Um técnico da USAF avalia a camada de baixa observação, a “pele” que oferece ao Raptor sua capacidade furtiva. (Foto: Senior Airman Joan King / U.S. Air Force)

Muitos se surpreendem ao descobrir que o maior órgão existente no corpo humano é a pele. A pele fornece uma barreira física contra prejudiciais fatores externos. O caça F-22 Raptor, bem como o corpo humano, tem uma camada de pele chamada de baixa observação.

A camada de baixa observação (LO) não só ajuda a manter as capacidades furtivas dos jatos mas também evita danos de corrosão e outros. Como a pele humana, o revestimento do F-22 é constituído por várias camadas. A superfície do F-22 parece ser um simples tinta cinzenta, mas, na realidade, a superfície de alta tecnologia torna um dos maiores jatos de combate virtualmente indetectáveis pelo radar.

“Sem dúvida a capacidade mais importante de um caça de quinta geração, como o Raptor, é o que proporciona a baixa observação – a discrição”, disse o major da Força Aérea Patrick Pearson, um piloto de F-22 junto à 3ª Ala de Caça.

Os benefícios da tecnologia stealth podem facilitar um pouco em termos de combate aéreo. A capacidade do F-22 para processar um ataque letal, permanecendo sem ser detectado, é uma das razões por ele ter a maior taxa de destruição de qualquer outro caça em combate simulado. Enquanto a incrível letalidade definiu as táticas do F-22, a aeronave também se tornou conhecida por sua capacidade de sobrevivência inigualável.

“A sobrevivência é o maior fator, de modo que o jato e o piloto podem retornar”, disse o técnico em manutenção da camada de baixa observação, o Airman 1st Class Emmanuel Marioni.

A letalidade e sobrevivência são questões críticas para os homens e mulheres no setor de LO, composto de militares da ativa do 3° Esquadrão de Manutenção e de reservistas do 477° Esquadrão de Manutenção. Seus membros preparam diariamente os caças F-22 para que os pilotos possam derrotar as aeronaves rivais mais avançadas e os sistemas de mísseis de defesa aérea no solo.

A camada que protege o caça F-22 Raptor é avaliada constantemente pelos técnicos especializados dos esquadrões de manutenção da USAF. (Foto: U.S. Air Force)

Uma vez por semana, o setor de LO conduz inspeções externas das camadas sobre o Raptor. Toda a informação é colocada num banco de dados que avalia a sua capacidade stealth, chamado de sistema de avaliação de assinatura (SAS).

“Quanto menor a classificação SAS, mais furtivo é o jato”, disse o sargento Dave Strunk, chefe de preparação do voo junto ao 477° Esquadrão de Manutenção.

Strunk, disse que o trabalho de LO é feito em duas áreas – na remoção do revestimento para facilitar a manutenção e outra na remoção e substituição para levar a classificação SAS para baixo. O trabalho de um técnico de LO pode ser um desafio que exige um alto nível de atenção aos detalhes e adesão às precauções de segurança.

“Estamos trabalhando todos tempo e todos os dias”, disse o sargento da equipe da Força Aérea dos EUA Mateus Duque, técnico de LO do 477° Esquadrão de Manutenção. “Nós temos mantido uma cobertura 24/7 para garantir um fluxo constante de progresso desde o início de uma reparação até o término. Nossa precisa catalogação de danos e reparos asseguram que a aeronave esteja funcionando como projetada.”

A pele do corpo pode ser dada como correta até que ela seja danificada. Os esforços por trás das cenas dos homens e mulheres do terceiro Esquadrão de Manutenção e do 477° Esquadrão de Manutenção é para manter o Raptor no topo do combate aéreo.

“A constante atenção aos detalhes e na manutenção da nossa seção de LO é essencial para projetar a capacidade do F-22 em combate”, disse Pearson. “Sabendo que nossos jatos estão completamente prontos para entrar em operação me dá a confiança que eu preciso para fazer o trabalho.”

