O Boeing 737-800 operado pela companhia aérea ucraniana Ukraine International Airlines, que caiu nos arredores da capital iraniana de Teerã em 8 de janeiro, foi atingido por um sistema de mísseis antiaéreos, informou a Newsweek citando autoridades americanas.

Segundo os oficiais, a aeronave foi atingida pelo sistema de mísseis terra-ar Tor-M1, construído na Rússia (designação OTAN: SA-15 Gauntlet). O relatório acrescentou que o incidente foi acidental citando a avaliação do Pentágono.

Embora as autoridades americanas tenham expressado um alto grau de confiança de que o acidente foi resultado de algum tipo de ataque por projétil, elas não duvidam do caso de um ato acidental por parte dos iranianos.

A aeronave, um avião Boeing 737-800, estava em um voo internacional com passageiros (voo 752 da Ukraine International Airlines) do Aeroporto Internacional Tehran Imam Khomeini para o Aeroporto Internacional Boryspil de Kiev. Ele parou de transmitir dados apenas alguns minutos após a decolagem de Teerã na quarta-feira e caiu pouco depois.

A aeronave colidiu com um terreno localizado a 15 quilômetros ao norte do aeroporto. O acidente ocorreu horas depois que o Irã lançou ataques de mísseis retaliatórios em posições dos EUA no Iraque pelo assassinato do general Qasem Soleimani.

As tensões ostensivamente levaram o Irã a dizer que não entregaria os dados de voo do avião e os gravadores de voz da cabine aos investigadores dos EUA, levando a suspeitas no Ocidente de que a decisão do regime iraniano tinha mais a ver com o desejo de manter potencialmente uma negação plausível. De fato, os iranianos negaram as alegações mais recentes de autoridades americanas.

A inteligência dos EUA também disse à CBC que um satélite detectou sinais infravermelhos de dois lançamentos de mísseis. O primeiro-ministro canadense Justin Trudeau disse agora publicamente que seu país tem evidências, incluindo informações de seus aliados, que apontam que o Irã derrubou o avião ucraniano. O jornal The Guardian relatou suspeitas semelhantes da inteligência britânica.

As evidências apontam que as defesas aéreas iranianas ativaram seus radares no momento do acidente e pelo menos duas assinaturas de infravermelho de possíveis lançamentos de mísseis terra-ar foram vistos pelos satélites dos EUA. Os satélites também teriam visto o próprio avião explodindo em chamas.

Desde horas após o acidente, imagens não confirmadas do local do acidente, mostrando restos desse míssil específico, circulam nas mídias sociais. As fotos levaram os investigadores ucranianos a pedir para inspecionar o local do acidente em busca de mais detritos possíveis.

Nenhum pedido de socorro veio da tripulação, sugerindo nenhum sinal de problemas técnicos até que o avião explodisse enquanto voava a uma altitude de aproximadamente 8.000 pés. No entanto, reportagens da imprensa do Irã indicaram que os pilotos tentaram retornar ao aeroporto de Teerã antes da catástrofe.

Todas as 176 pessoas a bordo – 167 passageiros e nove tripulantes – morreram no acidente, tornando-o o mais fatal desastre aéreo no Irã em mais de uma década. O acidente também foi o primeiro acidente fatal na aviação para a Ukraine International Airlines desde o início de sua operação em 1992.

Das vítimas, 82 eram iranianas, 63 eram canadenses e 11 eram ucranianas (incluindo nove tripulantes), além de 10 nacionais suecos, sete afegãos e três alemães.

Um vídeo foi publicado nas mídias sociais com o objetivo de mostrar um míssil iraniano de superfície-ar que atinge o voo PS752, mas ainda não houve verificação de sua autenticidade.

Anúncios

18 COMENTÁRIOS

  1. Imagens de satélite assinalando disparos, destroços com sinais de impactos, videos de algo sendo abatido por míssil, fotos de partes de um SA-15 na área de destroços. Não há nada mais para ser dito!
    Chocante mesmo é ver políticos e militantes tupiniquins defendendo o Irã!
    Parceria com o Irã é melhor do que se alinhar aos EUA! Hipocrisia e mal caratismo de quem gosta mesmo é de passear na Disney, NY e discutir o socialismo com um bom vinho em Paris.

  2. Estupidos motivados no comando de sistemas anti-aéreos dá nisso ai. Agora o que um avião comercial estava decolando de um área de extremo risco como Teerã, logo após um ataque Iraniano a bases americanas? Que falta de noção! O Irã poderia ter recebido uma onda de tomahawks naquele mesmo instante. Então mais uma trapalhada tipica daqueles filmes B onde os árabe/persa são retratados como estupidos, que batem cabeça a todo momento (filmes como: Aguias de Aço, Cavaleiros do Céu, Rambo, Top Gang). Bem, o evento desta semana prova exatamente isso.

  3. As autoridades de qualquer país devem falar "maldito celular" ahah

    Me desculpem mas eu não vou esculhambar o Irão, ao longo do tempo TODOS os lados abateram aeronaves civis e vieram com a desculpazinha de dano colateral e bla-bla-bla. Culpa sim tem essas empresas retardadas e os comandantes da aeronave que voam sobre regiões de conflito.

    Só espero que o Irão indenize as vitimas e admita o grande erro.

  4. As forças iranianas sabiam que estavam atacando naquele momento, custava ter mantido os aviões comerciais no solo? Ok iria gerar dor de cabeça para os passageiros, melhor um atraso do que um funeral de caixão lacrado não acham?
    Malditas guerras, e sempre os civis inocentes que pagam o pato pela estupidez dos governantes arrogantes (e eu me refiro aos dois e todos os lados possíveis)!

    • O Iran explode bomba regularmente no Iraque com dezenas de mortos. Alguém acha em sã consciência que algum deles se importa com as mortes?
      O problema dos iranianos é o batom na cueca, não podem negar como sempre fazem.