O documento, de 62 páginas, cobre o ano fiscal de 2018 (que começa em 1.º de outubro). O orçamento foi considerado “magro”.

O orçamento para a NASA ficou em US$ 19,1 bilhões, o que significa que a Agência, em geral, escapou de cortes em larga escala, porém a missão de redirecionamento de asteroides (Asteroid Redirect Mission – ARM – um esforço para enviar uma espaçonave robótica para pegar um asteroide, ou um pedaço de um asteroide, rebocá-lo de volta e colocá-lo orbitando a lua e visitá-lo com uma cápsula cheia de astronautas.) foi cancelada.

A nave Orion, o foguete SLS e sistemas terrestres receberão US$ 3,7 bilhões, seguindo a linha proposta em 2017.

Parcerias público-privadas foram incentivadas como a base de futuros esforços espaciais civis dos EUA, mas não há mais orientação. O debate do destino Lua-versus-Marte não foi mencionado.

Europa Clipper

A ciência planetária pode obter US$ 1,9 bilhão, o que é maior do que o governo Obama destinou em 2017.

A missão Europa Clipper (destinada a averiguar a existência de vida em Europa e localizar um futuro local de pouso. A missão deverá decolar em 2022) continuará (sem uma quantia em dólares específica), mas a missão em separado não recebeu qualquer financiamento.

Ciências da Terra só recebeu US$ 1,8 bilhões. Um corte de 13% em relação ao orçamento de 2017.


FONTE: Planetary Society

1 COMENTÁRIO

  1. Trump mostrou toda sua "cordialidade" ao não querer tirar uma foto do aperto de mãos com Angela Merkel.
    Ele está totalmente constrangido no encontro.
    Estes encontros com líderes de outros países fazem parte do exercício da Presidência. https://m.youtube.com/watch?v=uLfukuEutIU

Comments are closed.