Texto: Senior Airman Joan King / 3rd Maintenance Group – Tradução: Cavok

Solicito um minuto da atenção de você leitor do Cavok. Estamos tendo despesas elevadas com servidores devido ao alto tráfego gerado mensalmente, e precisamos da ajuda de todos para continuar mantendo o site estável e permanentemente no ar. Sem a ajuda de vocês, fica inviável manter o Cavok, já que infelizmente as empresas aeronáuticas brasileiras até o momento não anunciaram no nosso site, mesmo sendo o Cavok uma das maiores referências sobre notícias de aviação do país, reconhecido inclusive internacionalmente, e um dos sites de aviação mais visitados do país, senão o maior. Para contribuir, utilize as formas de pagamento online abaixo ou nos botões localizados na barra lateral.




Desde já meu muito obrigado.

Fernando Valduga

Enhanced by Zemanta
Anúncios

62 COMENTÁRIOS

  1. Seria interessante era saber como os engenheiros americanos chegaram a esse composto. Mas talvez só daqui a 50 anos, no Canal História.

    PS – Talvez venha daqui aquele mito sobre o F-22 perder a pintura…

    • Desculpe pela 'viagem', mas eu li certa vez que este 'composto' vinha de algo recolhido à área 51… se é verdade ou se isto está ligado a algo extra já são outros 500.

      (O que é definitivamente conhecido sobre a Área 51 é que ele é usado pelo governo dos EUA para desenvolver e testar aeronaves experimentais e sistemas de armas e que vem fazendo isso desde testes de voo do avião espião U-2 em 1955. Em 1977, se deram vôos de teste do primeiro protótipo Lockheed F-117A Nighthawk. Até que foi revelado à midia através de uma única fotografia granulada em 1988. Mais tarde, aviões stealth, incluindo o bombardeiro B-2 e os caças F-22, também voaram em missões de teste no 'Lago Groom').

      • Há a versão que esta camada tem vindo a ser desenvolvida desde o SR-71, por isso tem lógica.

  2. sera q esse "pele" nao é toxica para os pilotos/tecnicos?

  3. Uma colher para raspar e um potinho, numa ponta daquela asa raptoriana, poderia significar um bilhete de loteria chinesa premiado ao corajoso — junto da amizade eterna da CIA e do “escritório central” da Tríade… 😀

  4. O F-35 terá uma capacidade maior sobre o F-22 justamente neste ponto de manuteção. Será bem mais fácil e em bem menos tempo reparar uma mossa ou um arranhão (bem comum a bordo de um NAe) num Lightning do que hoje é num Raptor. Li (não sei aonde) que a LM está trabalhando numa simples fita, tipo taipe, que , dependendo da situação, manteria as qualidades furtivas da nave até ela poder ser enconstada para reparos…

  5. bacana a matéria! legal esta classificação SAS…
    o Raptor é bem bonito… dos modernos em serviço é, ao lado dos Flankers e Rafale e M2000, o mais bonito dos 4, minha opinião… claro… mas tenho uma quedo pelo F-16… estivesse o F-14 em serviço, entraria para este hall de beldades!… 🙂 "amanhã" eu já mudo de opinião… tenho fazes de "gosto"… interessante que o F-14 está sempre entre os 3 primeiros… 🙂

    • Caro Chicão,

      Tenho uma opinião parecida. O design do F-22 chama muito a atenção. 🙂 A simetria dos ângulos das asas e da própria célula (shape furtivo) deram uma aparência sinistra para o Raptor. E o F-23 era ainda mais sinistro… hehehe.

      []'s

      • Concordo 100%! O YF-23 era bem mais sinistro…e na minha modesta opinião de leigo, muito mais avião…e muito mais caro!

  6. Não pode tomar chuva, não pode ser exposto a areia, de fato é a rainha do hangar…

    • Bah…os trols ainda continuam com esse papinho? Me diz qual avião da face da Terra pode tomar "areia no lombo" e sair sem nenhum arranhão? E outra, o Raptor vai tomar chuva à 30 mil pés?

