Os caças Dassault Rafale assumiram a liderança nas missões da Líbia graças a sua capacidade 'omnirole'.

Enquanto as forças da OTAN operavam os caças Dassault Rafale e Eurofighter Typhoon na guerra mandatada pelas Nações Unidas contra as forças de Kadhafi na Líbia, detalhes  que começaram a surgir de ‘briefings’ feitos pelas forças aéreas do Reino Unido e da França sobre o uso de seus respectivos caças dizem que o Rafale era o avião de ataque principal no conflito enquanto o Eurofighter Typhoon fornecia inteligência por meio de pods de designação, conforme disse o jornal indiano DefenseWorld.

Com as hostilidades da Líbia terminadas, os caças Rafale e Eurofighter Typhoon se enfrentam num concurso avaliado em US$ 11 bilhões para o fornecimento de 126 Aeronaves de Combate Multimissão Médias (MMRCA) para a Força Aérea da Índia, com as propostas comerciais programadas para serem abertas na primeira semana de novembro.

O caça Rafale disputa diversas competições internacionais, mas a venda do MMRCA da Índia é considerada a mais importante. (Foto: Katsuhiko Tokunaga)

O Rafale, que ainda está para receber uma encomenda internacional, nunca chegou tão perto de encontrar um cliente estrangeiro. O caça da Dassault é finalista com o Eurofighter Typhoon, após uma avaliação de quase dois anos com caças europeus, americanos e russos.

Logo após a OTAN anunciar o estabelecimento de uma zona de exclusão aérea sobre a fortaleza rebelde de Benghazi, na Líbia, no início deste ano, os caças franceses Rafale e Mirage 2000 cruzavam o Mar Mediterrâneo atacando alvos militares terrestres líbios, um movimento que muitos críticos dizem que foi solicitado para demonstrar os recursos de combate do jato francês a potenciais clientes.

O caça Rafale demonstrou uma ótima capacidade de ataque ao solo durante as operações na Líbia. (Foto: MBDA)

Posteriormente, no Paris Air Show, em junho de 2011, oficiais da Força Aérea Francesa informaram a mídia sobre os resultados das operações dos caças Rafale na Líbia. As capacidades ‘omnirole’ do Rafale, ou seja, ar-ar, ar-solo e coleta de informações foram utilizadas ??durante as missões. Os Rafales tinham que patrulhar os céus contra aeronaves de asa fixa e helicópteros, além de mísseis anti-aéreos das forças de Kadhafi, e atacá-los durante a mesma missão. Muitas vezes, o perfil da missão tinha que ser modificada durante uma operação, com a inteligência da OTAN recebendo novos dados das forças militares do inimigo.

O armamento do Rafale para as operações da Líbia incluíam dois mísseis ar-ar com infravermelho e dois guiados por radar ativo MBDA Mica montados nas pontas e na raíz das asas do caça. Os buscadores IR dos mísseis agiam como sensores furtivos. Para ataque ao solo, haviam quatro bombas guiadas a laser Raytheon GBU-12 Paveway  2. Os pilotos franceses lançaram mais de 100 bombas guiadas GBU-12 na Líbia, conforme disseram os oficiais. O pod de designação laser Damocles da Thales, montado sob a asa, permitia ao piloto atingir seus alvos com precisão. O canhão de 30 milímetros Nexter éera montado no Rafale para ataques próximos ao solo.

Os caças Rafale, juntamente com os caças Mirage 2000, foram as primeiras aeronaves a chegarem sob a Líbia após a autorização da operação militar das Nações Unidas. (Foto: Armée de L'Air)

Em diferentes missões, os Rafales também levavam a bomba inteligente da Sagem AASM, com orientação GPS/INS. A bomba guiada com propulsão tinha um alcance de 60 quilômetros.

A Força Aérea Francesa também disparou 10 mísseis de cruzeiro MBDA Scalp nas missões de ataque de longo alcance, disse um oficial da Força Aérea da França durante o briefing. Em contraste, a Força Aérea do Reino Unido implantou o Typhoon em um papel de apoio para suas aeronaves de geração mais antiga, o Tornado. Em um briefing sobre as operações da Líbia, o Comandante das Operações Conjuntas do Reino Unido (CJO), Air Marshal Sir Stuart Peach, na semana passada explicou que o “caminho livre” que os Typhoons tinham ao lado dos Tornados, que usando seus pods de designação dos alvos oferecendo uma inteligência adicional e reconhecimento, “foi muito importante”. Os Tornados lançaram mísseis Brimstone, projetados e construídos no Reino Unido, que provaram ser um sistema de armamento de classe mundial, conforme citado pelo Air Marshal num comunicado do Ministério da Defesa do Reino Unido. O míssil Brimstone têm sido oferecido para a Índia, como parte do pacote de armas do MMRCA.

