A Marinha Brasileira receberá nos próximos meses o primeiro AH-15B armado com mísseis Exocet.

A Marinha Brasileira receberá um reforço na sua frota de helicópteros nos próximos meses. Modelos atualizados e aprimorados que serão recebidos aumentarão a capacidade de guerra anti-superfície e anti-submarino do serviço.

A frota de aviação naval, operada principalmente na base de São Pedro da Aldeia (BAeNSPA), no estado do Rio de Janeiro, será a mais beneficiada, devendo receber quatro importantes adições ao inventário.

É previsto que o Esquadrão HU-2 receba no mês que vem o primeiro (N-4101) dos cinco helicópteros de guerra anti-superfície Helibras AH-15B (H225M), designado UH-15B Super Cougar localmente, e armados com mísseis MBDA Exocet AM39 Block 2. Existe uma previsão de mais três serem entregues até o final deste ano. O último helicóptero AH-15B deve ser entregue em agosto de 2022, de acordo com a publicação Jane’s.

A integração e o teste de armas no AH-15B começaram em outubro de 2016 e a primeira unidade em si foi vista pela primeira vez em outubro de 2012.

Os três primeiros Super Lynx modernizados serão entregues no primeiro semestre para a Marinha do Brasil.

Também, os dois primeiros helicópteros Leonardo Super Lynx (AH-11Bs localmente) serão entregues ao Esquadrão HA-1 em maio e um terceiro em agosto.

A Marinha do Brasil também ampliou as capacidades dos seus seis helicópteros Sikorsky SH-16 (S-70B) Seahawk, que são operados pelo Esquadrão HS-1, também na Base Aérea Naval de São Pedro.

Quatro SH-16 foram recebidos em agosto de 2012 e outros dois em agosto de 2015 através do programa de vendas militares estrangeiras (FMS) dos EUA por US$ 396 milhões, incluindo serviços técnicos e provisões para novos equipamentos.

Os helicópteros SH-16 receberam importantes melhorias.

Seis kits de armas removíveis foram montadas na porta lateral, com metralhadoras Herstal MAG58M de 7,62 × 51 mm, foram introduzidas nos helicópteros até o final de 2017, para aumentar a capacidade do SH-16 para combater ameaças assimétricas. Complementa o SH-16 o atual torpedo Raytheon Mk46 Mod 5A e o míssil Kongsberg Penguin Mk2 Mod 7 que foram previamente comprados para fornecer papéis anti-submarino (ASW) e guerra anti-superfície (ASuW).

No final de fevereiro, visando melhorar o treinamento da equipe, a CAE USA recebeu um contrato via FMS da Marinha dos EUA para um sistema de treinamento de voo tático composto por um treinador de voo operacional e um treinador de táticas de armas, que será fornecido pela CAE para Marinha do Brasil, e será instalado no centro de treinamento aéreo da marinha (CIAAN) em abril de 2020 e começará a operar em julho.

Anúncios

6 COMENTÁRIOS

  1. Olha a Kombosa aí geeente! 1 dúzia de ovos 5 reáu, 1 penca de banana 10 reáu, aproveite freguesa…

    • Eu lembrei daquela música do Premeditando o Breque, Kombi 66:

      Eu economizei, mizei
      Comprei, comprei, comprei
      Uma kombi meia seis de um japonês

      Eu economizei, mizei
      Comprei, comprei, comprei
      Uma kombi meia seis

      Ela é ensinada
      Ela é uma brasa
      Corre à beça
      E vai sozinha pro CEASA
      Ela é um jóia
      Que lataria
      Passou de trinta já começa a bateria

      Eu economizei, mijei
      Comprei, comprei, comprei
      Uma kombi meia seis de um japonês

      Eu economizei, mijei
      Comprei, comprei, comprei
      Uma kombi meia seis

      Ela é ensinada
      Ela é uma brasa
      Corre à beça
      E vai sozinha pro CEASA
      Ela é um jóia
      Que lataria
      Passou de trinta já começa a bateria

      Mas vou contra pra vocês
      Ela já me aborreceu
      É só CEASA, é só CEASA, é só CEASA
      Tem mais de um mês que eu não volto pra casa

      Eu economizei, mizei
      Comprei, comprei, comprei
      Uma kombi meia seis de um japonês

      Eu economizei, mizei
      Comprei, comprei, comprei
      Uma kombi meia seis de um japonês

  2. Vejo uma mentalidade consistente no que diz respeito a estes 3 hélis citados. Que venham mais! O Bahia e o Atlântico agradecem.

Comments are closed.