      • Se o F22 é toda essa maravilha, então…
        Porque os americanos interromperam sua produção?
        Porque cairam 2 sem maiores explicações?
        Porque não teve batismo de fogo, mesmo na inofensiva Líbia?
        Por que seus pilotos temem voar nele?
        Por que estão pensando em fazer upgrade dos F15s ?
        Porque a USNavy, não que nem ouvir falar na dupla F22/F35?
        Porque a Usaf emitiu relatório com título "onde foi que erramos?" referente a seus programas 5G? http://www.airpower.au.af.mil/article.asp?id=113

        Enquanto vc não me responder a td isso, te passo o honroso título de trol…

        • Olha, geralmente não costumo responder assuntos tão batidos como este, mas vamos lá meu querido Troll…

          Se o F22 é toda essa maravilha, então…

          Porque os americanos interromperam sua produção?
          R: Guerra Fria…Queda do Muro de Berlim. Já ouviu falar nisso? Ademais isso é política deles, portanto…

          Porque cairam 2 sem maiores explicações?
          R:Voar para o Homem vai contra a Natureza. O único ser que sabe voar é o Homem. O pássaro não sabe voar. Ele apenas voa. Forevis-5 também cai. MiG indiano cai as pencas. Su-30 também cai. Sobre as explicações, entre você no site da NTSB (www.ntsb.gov) e pesquise. Duvido que por ser um avião militar, de tecnologia de ponta, alguém encontre algum relatório oficial…

          Porque não teve batismo de fogo, mesmo na inofensiva Líbia?
          R: Trol! O F-22 é um caça de superioridade aérea com capacidade pra lá de secundário de ataque ao solo. Qual a utilidade de um Raptor sobre a Líbia??? Essa eu quero ler e muito a tua explanação. Qual era a oposição aérea sobre a líbia? Oposição aérea? Até A-29 sobrevoaria a Líbia impunemente!

          Por que seus pilotos temem voar nele?
          R: Os pilotos não temem. Não distorça os fatos. O que aqueles dois malucos fizeram foi dizer que sem identificar o problema do OBOGS não era seguro para ninguém, nem para o tripulante nem para o caça, uma vez que cada aparelho custa quase meio bilhão de dólares!

          Por que estão pensando em fazer upgrade dos F15s?
          R: Geopolítca internacional. Já ouviu falar disso? O futuro Hi-lo da USAF será F-22+F-35, porém o F-35 vai demorar além do estipulado para entrar em operação…então? Vai deixar a descoberto essa lacuna? Outra coisa, um Eagle modernizado é um tremendo adversário no ar. Primeiro vão os Raptors, depois os F-15/F-35…preciso continuar? No Futuro, dada as atuais circunstâncias globais, é BEM provável que venha a existir uma versão degradada do F-35, ou mesmo um F-16 dotado com a suíte de combate do Ligthning…

          Porque a USNavy, não que nem ouvir falar na dupla F22/F35?
          R: Por Zeus!!!! O quê é que tem a ver a USN com o Raptor?!?!? Um avião da USAF!!! Quantos anos tu tens rapaz? E por Júpiter!!!! Se a USN não quer nem ouvir falar do F-35, por que prosseguem os testes com o F-35C???? Quem acompanhou o processo sabe que a USN nunca quis o Lightning, ela sempre quis o F/A-50 e é o que vai acontecer, o Hi-lo da USN provavelmente será F/A-XX + F-35C, mas isso é especulação minha baseado na história do F-111B…ah…tu nunca ouviu falar nisso?

          Porque a Usaf emitiu relatório com título "onde foi que erramos?" referente a seus programas 5G?
          R: Ah não! Já não basta o cidadão com cara oncinha desinformando agora outro? Por Saturno! Cara, depois de misturar F-22 com USN tu ainda quer entender isso?
          Mas vou tentar explicar. Do texto, publicado no Washington Post, podemos deduzir duas coisas:
          1º – Caças de 5ª Geração é só para quem pode pagar;
          2º – O sucesso estará nos países capazes de construírem caças de QUARTA Geração a preços reduzidos! Uma força baseada só em jactos de 5ª Geração será uma força inviável, diminuta, coisa que a USAF como força global não pode ser! Esqueceu que a URSS não suportou os custos e ruiu!

          Agora, me explica sobre a tal areia e a chuva. Vamos lá, estou curioso…

          Portanto, Eu lhe concedo o nobre título de Cavaleiro TROLL.
          Ide em Paz pela Terra Média…

          • Atendendo sua curiosidade e como dito no artigo acima, danos a cobertura stealth do F22 aumentam seu RCS e areia e chuva fazem isso, por isso tem que ficar no hangar, por isso não foi pra Líbia, lá tem areia, por isso vive em shows aéreos sem chuva…. Simples assim….