Os caças Rafale operaram em conjunto com os caças Eurofighter Typhoon da RAF durante as missões na Líbia.

Em briefings separados, o governo britânico tem informado que os caças Typhoon voaram cerca de 600 missões de combate, mas surpreendentemente os detalhes de seu papel ofensivo em termos de alvos inimigos atingidos não foram muito claros. Um briefing foi dado a altos funcionários da Força Aérea Indiana, no mês passado sobre as armas usadas pelos jatos Tornado e Eurofighter Typhoon. Os relatórios do briefing disseram que os mísseis ar-solo MBDA Brimstone foram lançados de aeronaves Tornado GR4 da RAF. Além disso, os mísseis Storm Shadow foram disparados a partir aeronaves Tornados GR4s para destruir estações de radar e baterias anti-aéreas. Não houve nenhuma menção de que as armas foram levadas pelo Typhoon.

Um executivo da Dassault, que não quis se identificar disse que o Eurofighter Typhoon, que não é claramente destinado a um papel multi-missão, jogou na melhor das hipóteses um papel de apoio nas operações da Líbia.”

Fonte: DefenseWorld – Tradução: Cavok

Dica do amigo Justin Case. Obrigado 😉

Anúncios

36 COMENTÁRIOS

  1. E dá-lhe Rafale!!! Esse post é perfeito para calar a boca dos que sempre desdenharam deste caça!

    O Rafale é o melhor para o nosso país entre os finalistas do FX-2! Marinha e FAB vão botar pra quebrar com ele!

    E tome "rajada" !!!

        • Tem torcedores aqui que parece até que estã torcendo pra time de futebol. Na situação que estamos qualquer um dos três ta bom demais, melhor que tampão usado.

          • (curtiu)
            mas eu diria mais, alem de torcida de futebol, até que aceitável uma vez
            estamos todos falando de paixão, baseada em puras especulações, até caças
            que não foram cotados, por exemplo os MiG-35 e os F-16 já seriam uma grande coisa em relação aos bicudos.

            abs 😉

          • Pode vir qualquer coisa, menos o Jato invisivel sueco de papel NG, que outros paises recusaram acreditar, pois é um projeto de alto risco pra Fab se
            afundar de vez como o Amx.

    • Rafale é o melhor caça.
      Os indianos sabem disso.
      Espero que qndo ganhar lá, o Brasil decida logo por eles aqui tbm.

    • Desculpe meu caro mas nenhum de nós aqui pode dizer que esse ou aquele caça é o melhor para a FAB. Meu desejo é que o aparelho desejado pela FAB seja o escolhido independentemente de escolhas políticas viciadas, empolgações etílicas no dia sete de setembro ou mesmo trolls inimigos do purtuguês que ficam pelos blogs da vida repetindo "Rafale F1 derroto o F-22". Se o melhor tecnicamente(e não por achismos dignos de torcida de futebol) for o Rafale, que venha o Rafale. E aplique-se o mesmo raciocínio para os outros finalistas.

    • O Rafale ja ganhou na India.
      Podem chorar a vontade os invejosos.rsrs

  2. neste momento a franca tem que fazer publicidade ha força ao rafale, logo é normal ter sido ele o cabeça de cartaz

  3. Jogar bomba na cabeça de insurgentes pro-Kadafi e em "xavantão/soviético" da década de 1960 faz o rafale ser "melhor"!So na cabeça de executivos da dAssault.

    Se o rafale é tudo isso,PORQUE ATE AGORA ELE PERDEU TODAS AS CONCORRÊNCIAS DE QUE PARTICIPOU?

    • Nossa realmente o F-18 No afeganistão e iraque fez muito diferente ne rsrsr pena que o NG nem isso faz pois e so na cartolina.

      • Os americanos não andam se gabando com seu hornet/super-hornet como se esse fosse o "supra-sumo" dos caças como os franceses estão com sua jaca.

        • E nem andam se gabando com o F22 fiasco bonito de se ver no hangar parado.

