MiG-29KindiaUm avião de combate MiG-29K sofreu danos ao pousar no porta-aviões INS Vikramaditya durante as operações no Mar da Arábia.

A aeronave havia decolado da base aérea Naval INS Hansa em Goa e estava pousando no porta-aviões quando realizou um “pouso duro”, causando danos ao trem de pouso dianteiro.

A Marinha abriu para apurar o incidente no porta-aviões adquiridos da Rússia. Neste incidente a bordo do navio de guerra que desloca 44.500 toneladas, o piloto perdeu os dois primeiros cabos de retenção, enganchando somente no terceiro, causando o ‘pouso duro’ e danificando o nariz do avião.

A Índia encomendou 45 aeronaves desse modelo e este é o primeiro acidente envolvendo essas aeronaves.

FONTE: outlookindia.com – Tradução: CAVOK

IMAGEM: Internet e não reflete o evento

Anúncios

512 COMENTÁRIOS

  1. Existe um jargão que diz que: Pouso em NAe não é pouso, mas sim, queda controlada!
    Parece que dessa vez o piloto perdeu um pouco o controle… rs
    Brincadeiras à parte, pelo menos ninguém se feriu.

  2. Nunca pousei num porta-aviões mas imagino que seja como no paraquedismo. Lá de cima tu ve a pista, daí vai descendo, descendo, batoque pra cá, batoque pra lá…e a pista vem vindo…vagarosamente…de repente ela chega! E analisando, os meus pousos são sempre hard, pois raramente consigo ficar de pé…

  3. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  4. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  5. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  6. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  7. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  8. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  9. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  10. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  11. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  12. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  13. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  14. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  15. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  16. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  17. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  18. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  19. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  20. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  21. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  22. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  23. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  24. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  25. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  26. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  27. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  28. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  29. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  30. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  31. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  32. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  33. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  34. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  35. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  36. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  37. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  38. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  39. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  40. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  41. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  42. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  43. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  44. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  45. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  46. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  47. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  48. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  49. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  50. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  51. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  52. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  53. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  54. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  55. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  56. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  57. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  58. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  59. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  60. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  61. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  62. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  63. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  64. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  65. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  66. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  67. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  68. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  69. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  70. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  71. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  72. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  73. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  74. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  75. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  76. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  77. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  78. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  79. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  80. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  81. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  82. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  83. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  84. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  85. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  86. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  87. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  88. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  89. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  90. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  91. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  92. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  93. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  94. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  95. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  96. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  97. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  98. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  99. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  100. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  101. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  102. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  103. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  104. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  105. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  106. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  107. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  108. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  109. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  110. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  111. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  112. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  113. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  114. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  115. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  116. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  117. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  118. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  119. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  120. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  121. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  122. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  123. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  124. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  125. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  126. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  127. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  128. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  129. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  130. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  131. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  132. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  133. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  134. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  135. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  136. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  137. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  138. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  139. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  140. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  141. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  142. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  143. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  144. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  145. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  146. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  147. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  148. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  149. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  150. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  151. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  152. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  153. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  154. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  155. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  156. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  157. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  158. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  159. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  160. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  161. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  162. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  163. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  164. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  165. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  166. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  167. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  168. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  169. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  170. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  171. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  172. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  173. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  174. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  175. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  176. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  177. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  178. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  179. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  180. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  181. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  182. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  183. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  184. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  185. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  186. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  187. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  188. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  189. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  190. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  191. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  192. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  193. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  194. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  195. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.

  196. off: Gripen no Brasil: Embraer primeira decepção <a href="http://translate.google.com/translate?hl=&sl=auto&tl=pt&u=http%3A%2F%2 Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1″ target=”_blank”>http://translate.google.com/translate?hl=&sl=…” target=”_blank”>Fwww.ttu.fr%2Fgripen-au-bresil-premiere-desillusion-dembraer%2F&sandbox=1

    Chamo a atenção dos amigos para esse interessante artigo, que foi publicado hoje, originalmente em francês.
    Já coloquei o link da página traduzida, a fim de se facilitar as coisas, entretanto caso alguém queira verificar o conteúdo original, aqui segue: http://www.ttu.fr/gripen-au-bresil-premiere-desil

    O que chama a atenção nesse artigo são os três últimos parágrafos. Atradução do google não é da melhores, mas seguramente é "boa o suficiente" pra transmitir a informação.

    Que o Gripen NG é a principal aeronave de combate da FAB programa para os próximos anos, e ele agora vai ver o seu preço inevitavelmente inchar devido ao abandono da Suíça, o Brasil teve mais recentemente compensar a aquisição da aeronave sueca para venda na aeronave da Força Aérea Real da Suécia de fabricação brasileira Embraer KC-390 e A-29 Super Tucano …

    Infelizmente, o major-general Micael Bydén, Chefe Kongelige Svenska Flygvapnet, recentemente decidiu em favor da compra da Swiss Pilatus PC-drive 21 (Super Tucano concorrente) aeronaves para substituir o antigo trinta Sk 60 jatos (Saab 105) responsáveis pela formação e coaching, bem como a aquisição de aviões de carga americanos concorrente Lockheed Martin Super Hercules KC/C-130J (KC-390) para atender a oito Tp 84 (KC/C-130E/H) em serviço por quase 40 anos.

    Este é o primeiro golpe para a empresa Embraer para a qual o sucesso das exportações do futuro avião de carga tático KC-390 – cujo protótipo vai voar antes do final deste ano – é um desafio fundamental para a viabilidade do programa, as exportações Super Tucano é o outro lado da mesma moeda que os custos de desenvolvimento, inevitavelmente impacto no orçamento da FAB.

    Penso que como se trata de um artigo publicado na França, pode haver algum exagero nas informações, pelo fato do Brasil não optado pelo Rafale, em todo caso nunca é demais verificar até que ponto o teor das alegações é real.
    Sinceramente, quanto aos A-29, não tem muito o que se dizer até agora, haja vista não havia nenhum acordo que previa que a SwAF viesse a adquirir a aeronave, entretanto, com o KC-390, a situação é bem diferente.