            Quanto a reportagem citada vc desconversou, mas se der ao trabalho de lê-la (use o google tradutor se tiver dificuldade com Inglês) ela deixa claro que a Usaf se arrependeu em investir num programa com resultados abaixo do esperado a custos inimagináveis, e como vc mesmo disse, a URSS quebrou no bolso e os americanos não querem repetir o erro….
            Vc tb pode ver na matéria que o programa F22 foi responsável pelo aumento da idade dos aviões da Usaf e não renovação da frota dos velhos e bons 4Gs, situação que esta mudando com o upgrade destes…

            Quem diz isso não sou eu, e sim a própria Usaf, será que para vc eles estão trollando?

            Bem vindo a terra média Sir Troll knight….

            • Edson_

              A areia realmente pode afetar a pintura e mais que isso, mas daí a causar danos como fissuras na estrutura ou que prejudiquem o RCS é outra história… E desconheço tempestades de areia que cheguem aos 10000 metros de altura… De qualquer forma, considerando que o Raptor jamais pousaria na Líbia, operando de bases na Europa, pode-se concluir que areia não foi motivo para o Raptor não ir…

              No mais, o F-22 já esteve destacado no Oriente Médio…

              O Raptor não foi para a Líbia simplesmente porque não haveria adversário plausível para ele… É uma aeronave de superioridade aérea e que terminaria por atuar contra absolutamente nada, uma vez que virtualmente nada havia lá para combater no ar… Um outro parâmetro a ser considerado é o custo… Salvo engano, um Raptor custa algo como 44000 dólares por hora voada, o equivalente a metade de um esquadrão de F-16 ( padrão OTAN ), de modo que não tem qualquer sentido mobilizar-se a esse custo contra um inimigo cujo potêncial de uma força combinada de F-15, Rafale, F-16 e outros de geração 4.5 seria mais que suficiente…

              Quanto ao fato da chuva arranhar a pintura… É quase o mesmo caso da areia; ou seja, pode causar um arranhão ou outro, mas daí a causar danos que comprometam o RCS… Ademais de que serviria uma aeronave de caça que não poderia ser mobilizada em tempo ruim…?

              Enfim, é extremamente improvável que apenas areia e chuva seriam capazes de causar danos que possam comprometer a eficácia do Raptor. Somente um dano maior, como uma fissura no revestimento da fuselagem ( como o causado por um estilhaço, por exemplo ) poderia comprometer o RCS de maneira significativa… Claro que o tempo ( muito tempo ) de exposição as intempéries poderia causar danos no revestimento que eventualmente se tornariam graves, mas isso se resolve com zelo, como, aliás, tem que ser com toda a máquina que voa…

            • Eu não esperava de ti outra reação…
              Como é fácil falar que o Raptor é um "demonstrador de tecnologia colocado em produção"…que burro esses americanos, não? Dá zero pra eles! E são mais burros ainda por que a 6ª Geração é baseada na 5ª! Na Geração do 'demonstrador'…

              Isso aí parceiro, o Raptor não lutou na líbia porque tem muita areia lá…

              • Parabéns, grande cavaleiro da terra média, comentarista Nro.1 do Blog !
                Vc é o Sr. da verdade, toda opinião diferente da sua são Trollagem…

                Da-lhe Tchê!

        • O artigo em questão diz exatamente aquilo que eu sempre disse, mas calro o cara foi bem mais minucioso e tecnico, mas em essência é o que eu sempre disse : Uma USAF so de stealth é suicidio.

          Sempre falei, e por isso fui taxado de comunista, petista, anti-vaderiano, e sei la mais o que…

          Está aí…

    • Outro especialista com a história da chuva.Inveja é coisa feia, mas tudo bem melhor F5 forevis, não é mesmo.

      • Ola Leo, se vc quiser pode ajudar o Gio a responder as perguntas que fiz a ele acima, acho que ele vai mesmo precisar de ajuda, o q vc acha?

        • Cara, quem está na chuva é pra se molhar. Se tu trouxeres argumentos válidos, serei o primeiro a reconhecer, agora, se vier com trolagem…aqui trocamos informações. Quem não sabe aprende. Quem sabe divide. E quem trola, toma fogo!