    • Qndo o Rafale ganhar na India e Suiça, vc some deste blog ok??
      O território libio foi tão fácil pra vc, que um F15E StrikeEagle americano bem armado foi derrubado.

    • E quais concorrências o SH ganhou mesmo?
      Não vale Austrália, porque não houve concorrência.

      Só para refrescar sua memória, Rafale passou para o short-list no MMRCA, e o Super Hornet não.
      Rafale está altamente cotado para EAU e talvez para a Suiça.
      E o SH?

      • "Só para refrescar sua memória"

        rafale são fabricados 11 por ano.. rsrs

        • E daí?

          Se eu me lembro bem, a Dassault tem capacidade para sobrar a taxa de produção dos Rafales se for necessário.

          Mas como vocês gostam de dizer, o Rafale (ainda) não exporta, então teríamos a linha de produção só pra gente 😀

      • Os americanos tinham/tem o F-16 e o F-15 que foi oferecido mundo afora e nunca se preocuparam em oferecer o Hornet/Super-Hornet aos seus aliados.

        • Logico o super tijolo ninguem quer, so a australia engoliu na amarra.
          Israel testou o tijolao e detestou.!

  4. Se alguém usar essas intervenções malucas para escolher um dos caças, tem que ser sedado, colocado numa camisa de força e isolado da sociedade.

    Estão disputando pra ver quem jogou mais bombas e gastou menos combustível…
    Que decadência…

  5. Já havia dito no começo do conflito que a Líbia seria a nova Guernica. Vitrine barata para os equipamentos ocidentais. Nada porém tira os méritos do Rafale, sem dúvidas o melhor caça omnirole do mercado, excetuando-se os novos F35/F22 americanos. Até mesmo ex-oficial da RAF já pregou a superiodade do Rafale frente aos concorrentes de 4.5 geração.
    Ganhará na índia e só não ganha no Brasil pelo tamanho do nosso bolso. Pode não caber na estrutura atual da FAB.
    O Rafale é mais capaz, flexível, adaptável e moderna opção ao MMRCA e a FAB. Prova isso a cada missão. Sem contar a versão M embarcada que destrói o Super Tijolão.

    • Totalmente de acordo.
      O Rafale só comprova ser o melhor caça pra India.

      • Dai a dois dias eu te digo se vc acertou, por enquanto ainda acho que vai dar o Eurofighter Typhoon na Índia.. rsrs

    • Se os EUA deixarem ou melhor não conseguirem atrapalhar os planos do Rafale na IAF. Já estão jogando pesado novamente como em outras concorrencias anteriores e agora estão oferecendo até a TOT no F-35…eles estão desesperador devido a crise e estão oferecendo até a mãe para conseguir $$$$ e empregos nos EUA. Veremos o que vai rolar nesta reta final

  6. Rafale e Typhoon estão em uma "batalha de midias" 🙂

    Vale-tudo mais descarado que o UFC…. hasduasduasduhasuhdasdh!!!

    Nada mudou, Rafale mais barato e mais "pronto", e Typhoon com mais offsets.

    E para a FAB qualquer um dos 3 serviria, como ela ja afirmou de maneira oficial. Mas é claro que ela gostaria que seu relatório técnico fosse respeitado e não afrontado.

    []'s

  7. Bem! na verdade eu não poderia dizer com certeza se o Typhoon é melhor que o Rafale, pois não sou piloto e pelo nível da conversa aqui ninguém deve ser mas gostaria de palpitar também.
    A meu ver, o Rafale me parece ser uma aeronave mais capacitada e adequada ao Brasil que as demais do FX2 mas a questão não para por ai.
    1)Não adianta somente termos o caça sem os armamentos, que no caso do Rafale só vai poder ser usado mísseis franceses que sem sombra de dúvidas vão meter a mão.,

    2)O custo médio da hora de voo está na ordem de U$19.000 e se pensarmos que a nem mesmo a maior potência bélica do mundo(USA) usa um caça com custo de hora de voo desse (S/H = U$8.000), não seria lógico a FAB fazer essa bravata.

    3)E supondo que… o Rafale não será vendido pra ninguém. Neste caso o Brasil ficará com um abacaxi nas mãos porque a França não vai aguentar os custos do Rafale sozinha e a Dissault pode vir a fechar as portas.E nós vamos fazer o que com nossas aeronaves?

    Acho que é por essas e outras coisas bem mais complexas que os oficiais da FAB preferem o Gripen NG.

Comments are closed.