Novas imagens e informações sobre o acidente com o 737 da Ukraine estão surgindo a auxiliando as investigações.

A principal autoridade de segurança da Ucrânia disse que os investigadores acreditam que o cockpit do Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines foi atingido por baixo pelo míssil iraniano, matando os pilotos instantaneamente.

O secretário de Segurança Nacional e Defesa da Ucrânia, Oleksiy Danilov, falou sobre imagens e vídeos dos destroços para as autoridades ucranianas no Irã que investigam o acidente, que matou todas as 176 pessoas a bordo.

“Ele atingiu o cockpit por baixo. Achamos que isso é prova”, disse Danilov à BBC, referindo-se a uma foto do cockpit caído tirada por investigadores ucranianos. “Isso explica por que não ouvimos nada dos pilotos. Eles morreram imediatamente após o primeiro golpe”.

“Achamos que isso faz parte do míssil”, disse Danilov, acrescentando que as evidências foram coletadas antes que o Irã admitisse a culpa por abater o avião de passageiros. “Assim que os iranianos nos deram acesso a esses itens, nossos especialistas nos mantiveram atualizados a cada hora sobre o que estava acontecendo. E muito rapidamente, quando reunimos informações, entendemos o que havia acontecido”.

O Irã atribuiu inicialmente o acidente a falhas mecânicas e um piloto perdeu o controle, mas houve especulações de alguns especialistas de que o avião poderia ter sido abatido.

Dias depois, Estados Unidos, Canadá e Austrália disseram ter inteligência indicando que era esse o caso.

Pedaço de um míssil terra-ar foi encontrado próximo aos destroços.

“Não conseguimos divulgar [as evidências] imediatamente. Ainda precisamos trabalhar lá”, disse Danilo. “O Irã é um país muito difícil, como você sabe. E estávamos preocupados que eles pudessem enviar nossos especialistas de volta.”

Danilov acrescentou: “Acho que o Irã entendeu que não tinha escolha [a não ser admitir a culpa pelo acidente].

“Mesmo se eles tentassem criar obstáculos, já tínhamos o suficiente para mostrar à comunidade internacional o que realmente aconteceu aqui”, afirmou.

O vice-presidente da Ucrânia International Airlines, Ihor Sosnovskiy, considerou que a decisão do Irã de manter aberto o espaço aéreo civil em meio às hostilidades com os EUA foi “absolutamente irresponsável”.

O acidente ocorreu poucas horas depois que o Irã lançou um ataque de míssil balístico às bases iraquianas que abrigam soldados americanos.

“Quando você atua em guerra, age da maneira que desejar. Mas deve haver proteção em torno das pessoas comuns”, disse ele em entrevista coletiva. “Se eles estão atirando em algum lugar, são obrigados a fechar o aeroporto”.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, disse que o país espera uma investigação completa, uma admissão total de culpa e compensação.

Os destroços se espalharam por uma grande área, mostrando que a aeronave já estaria perdendo os pedaços em voo.

“O Irã se declarou culpado por atingir o avião ucraniano. Mas insistimos na admissão total da culpa”, afirmou Zelenskiy. “Esperamos do Irã garantias de sua prontidão para uma investigação completa e aberta, levando os responsáveis ??à justiça, o retorno dos corpos dos mortos, o pagamento de indenizações, desculpas oficiais por canais diplomáticos”.

No entanto, Ucrânia, Canadá, Alemanha e Reino Unido consideraram a admissão de culpa do Irã um primeiro passo importante.

“Falei com o presidente [Hassan] Rouhani, do Irã. Eu disse a ele que a admissão do Irã de que suas próprias forças armadas derrubaram o vôo 752 sem querer é um passo importante para fornecer respostas às famílias, mas observei que muitos outros passos devem ser dados”. O primeiro-ministro canadense Justin Trudeau disse em entrevista coletiva em Ottawa. “O que o Irã admitiu é muito sério. Abater uma aeronave civil é horrível. O Irã deve assumir total responsabilidade”.

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson disse que a admissão do Irã é “um primeiro passo importante” e que é “vital que todos os líderes agora sigam um caminho diplomático a seguir” para evitar conflitos.

Os protestos contra as autoridades se espalharam pelo Irã, incluindo nas capitais Teerã, Shiraz, Esfahan, Hamedan e Orumiyeh, pedindo que o líder supremo aiatolá Khamenei renuncie.

O presidente dos EUA, Donald Trump, que disse que não busca “mudança de regime” no Irã, foi ao Twitter para expressar seu apoio aos manifestantes, escrevendo: “Estamos acompanhando de perto seus protestos e somos inspirados por sua coragem”.

“O governo do Irã deve permitir que grupos de direitos humanos monitorem e denunciem fatos do terreno sobre os protestos em andamento do povo iraniano. Não pode haver outro massacre de manifestantes pacíficos, nem um desligamento da Internet. O mundo está assistindo”, escreveu Trump.

Zelenskiy disse que seu governo fornecerá mais de US$ 8.000 em compensação financeira às famílias de seus cidadãos que morreram no acidente e também pressionará o Irã a fornecer uma compensação separada.

Zelenskiy disse que também falou ao telefone com Rouhani, que prometeu processar os responsáveis.

“Vamos devolver todos os corpos a suas famílias”, disse Zelenskiy. “Todos os culpados serão punidos.”


Fonte: ABC News Australia

Anúncios

2 COMENTÁRIOS

  1. Só pra lembrar que não é o primeiro caso de avião civil abatido por engano.
    Ai é questão de narrativa, os especialistas ucranianos esqueceram que eles só puderam coletar os materiais por que foram permitidos pelo governo desde o primeiro momento.