          Ide em paz…

          • Cara, respeito seus comentário que em geral são muito bons…

            Mas aqui vc acusa os outros de trolagem, e quando se apresentam fatos vc corre do debate?
            Todas as questões que levantei foram postadas aqui no Cavok, vc não respondeu nenhuma?
            O link que postei é um relatório da Usaf, mas acho q vc nem deve ter aberto…

            Não tenho nada contra o F22, só penso que ele foi um demonstrador de tecnologia colocado prematuramente em produção e o resto da história tds acompanham por aqui…

            Abç.

            • "só penso que ele foi um demonstrador de tecnologia colocado prematuramente em produção"

              perfeita definição dos fatos! 🙂

                • Exato, até pq eu creio que o F 23 era igualmente promissor e não foi devidamente aproveitado e testado. Com certeza tinha um bom potencial.

                  O que os fanaticos pelo Raptor nao entenderam é : não somos contra o F 22, o que nos posicionamos é a EXCLUSIVIDADE de se apostar TUDO na 5ª geração. Tal como o Edson disse, e comoo relatorio do link disse…

                  Serio, daqui a pouco teremos privadas stealth de 5ª geração… um design arrojado, dinamico, capaz de assegurar invisibilidade total !!

                  Mas, na hora da dor de barriga, isso sera um problema… ate o cara achar ela… KKKKKKKKKKKKKKKK !!

        • Companheiro, eu quanto muito sou português, não portuga. Assim como o companheiro é brasileiro e não brasuca. Da mesma forma, tenho um nick, assim como o companheiro. Dê-se à educação.

          Aqui, em Portugal, existem hangares e até reforçados. Aqui, em Portugal, existem show's aéreos onde já vieram F117, B-1, B-52, etc. Existe uma base americana, também, onde se podem ver A-10's, F-15's, E-3 AWACS, etc.

          E sim já voaram em espaço aéreo português. http://fotoaraujo.blogspot.pt/2012/10/f22-azores….

          Não sei como estão aí de hangares e show´s aéreos talvez possa, por sua vez, ter informação para trocar.

          • Ola Afonso,
            No Brasil chamamos os portugueses carinhosamente de "Portugas" e não há nada de pejorativo nisso…. vcs são sempre bem vistos e bem vindos por aqui….
            Assim como não há nada de errado em nos chamar de "Brazukas", soa pra nós como um nome de guerra, ou qdo. participamos de competições esportivas…

            Infelizmente nossos shows aéreos são bem mais pobres que os de Portugal…

            Abç.

          • Hangares de tecnologia alemâ, construidos pela DeustchUnderBunker !! KKKKKKKKKKKK !!!!!!

            Avioes norte-americanos…

            Financiamento nacional de defesa de programas de ajuda da Otan: 70% do DeutschBank !!

            KKKKKKKKKKKKKK !!

            Ah e aviões de caça nativos superiores aos russos… como por exemplo, senão vejamos… qual era mesmo o nome daquele super caça portugues ???

        • Já agora aproveito também para responder às perguntas que fez a outro colega:

          – Porque os números estipulados revelaram-se bastante optimistas (altos), quando os inimigos potenciais não chegaram nem lá perto. Aliás, só devem lá chegar (produção em série e esquadrões operacionais) 20 anos depois – quando a 6ª Geração deverá estar a dar os primeiros passos.

          – Porque um avião tão secreto envolverá certamente conclusões secretas. Que nem o K-8…

          – Por se mesmo inofensiva, como diz. Não faria sentido arriscar em combate um vector que não iria ter rivais à altura de testar. Não se iria aprender nada, que um F-15 não resolvesse.

          – Os seus pilotos adoram voar nele e são unânimes a afirmar que está vários degraus acima do que estavam habituados.

          – Porque, como o "inimigo" pouco mais consegue que apresentar versões actualizadas do Su-27, nada mais natural o F-15 seguir o mesmo caminho. Mas ainda contendo esse ás (F22) na manga.

          – Porque o F22 foi desenvolvido especificamente para a Força a Aérea e a Marinha contaria com o F35 especificamente para ela. Se reparar, a US Navy anda `há muito alérgica a grandes e dispendiosos aviões de superioridade aérea, desde o saudoso F-14. E prefere, por sua vez, aviões multifunções.

          – Exactamente porque está já a pensar na próxima geração. E já agora, quem errou foi o camarada, pois o link não funciona.

