Aeronave MC-21-300. (Foto: Alexey Kondratov)

A exportação do avião MC-21 para a Malásia, que assinou um acordo ‘soft’ para compra de dez exemplares, pode começar em 2023, disse o ministro da Indústria e Comércio da Rússia, Denis Manturov, na segunda-feira ao canal de TV Rossiya-24.

“As entregas comerciais começarão em 2021. Começaremos as entregas para operadores russos e países da CEI em primeiro lugar. Clientes de países não pertencentes à CEI … terão como alvo o período de 2023-2024. Estes são países do sudeste da Ásia e da Malásia”, afirmou Manturov, segundo o jornal na imprensa russa.

Os problemas atuais do Boeing 737 MAX com as companhias aéreas que não compraram jatos podem acelerar as perspectivas de vendas do MC-21 devido à crescente demanda por aviões de corredor único e falta de suprimento.

Mas o avião deve primeiro concluir seu processo de certificação russo e europeu; o avião está atualmente em testes e será certificado na Rússia em 2020. O certificado russo será posteriormente validado no mercado europeu.

O MC-21 está sendo desenvolvido e fabricado pela Irkut Corporation (uma subsidiária da UAC da Rússia). Seu fabricante reivindica uma série de recursos inovadores que resultam em mais passageiros (até 211), mais espaço no corredor e bagagem interna e melhor economia de combustível em comparação com os aviões concorrentes da Boeing e Airbus.

O primeiro-ministro da Malásia, Mahathir Mohamed, está procurando economizar com grandes compras e usar produtos de aviação e defesa da Rússia é uma dessas medidas.

A Rússia e a Malásia assinaram um contrato “flexível” (sem compromisso e sem pagamento antecipado) para o fornecimento de dez aeronaves MC-21 na fase de preparação para sua produção em série em outubro. Um empréstimo do estado para a compra das aeronaves foi discutido de acordo com reportagens anteriores.

Anúncios

2 COMENTÁRIOS

  1. Esse avião é significativamente mais sofisticado que o avião chinês da COMAC, incorporando grande parte da estrutura em fibra de carbono, além de ter motorização ocidental. Infelizmente as sanções irão prejudicá-lo grandemente, pois seria uma opção mais moderna que o 737 e o A320.