A China está trabalhando para lançar uma missão não tripulada que irá retornar trazendo amostras da Lua antes do final de 2017.

A missão, conhecida como Chang’e 5, será a primeira a trazer material lunar para à Terra desde a nave Luna 24 da União Soviética em 1976.

O lançamento da Chang’e 5 está programado para ocorrer no final de novembro, segundo a agência estatal chinesa Xinhua. A sonda robótica será montada no topo do foguete Longa Marcha 5, partindo do Centro de Lançamento Espacial Wenchang, no sul da China.

Sonda Chang’e 3

A Sonda

De acordo com os serviços de notícias chineses, a Chang’e 5, pesando mais de 8 toneladas, é composta por quatro partes: um orbitador, um lander, uma nave de ascensão um “retornador” (o módulo de reentrada na Terra).

A missão será a primeira sonda de amostragem automática na Lua da China. Depois de alunissar, o lander recolherá amostras lunares no veículo de decolagem. Em seguida, o ascensor vai decolar da superfície lunar para se encontrar e acoplar – tudo automaticamente – com o orbitador e transferir o material. Após, o orbitador e o retornador partirão da órbita lunar em direção ao planeta.

Ainda longe da Terra, as duas naves se separarão, com o módulo de retorno pousando na Terra de paraquedas.

A ultima missão a trazer amostra lunar foi a Luna 24 da extinta URSS.

Amostra lunar

Se bem sucedida, a missão Chang’e 5 será a primeira missão a voltar da Lua, com amostras, em mais de 40 anos. A extinta União Soviética executou com sucesso três missões robóticas de retorno de amostras na década de 1970:

  • Luna 16 (101 gramas) de solo da região Mare Fecunditatis em setembro de 1970; Em fevereiro de 1972;
  • Luna 20 (55 gramas) de solo da região Apollonius;
  • Luna 24 (170,1 gramas) de solo da região Mare Crisium em agosto de 1976;

Os astronautas da Apollo trouxeram mais de 360 kg de material lunar para a Terra ao longo de seis missões lunares entre 1969 e 1972.

Estação retransmissora

A China planeja cumprir três etapas estratégicas com o lançamento da Chang’e 5: “orbitando, alunissando e retornando”.

A primeira espaçonave do ambicioso programa lunar da China, a Chang’e 1, foi lançada em 2007, seguida da Chang’e 2 em 2010. Chang’e 3, que incluiu um lander e um rover, foi lançado em dezembro de 2013 e pousou com sucesso na lua.

Também no calendário de exploração da Lua do país, está o lançamento da sonda lunar Chang’e 4 em torno de 2018.

Chang’e 4 é projetada para fazer o primeiro pouso suave no lado “oculto” da lua. (A missão estava originalmente programada para ser lançada em 2015, mas foi adiada) A China também planeja lançar uma sonda robótica para um gravitacionalmente estável num local além da órbira lunar, num ponto conhecido como Ponto Lagrange 2 [ponto aonde as forças gravitacionais da Terra e da Lua se equivalem – NT] do sistema Terra-lua, para retransmitir as comunicações da Chang’e 4 de volta à Terra.

Exploração humana também

Também no ano passado, Tian Yulong, engenheiro-chefe da Administração Estatal de Ciência, Tecnologia e Indústria para a Defesa Nacional (Science, Technology and Industry for National Defense – SASTIND), observou que “a exploração lunar é interminável“.

Tian disse que a China está em discussão com a Agência Espacial Européia e outros países “para construir bases e realizar investigações científicas sobre a Lua, que estabelecerá uma tecnologia e uma base material para o pouso dos seres humanos na Lua no futuro“.


FONTE: Space.com

7 COMENTÁRIOS