          • Ola portuga, vejo que vc pelo menos tentou responder as questões… parabéns…

            Mas td que vc disse resume o tenho dito no blog ha algum tempo…
            "O F22 é um avião desnecessário no cenário atual"

            Concordo contigo em seu último comentário, onde eles já estão sim a estudar a próxima geração 6G, pois da atual 5G estão desistindo…

            Volto a dizer que pra mim o F22 foi um demonstrador de tecnologia colocado prematuramente em produção…

            O link funciona sim, o Wagner inclusive disse que conseguiu ver o relatório, tente este outro caminho na home page onde aparece a chamada para o relatório que está linkado em pdf. http://www.airpower.au.af.mil/Index.asp

            Abç

            • Edson_

              Os EUA desenvolvem a sexta geração como um complemento a quinta geração. A tendência é que aeronave pilotadas remotamente sejam utilizadas em missões mais arriscadas e aeronaves tripuladas sejam somente utilizadas em situações distintas, como ( talvez ) interceptação… Existe a possibilidade de, em um futuro não muito distante, serem usadas aeronaves controladas a distância e munidas de todos os sistemas necessários para engajar um possível intruso com segurança. E isso é possivel somente com a tecnologia aplicada nos tipos de quinta geração como o F-22 e F-35.

              Ou seja, não se pode desistir da quinta geração, uma vez que a tecnologia furtiva que a caracteríza é parte do caminho natural para a sexta geração… E mesmo que quisessem desistir, creio que não poderiam, devido a todos os clientes que estão engajados com os EUA no F-35 e ao fato de que outros países também investem na quinta geração…

            • Para mim, as nacionalidades não se diminuem. Um chinês é um chinês e não um china, um japonês é um japonês e não um japa, e por aí fora. Isto respondendo ao post lá de cima.

              O F-22 oferece uma grande vantagem, a furtividade, e isso é primordial nos cenários bélicos de hoje e das próximas décadas, e não desnecessário.

              Aliás, é por ser mesmo uma grande vantagem que russos e chineses aplicam os melhores cérebros e recursos financeiros para a obterem, por sua vez.

              • Afonso, o problema não é se optar pela furtividade, não é isso que a maioria se coloca, e sim a que custo e a qual nível se consegue chegar, de fato… para mim, os fatos, os acontecimentos, deixam pistas…. a medida que um avião "super-máximo" deixa de ser viável, seja por falta de ameaça (que eu tenho certeza que não foi) ou por custo-benefício, e pq falo isso: simples e irrefutável!: cancelamento do F-22! ou, ele não foi cancelado e é um blefe dos americanos (podemos considerar também a ára 51 e os ETs como verdade caso se credite esta "opção", rsrsrs) ou o F-22 não é tão furtivo ao ponto de garantir sua suprema sobrevivência… existem alguns rastros disso, um deles, emblemático, foi o encontro dele contra Rafales nos EAU…. onde a USAF não conseguiu o esperado escore… teve uma citação de um membro da USAF, inclusive… "se vcs não ligarem o Spectra nos não ligaremos o APQ…"… o resultado já é conhecido, e apesar de o F-22 não ter sido "derrubado", pouco êxito efetivo teve também… frente a um caça de 4,5 geração bem equipado… existem mais pistas… como relatórios diversos dentro da USAF, problemas e ais problemas… enfim… isso seria fruto do pioneirismo? certamente, mas não vem ao caso o pq e sim o fato consumado: para um avião que "pode tudo", e que vale cada centavo, o F-22 não deveria ter sido cancelado! e para se cancelar algo, em detrimento de se projetar outro para substituir senão todo ou parte de suas funções, é pq a coisa é séria!

                • Francisco teria como me facultar um link sobre esse exercício?

                  Obrigado.

