A350. À luz dos recentes progressos, o fabricante europeu pode decidir em breve descontinuar o programa do seu superjumbo icônico.

A companhia de bandeira australiana tem doze Airbus A380 em sua frota. A companhia aérea planeja continuar a voar com esses A380 nos próximos anos. A partir do segundo semestre do ano, as cabines dos superjumbos da Qantas terão um novo design de interior para oferecer uma experiência de viagem mais confortável aos seus “hóspedes”.

O porta-voz da companhia aérea não comentou se a empresa fará um pedido para o A350 menor. A Qantas está em estreita coordenação com a Airbus e a Boeing para uma variante widebody de alcance ultralongo que pode voar diretamente para a Europa a partir da costa leste da Austrália, como parte de seu ambicioso projeto chamado “Project Sunrise”.

5 COMENTÁRIOS

  1. É tudo uma adequação de demanda com eficiência. Então o problema não seria o tamanho do avião e sim sua eficiência e voos ultra longos. De repente, é chegada o momento de um A380 Neo. O mesmo aconteceu com o A330. Aliás, o 747 é a mesma estória.

  2. Independentemente de tudo o que já foi dito sobre esse caso, uma coisa que nunca vou entender é o por quê de terem caprichado tão pouco no desenho dessa aeronave. O tempo passa e meus olhos não conseguem se acostumar com a falta de estética e proporcionalidade do A380.
    É dizer: é muito feio.
    Não que isso tenha influência no seu insucesso comercial. Mas não deixa de ser irônico o fato de ter sido criado para concorrer com uma das mais majestosas aeronaves já construídas, o Boeing 747.
    São tantos equívocos em sequência no caso do A380 que não tem como não concluir que a Airbus estava sofrendo uma crise de megalomania naquele tempo.