O preisdente turco pode ver de perto o caça Su-57 que a Rússia está oferecendo para Turquia no lugar do F-35.

O presidente russo Vladimir Putin e seu homólogo turco Recep Tayyip Erdo?an participaram hoje da abertura do show aéreo MAKS 2019, onde a Rússia demonstra as versões de exportação do caça de quinta geração Su-57.

“O presidente turco Erdogan compareceu na cidade de Zhukovsky como parte de sua visita de trabalho. Os dois presidentes assistiram à exposição do [show aéreo da MAKS] e estão em conversações bilaterais”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov à agência de notícias russa TASS. Presidente turco elogiou os caças russos durante a visita.

“Então agora, vamos comprar este [o Su-57]?” Erdogan perguntou a Putin enquanto eles caminhavam perto do exemplo em exibição. “Você poderia”, disse Putin em resposta, após o que o presidente turco riu.

A dupla examinou também o caça Sukhoi Su-35 durante o evento. Segundo o oficial russo, as perspectivas das vendas de caças para a Turquia dependem do show.

Ancara começou a considerar o caças russos Su-35 e possivelmente o Su-57 após uma ação dos Estados Unidos no mês passado para interromper a entrega dos caças furtivos F-35 para a Turquia, depois que o país recebeu os sistemas de mísseis S-400 fabricados na Rússia, em meio a preocupações de que pode levar a um possível subterfúgio russo.

A Turquia, no entanto, enfatizou que o S-400 não seria integrado aos sistemas da OTAN e não representaria uma ameaça à aliança, rejeitando que teria sido retirada do programa.

Caso a Turquia não consiga os jatos F-35, as autoridades turcas insistiram que o país atenderia suas necessidades de outras fontes até que produza as suas próprias.

Os dois líderes também visitaram uma aeronave de passageiros a jato MC-21-300, que realizou seu primeiro voo em maio de 2017. Desenvolvido pelo Yakovlev Design Bureau e produzido por sua controladora Irkut, uma filial do governo, a United Aircraft Corporation (UAC). A aeronave tem um preço de aproximadamente US$ 90 milhões e deverá ser entregue às companhias aéreas a partir de 2020.

Putin e Erdo?an também devem discutir a situação na Síria, em particular a província de Idlib, no noroeste dos rebeldes, e o acordo na Ucrânia.

“O presidente reafirmou repetidamente sua preocupação com a intensificação das atividades terroristas em Idlib”, disse o porta-voz do Kremlin. “A situação em Idlib, que continua sendo a área de responsabilidade da Turquia, de acordo com os acordos de Sochi, permanece bastante complexa”.

Ancara e Moscou, em setembro, concordaram em estabelecer uma zona de desescalada em Idlib para evitar uma possível ofensiva das forças sírias contra o último grande enclave controlado pelos rebeldes no país.

No entanto, o governo sírio, apoiado por Moscou, iniciou uma incursão militar em Idlib em abril, depois que o grupo jihadista Tahrir al-Sham (HTS) ganhou domínio na província e lançou ataques a áreas vizinhas, apesar das exigências de Moscou da Turquia de retirá-lo do poder na região.

Anúncios