                • tem vários, é sobre o exercício dos EAU, há 2 anos se não me engano… coloca no google F-22 vs Rafale in emirates, ou algo parecido… e não vale dizer que é apenas palavra de francês… pois logo o que sabemos do F-22 é palavra de americano… 🙂

          • "- Os seus pilotos adoram voar nele e são unânimes a afirmar que está vários degraus acima do que estavam habituados. "

            ??? não foi a pouco tempo atrás que 2 pilotos (que representavam o sentimento da maioria, sim, apesar de muitos negarem) estavam se negando a voar no Raptor?? vc está falando de prazer relacionado a adrenalina? isso não tem nada a ver com a tarefa! sabemos que existem pilotos que "adoram" voar, mas que quando estoura uma guerra eles pedem baixa 5min antes de eclodir… não são destes que se estão falando, são dos responsáveis, dos que pensam suas vidas e não de robozinhos…

          • olha, Afonso, então a Ferrari deveria dar passo para trás a medida que não encontre competidores? amigo, tu realmente acha que a USAF não errou em ter concebido o F-22 do jeito que ele é? falo do cnceito repassado à LM…, é como eu pedir para a EMBRAER fabricar, para amanhã, um jatinho de 10 lugares que voe a 20mil emtros, 1200kmh e tenha autonomia de 5000km…, vai dar xabú! muita coisa vai dar problema, se é que é possível… porém é só para ilustrar… o fato é que o F-22 entrou em serviço em 2004 e era para ter sido cancelado nos anos 90, se formos levar em consideração o que vcs falam… ele está aí? sim, já que está, que seja! mas negar que foi um mal negócio? que ele não precisaria existir desde meados dos anos 90, dando lugar ao F-16B50 e novas versões do F-15? fica difícila… as vezes se acerta, as vezes se erra…

            • Caro Francisco o companheiro coloca a Ferrari demasiado lá no alto, quer na competição quer no mercado, eles não são tão bons assim… há problemas de qualidade de construção, de travagem… não sou eu que digo, são os "entendidos"… rsrsrrsrs

              Qual o sentido operacional, de experiência de combate, colocar F22 em teste face a Mirage F-1?
              Há sempre a possibilidade de perdas, sempre, pelo que não seria melhor guardar esse trunfo para paradas mais altas? É o que eu penso que os estrategas americanos pensaram.

              Quanto à concepção do F22. Não, não acho. Basta ver qual é o primeiro requisito de toda a manobra de guerra americana: a superioridade aérea.
              O F-22 foi projectado para tal e consegue-o, e com muita vantagem. O seu investimento é mais do que justificado – até para nós entusiastas, se ele não existisse estaríamos a falar de quê?? De Rafale?

              • Afonso, a Ferrari foi para ilustrar (nome)… 🙂 tem Bugatti, tem Lamborgine´s (escreve assim?) mas o nome ferrari é sempre sinônimo de bolido insuperável (mesmo que tome laço de um Ruff Porche)… 🙂
                Concordo, então vamos falar do F-22… a pergunta que fica é simples: se vale a pena, pq cancelar algo que já foi concebido?! não seria de melhor bom senso fazer uma versão menos furtiva, mais barata e mais fácil de manter do que projetar um F-35? ou um de 6ª geração novo? olha, o F-22 está aí e é o caça mais capaz na arena ar-ar, mas é notório, é fato, que ele não compensa! o artigo que o Edson fala deixa bem claro a posição que a USAF está… fosse o F-22 viável, não só teria continuado sua versão full, como poderiam produzir uma light, para exportação inclusive, mantendo o F-16 e F-15 por mais 30 anos em produção…

  7. Deve ser engraçado o nome de todos os residentes a volta da base dos F 22: Ivan Borkukov, Serguei Troschenko, Mikhail Kutuzovsky, Tatiana Iulinova, Susana Ivanova… KKKKKKKKKKKKK !!!!! 🙂

  8. Qualquer dano no revestimento interfere no RCS da aeronave, por menor que seja… E essa é uma verdade para praticamente todas as aeronaves de caça, mesmo que os efeitos e a relevância possam ser considerados menores, dependendo do tipo. Mas no caso do Raptor, um arranhão poderia ser considerado uma imensa "vala" para as ondas dos radares.

    • não fala isso que o inimigo pode "contratar" os flanelinhas do Brasil para dar uma "polida" no Raptor, enquanto o dono não volta…. 🙂

    • é verdade isso ?

      Essa nem eu sabia…

      Mas a onda teria que acertar exatamente nesse arranhao para voltar ao radar emissor e ser detectada , não ??

      Então, uma rma interessante seria algum tipo de espoleta explosiva de alta altitude, que explodisse mandando projeteis pequenos numa grande área do céu, no caso de suspeita de presença, ou inicio de ataque de Raptors.

