Caças da FAB terão a disposição os mísseis Meteor de longo alcance. (Foto: Saab)

A empresa européia MBDA recebeu um contrato de € 200 milhões para fornecer 100 mísseis ar-ar Meteor para equipar os caças Gripen E/F da Força Aérea Brasileira (FAB).

As aeronaves devem começar a chegar na linha de voo da Força Aérea Brasileira em 2021. A participação da França, no contrato de € 200 milhões, está estimada em cerca de 15%, de acordo com o jornal francês La Tribune, em reportagem no sábado.

A Saab anunciou em março de 2015 que finalizou a assinatura de um contato de venda de 36 Gripen E/F com o Brasil, avaliado em US$ 4,55 bilhões. O contrato envolve a compra de um sistema completo de armas, e o pacote total inclui treinamento, peças de reposição, suporte, planejamento e manutenção. O pedido inclui 28 aeronaves Gripen E monoposto e oito aeronaves de dois assentos Gripen F.

O míssil ar-ar além do alcance visual (BVRAAM) guiado por radar Meteor foi testado nos jatos Saab Gripen, Dassault Rafale e Eurofighter Typhoon da Saab. O míssil oferece uma capacidade multi-disparo contra alvos em manobra, desde jatos, UAVs e mísseis de cruzeiro, em um ambiente pesado de contramedidas eletrônicas (ECM) com alcance bem acima de 100 quilômetros (62 milhas).

O alcance máximo é desconhecido, mas é uma dos maiores alcances entre os mísseis ar-ar, de acordo com a fabricante. O motor a jato de combustível sólido permite que o míssil navegue a uma velocidade de mais de Mach 4.

16 COMENTÁRIOS

  1. Agora podemos dizer que iremos possuir algum poder de dissuasão. Embora a quantidade de aeronaves esteja aquém da real necessidade, face ao quase continental território que possuímos.Pelo que andei lendo, estes mísseis possuem um grande alcance, elevada capacidade de manobra e muito difíceis de ser "jammeados".
    Agora, tá só faltando um bom sistema antiaéreo.

  2. Caramba essa foi pra pagar a boca dos descrentes como eu. MAS e esse valor, 200 milha de euro que vale mais que doletas, mais de US$2 milhões por cada míssil, ou mais de 8 milhões de reais por cada míssil ahahahaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

    Crise, onde?

  3. Levando em consideração que esse número de 100 unidades do Meteor seja para as 36 unidades do primeiro lote, temos um pouco menos de 3 mísseis por aeronave. Não é muito.

    Me parece que a FAB pretende continuar utilizando o missil que tem em boa quantidade, e que ainda estarão em validade por um bom tempo, que são os Derby (talvez seja necessária a troca dos propulsores das primeiras unidades adquiridas), que sãos os Derby, como arma secundária (pelo número maior acaba se tornando a principal, deixando para os Meteor apenas as situações em que estes sejam muito necessários.

    É possível até vermos configurações que mesclam Meteor + Derby + A-darter ou Iris-T