      Uma bateria anti-aérea , com um computador simples, poderia calcular a probabilidade da posição do Raptor com relação ao ataque feito, e dispararia constantemente esses projeteis. Teria que ser tiros de alta cadencia constantes, varias baterias…

      Seria dificil acertar, mas, se qualquer arranhao o torna vulneravel, é uma chance… barata até…

      Tem desse tipo de munição não tem ??

      • Acho que seus patrícios russos já devem ter algo assim na manga…

        Fico imaginando um F22 atravessando uma nuvem pesada tipo chuva de granizo…

  9. Ó Wagner eu cometi um erro, fui ver melhor e vi que as Bases Aéreas Portuguesas não têm hangares reforçados…

    Mas fazer o quê… se você já sabe que eles foram feitos pela… DeustchUnderBunker!!!!

    AHAHAHAHAHHA

    Entre outras frases impensadas, vejo que continua a argumentar que não tenho o direito a opinar sobre aviação mundial, por ser português.
    O mesmo seria se fosse argelino, dinamarquês ou sul-africano, por exemplo, visto também não fabricarem aviões.

    É triste que proceda dessa forma infantil. E mais triste ainda é que não aprendi nada sobre aviação vindo de si. Mas também, confesso, as minhas esperanças não eram muitas.

  10. Edson

    Eu gostaria de ler o tal artigo, até porque é oficial, mas o link não dá.
    Eu uso o Google Chrome.

    Haverá outra forma de o facultar?

    Obrigado

    • Ola Afonso,
      Eu tb uso o Chrome e consigo acessar….
      Se puder me passar seu e-mail posso baixar o artigo em pdf e te enviar…

      Abç.

  11. Chicão

    Eu consigo entender a sua lógica, e tem lógica.

    Mas fica esta ponta solta: F-35.

    Se o F-22 era caro demais para ter apenas um papel, a superioridade aérea, esta deveria ser obtida por qual caça? Vamos supor que seria o F-35. Mas este não tem as mesmas capacidade furtivas (ao que se sabe o F22 tem um RCS inferior) nem ar-ar (impulso vectorial, por exemplo).

    Assim, o F22 já faz todo o sentido, porque é superior no requisito principal da manobra de guerra americana, ou não?

    • Me confundiu todo agora! rsrsrs não sei se entendi… faz ou não, Afonso… porém, ao cancelar-se sua produção, o F-22 se posicionou como inviável, se ele é inviável, há de se considerar que seja na sua principal arena também, ou seja, a AR-AR… penso que um F-35, mesmo sem ter o mesmo RCS, mesmo sendo inferior a praticamente tudo do F-22 (considerando até a defasagem eletrônica), ele, com as novas armas ar-ar, e o advento do BVR, não esquecendo que o bixo é praticamente um F-16 em voo, o que não é nada mal, pode cumprir parte desta façanha no campo de batalha… mas o F-35 nasceu agora! então… vejamos… ao constatar a ausência, lá nos meados dos anos 90, da falta de um inimigo à altura, pq os americanos não cancelaram o programa e economizaram bilhões? pq eles não sabiam o que ia "dar"… qual o resultado do F-22 na prática… foi uma aposta que se mostrou inviável economicamente, e olha que estamos falando dos USA… talvez, devessem ter elaborado versões novas e mais furtivas do F-15 e do F-16… te digo, se eles tivessem optado por tal linha, hoje a USAF estaria muito bem equipada para qualquer peleia! reconheço que o F-22 ao ser concluído, percebido e testado, deu o passo importante para o concebimento do F-35… e isso é muito importante! enfim… não sei se me fiz entender.. ou se entendi bem tua pergunta… to meio lerdo hoje… abraço! já enviou minhas Sardinhas!? 🙂

  12. O coating do F-22 foi o dado mágico que fez a US Navy pular fora do programa do Raptor embarcado…
    Teme a água e descasca…

    Pelo visto em situação de conflito se por milagre um caça se envolver numa dogfight com um Raptor a principal medida seria dispor de um canhão de areia e atirar nas fuças do Raptor colado na sua cauda.

    Ele pode te derrubar mas vai perder o a pelinha mágica… Piadinha sem graça…

Comments are closed.